«

»

jul 28

New Horizons revela os glaciares exóticos em Plutão

http://www.nasa.gov/sites/default/files/thumbnails/image/nh_04_mckinnon_02b.jpg

New Horizons descobriu fluxos de gelos nas planícies em forma de ‘coração’ de Plutão. Na região norte de Plutão Sputnik Planum padrões de luz e sombra em forma de redemoinho sugerem que uma camada superficial de glaciares exóticos fluiu em torno de obstáculos e seguiu preenchendo depressões, assim como as geleiras na Terra. Créditos: NASA / JHUAPL / SwRI

A missão New Horizons da NASA descobriu evidências de glaciares exóticos que fluem através da superfície de Plutão, na borda esquerda da vasta área em forma de ‘coração’ brilhante. Novas imagens em close-up fornecidas pelo dispositivo LORRI (Long-Range Reconnaissance Imager) da espaçonave New Horizons revelaram sinais de atividade geológica recente, algo que os cientistas tinham esperança em encontrar, mas ficaram surpresos quando se depararam com as evidências.

O investigador da missão John Spencer, membro do SwRI, exclamou:

Nós só observamos superfícies como essas em mundos ativos como a Terra e Marte. Estou realmente sorrindo!

As novas imagens em close-up mostram detalhes fascinantes dentro de uma planície do tamanho do Texas (informalmente chamada de Sputnik Planum) que se encontra no interior da metade ocidental da região em forma de coração de Plutão, conhecida como Tombaugh Regio (em homenagem ao astrônomo que descobriu Plutão em 1930). Ali, uma camada de gelo parece claramente ter deslizado (e talvez ainda esteja fluindo) de uma maneira semelhante as geleiras na Terra.

http://www.nasa.gov/sites/default/files/thumbnails/image/nh_04_mckinnon_02c.jpg

Na região norte do de Plutão, Sputnik Planum, os padrões de redemoinhos claros e escuros sugere que uma camada superficial de glaciares exóticos fluiu em torno de obstáculos e seguiu através de depressões, assim como as geleiras na Terra. Créditos: NASA / JHUAPL / SwRI

Enquanto isso, os cientistas da New Horizons estão usando imagens com cores enriquecidas (veja abaixo) para detectar diferenças na composição e textura da superfície de Plutão. Quando as imagens em close-up são combinadas com dados de cores a partir do instrumento Ralph, elas pintam um retrato novo e surpreendente de Plutão em que um padrão global de zonas variam de acordo com a latitude. Os terrenos mais escuros aparecem na linha do equador, os meios-tons dominam as latitudes médias e uma extensão mais brilhante gelado predomina na região polar norte. A equipe de ciências da New Horizons está interpretando este padrão como resultado de transportes sazonais de gelos do equador ao polo.

Este padrão é interrompido drasticamente pela região que lembra o “coração batente” brilhante de Plutão.

http://www.nasa.gov/sites/default/files/thumbnails/image/nh_03_olkin_01.jpg

Quatro imagens de New Horizons ‘Long Range Reconnaissance Imager (Lorri) foram combinadas com dados de cores a partir do instrumento Ralph para criar esta visão colorida global melhorada de Plutão (A borda inferior direito de Plutão nesta vista atualmente carece de cobertura a cores de alta resolução). As imagens, tomadas quando a sonda estava a 450.000 km de distância, apresentam características tão pequenas quanto 2,2 km, o dobro da resolução da exibição de uma imagem feita em 13 de julho de 2015. Créditos: NASA / JHUAPL / SwRI

O “coração do coração” (Sputnik Planum), é sugestivo de um reservatório de gelos. Os dois “lobos” em azul claro que se estendem para o sudoeste e nordeste do “coração” podem representar glaciares exóticos sendo transportados para longe de Sputnik Planum.

Adicionalmente, novos dados relativos levantados pelo instrumento Ralph da New Horizons indicam que o centro do Sputnik Planum é rico em gelos de nitrogênio, monóxido de carbono e metano.

Bill McKinnon, membro da Universidade de Washington em St. Louis, vice-líder do time New Horizons Geology, Geophysics and Imaging da New Horizons, afirmou:

Em temperaturas de Plutão de menos de -234° C, estes gelos podem fluir como uma geleira. Na região sul do coração, adjacente à região equatorial escura, parece que terrenos antigos, repletos de crateras (informalmente chamado de “Cthulhu Regio”), foram invadidos por depósitos de gelo muito mais recentes.

https://en.wikipedia.org/wiki/Cthulhu_Regio

Projeção de Cthulhu Regio em Plutão (antes chamada de ‘A Baleia’).

A missão New Horizons continuará enviando os dados armazenados até o final de 2016. A sonda está a mais de 15 milhões de quilômetros de Plutão, gozando de boa saúde e navegando na direção da profundezas do Cinturão de Kuiper.

http://www.nasa.gov/sites/default/files/thumbnails/image/nh_04_mckinnon_03c.jpg

Esta imagem anotada da região sul do Sputnik Planum ilustra sua complexidade, incluindo as formas poligonais de planícies geladas de Plutão, suas duas cadeias de montanhas e uma região onde parece que a antiga região repleta de crateras foi invadida por depósitos de gelo muito mais recentes. A grande cratera em destaque na imagem é cerca de 50 quilômetros de largura, aproximadamente o tamanho da área de uma grande cidade. Créditos: NASA / JHUAPL / SwRI

A recém-descoberta cadeia de montanhas sobe 1,6 quilômetros acima da planície circundante, similar à altura dos Monte Apalaches, EUA. Estes picos foram informalmente chamado Hillary Montes para homenagear Sir Edmund Hillary, o primeiro a escalar o cume do Monte Everest, junto com Tenzing Norgay em 1953.

Alan Stern, Investigador Principal do Instituto de Pesquisa Southwest, Boulder, Colorado, EUA, explicou:

Por muitos anos, nos referimos a Plutão como o Everest de exploração planetária. É justo que os dois alpinistas os quais primeiro escalaram o cume da montanha mais alta da Terra, Edmund Hillary e Tenzing Norgay, agora tenham seus nomes neste novo ‘Everest de Plutão’.

A seguir podemos ver um voo simulado usando imagens tomadas pela New Horizons do Sputnik Planum e a cordilheira Hilary Montes, recém-descoberta de Plutão, na sequência abaixo:

Este voo simulado de duas regiões em Plutão, a noroeste do Sputnik Planum e dos Hillary Montes, foi criado a partir das imagens capturadas pelo close-up da New Horizons. Sputnik Planum foi informalmente nomeado para homenagear o primeiro satélite artificial da Terra, lançado em 1957. Hillary Montes foram informalmente chamado de Sir Edmund Hillary, um dos dois primeiros seres humanos a atingir o cume do Monte Everest em 1953. As imagens foram adquiridas pela câmera LORRI em 14 de julho de uma distância de 77.000 quilômetros de Plutão. Características tão pequenas quanto 800 metros de diâmetro são visíveis nesse vídeo.

Fonte

NASA: New Horizons Discovers Flowing Ices on Pluto

._._.

1 comentário

  1. Beatriz Aguiar

    ESSE VÍDEO E A REPORTAGEM É MARAVILHOSO, GOSTEI MUITO !!!

Deixe uma resposta para Beatriz Aguiar Cancelar resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

error: Esse blog é protegido!