«

»

jun 10

10 de junho de 2007 – Israel e o foguete Shavit

10 de junho de 2007

Não Há Dia Sem História

Israel e o foguete Shavit

No dia 10 de junho de 2007 às 23:47 de Greenwich, há nove anos, a Tsahal, abreviatura de Tsa Haganah Israel, que significa Força de Defesa Israelense, lançou, a partir da Base Aérea de Palmachin, um foguete Shavit que conduziu o satélite de vigilância e reconhecimento ótico Ofeq (Horizonte) 7 para uma órbita com apogeu de 575 km, inclinação de 141.80 graus e período orbital de 93,80 minutos.

A agência noticiosa France Press informou, no dia seguinte, 11 de junho:

Shavit - Ofek 7

Shavit – Ofek 7

Israel lança novo satélite espião

Jerusalém (AFP) 11 jun 2007 – Israel lançou com sucesso um novo satélite na segunda-feira, segundo anunciou o Ministério da Defesa, com um equipamento supostamente capaz de espionar seus arqui-inimigo Irã. “O grande número de lançamentos noturnos do programa defensivo é uma evidência da capacidade tecnológica de Israel”, disse o comunicado do ministério. A massa de 300 kg (660 libras) do Ofek-7, satélite desenvolvido pela Israel Aircraft Industries, foi lançado em um foguete Shavit da base de Palmahim, ao sul de Tel Aviv.

A Base Aérea de Palmachin situa-se no litoral do Mediterrâneo (Latitude: 31.8848. Longitude: 34.6802), e só não tem restrições para lançamentos retrógrados, aqueles em que o lançamento se inclina para oeste. Além de estar munida dos mísseis balísticos Hetz e operar os lançadores de satélites Shavit, a base administra, também, aeronaves de observação pilotadas por controle remoto e esquadrões de helicópteros de ataque ar-terra.

O lançador Shavit é resultado de um programa israelense iniciado em 1988, que adaptou um míssil Jericho II para o lançamento de satélites. A família de mísseis Jericho, de propelente sólido, foi desenvolvida pela francesa Dassault, designada MD 620. Os primeiros estudos datam de 1962. Como lançador, ele tem colocado em órbita a maioria dos satélites israelenses, mas um defeito já causou a perda de um satélite espião de 100 milhões de dólares, fazendo com que o governo de Israel usasse, para lançar o sobressalente, em 2008, um veiculo indiano, o Polar Satellite Launch Vehicle. Como míssil balístico, o Shavit tem alcance de até 11 mil km com até 500 kg de carga.

Lançamentos do Shavit, até 2007:

  • 1988 – Ofeq 1 – Sucesso – payload experimental.
  • 1991 – Ofeq 2 – Sucesso – payload experimental.
  • 1995 – Ofeq 3 – Sucesso – primeiro satélite operacional na órbita.
  • 1998 – Ofeq 4 – Falha.
  • 2002 – Ofeq 5 – Sucesso – satélite em segundo operacional na órbita.
  • 2004 – Ofeq 6 – Falha.
  • 2007 – Ofeq 7 – Sucesso – terceiro satélite operacional na órbita.

O satélite Ofeq 7 foi construído pela divisão de tecnologias espaciais da Israel Association of Electronic & Software Industries. Ele possui uma câmera fabricada pela Elbyt Systems Electro-optics, uma das líderes mundiais em fabricação de sistemas eletrônicos de defesa, fundada em 1967 em Haifa, Israel. A câmera El-Op do Ofeq tem resolução de 0,8m e vida útil de 4 anos.

Detalhe. Nos anos de 1970 e 80, Israel e África do Sul cooperaram na área de fabricação de foguetes e tecnologia nuclear. A África do Sul forneceu urânio e instalações para as pesquisas israelenses, enquanto Israel forneceu tecnologia aeroespacial aos africanos. No programa, constava a fabricação de propelente sólido para os foguetes Jericó. Dois mísseis de curto alcance (o RSA-1 e RSA-2) foram destinados a Cuba ou concentrações de tropas do Pacto de Varsóvia se um ataque massivo fosse feito a partir de um país vizinho. A RSA-4 ICBM também começou a ser desenvolvido, inclusive como arma de dissuasão contra qualquer eventual ação nuclear, tanto de soviéticos quanto dos EUA.

._._.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

error: Esse blog é protegido!