«

»

maio 15

15 de maio de 1960 – Korabl Sputnik 1 (“Sputnik 4”)

Não Há Dia Sem História

15 de maio de 1960

Korabl Sputnik 1 (“Sputnik 4”) – O último simulador antes de Gagarin

Foguete VDNH R-7-1, Moscou, Rússia

Foguete VDNH R-7-1, Moscou, Rússia

 No dia 15 de maio de 1960, há cinquenta e seis anos, um míssil balístico R 7 Semyorka, de alcance intercontinental, foi disparado da plataforma de Baikonur, no Cazaquistão, União Soviética. Devorando vorazmente querosene e oxigênio líquido na razão de cem toneladas em menos de dezoito minutos, o R 7 subiu inclinando-se sobre a Ásia e o Pacífico e colocou uma massa de 2,5 toneladas numa órbita com apogeu de 514 km.

http://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:Vostok_spacecraft.jpg

Espaçonave Vostok

 

A “Revolução de Outubro” soviética aumentava a dianteira sobre o Ocidente norte americano. A cápsula lançada encaixada na ponta do R 7 Semyorka era, até então, a maior massa já colocada em órbita. Mas não era só isso. Tratava-se de um protótipo de nave espacial tipo Vostok, semelhante a que, em 12 de abril de 1961, menos de um ano mais tarde, conduziria Yuri Gagarin numa órbita completa ao redor da Terra, trazendo-o, vivo, de volta. Aliás, existe uma conjectura, nunca confirmada, de que Yuri Gagarin teria sido o primeiro ser humano a retornar do espaço, vivo, mas não o primeiro a ser lançado em órbita.

A cápsula lançada pelo R 7 em 15 de maio de 1960 não possuia couraça térmica, sendo destinada a se desintegrar no reingresso na atmosfera. Mas em seu interior haviam sistemas de manutenção ambiental e até um manequim humano. Era uma maquete em escala real de uma nave Vostok; o último exercício de simulador, antes do voo tripulado por um humano.

http://en.wikipedia.org/wiki/File:Spuntik_IV_impact_marker_Manitowoc_02.JPG

Local de impacto do Sputnik IV: o anel incrustado na pavimentação em Manitowoc

Tudo correu perfeitamente bem, principalmente com os sistemas de manutenção ambiental. Mas, no momento de realizar a operação de retro jato, para desacelerar a velocidade e fazer o reingresso, os jatos não funcionaram como o programado. A nave permaneceu em órbita. Não reingressou. Perdeu-se, passando a realizar órbitas ao redor da Terra com apogeus em torno de 600 km, e perigeus tão baixos que era praticamente certo prever uma queda relativamente breve. Foi o que aconteceu.

No dia 5 de setembro de 1962, quase um ano e meio após o feito de Gagarin, a cápsula reingressou na atmosfera e alguns de seus destroços atingiram o chão asfaltado da rua 8 Norte da cidade de Manitovoc, estado de Wiscosin, Estados Unidos. O que parece ser um aro de escotilha encravou-se no chão.

A cidade de Manitovoc promove uma festa anual, chamada Sputnikfest.

http://4.bp.blogspot.com/_dQjgqF6DXyY/SomcIrCaMzI/AAAAAAAAAzs/CwNWN9bY5OY/s1600-h/sputnikfest09_WEB.jpg

Sputnikfest em Manitowoc (2009)

._._.

2 menções

  1. Sobrevoando as planícies criogênicas em Plutão

    […] Os planos congelados jovens (sem crateras de impacto) foram informalmente chamados de Sputnik Planum ao norte dos Norgay Montes, em homenagem ao primeiro satélite lançado ao espaço pela humanidade o Sputnik. […]

  2. Sobrevoando as planícies criogênicas em Plutão » O Universo - Eternos Aprendizes

    […] Os planos congelados jovens (sem crateras de impacto) foram informalmente chamados de Sputnik Planum ao norte dos Norgay Montes, em homenagem ao primeiro satélite lançado ao espaço pela humanidade o Sputnik. […]

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

error: Esse blog é protegido!