«

»

jun 15

Robert Gendler nos mostra as maravilhas da M101 – a Galáxia do Cata-vento

http://apod.nasa.gov/apod/image/1506/m101_HubbleSubaru_4000.jpg

M101 – a Galáxia do Catavento – Créditos: Subaru Telescope (NAOJ) & Hubble Space Telescope; Processsamento por Robert Gendler.

Porque tantas galáxias parecem espirais? Um exemplo contundente é a M101mostrada acima, situada a uma distância relativamente curta (em termos galácticos, é claro) de 27 milhões de anos luz de nós. Esta ‘proximidade’ permite-nos estudá-la com mais detalhes.

Evidências observacionais indicam que uma interação gravitacional com uma galáxia vizinha criou ondas massivas e condensou o gás que continua a orbitar o centro galáctico.

Essas ondas forçam a compressão do gás existente e provocam o processo de formação estelar.

Como resultado, a M101, também chamada de Galáxia do Cata-vento, tem várias regiões de formação estrelar extremamente brilhantes (chamadas de regiões HII) espalhadas através dos seus braços espirais.

M101 é tão grande que sua imensa gravidade deforma as diversas galáxias vizinhas de menor porte.

Além disso, a M101 tem várias fontes de Raios-X intrigantes, chamadas de fontes Quasisoft, estudadas pelo Chandra, mapeadas abaixo:

http://chandra.harvard.edu/photo/2004/m101/

Observações do Chandra da galáxia espiral M101 revelaram uma possível nova classe de fontes de raios-X. Estas fontes de raios-X misteriosa, marcados com ‘diamantes verdes na imagem’, são chamadas de “fontes quasisoft” porque têm uma temperatura na gama de um a quatro milhões de graus Celsius. A saída de energia de fontes quasisoft é comparável ou maior do que o de estrelas de nêutrons ou buracos negros de massa estelar alimentados pelo queda da matéria de estrelas companheiras. Isto implica que a região que produz os raios-X em uma fonte quasisoft é dezenas de vezes maior. Uma explicação é que estas fontes são produzidos por buracos negros de massa intermédia que têm massas de uma centena ou mais vezes maior do que a massa do Sol. Esses objetos teriam horizontes de eventos muito maiores, o que acarretaria as temperaturas mais baixas associadas às fontes quasisoft. Alternativamente, eles poderiam ser estrelas de nêutrons padrão ou buracos negros estelares onde a região associada de gás quente é por algum motivo ainda desconhecidamente muito maior do que o habitual. Crédito: Chandra

Fontes

APOD: M101: The Pinwheel Galaxy – Crédito da Imagem: Subaru Telescope (NAOJ), Hubble Space Telescope; Processada © por: Robert Gendler

Chandra: Quasisoft Sources – Enigmatic X-ray Sources Point to Possible New Black Hole Population

._._.

 

9612165v1-Ultraviolet-Signatures-of-Tidal-Interaction-in-the-Giant-Spiral-Galaxy-M101

2 menções

  1. NGC 4321: a majestosa galáxia espiral M100 capturada pelo Hubble e processada por Judy Schmidt » O Universo - Eternos Aprendizes

    […] de estrelas com braços espirais bem definidos, similarmente a nossa galáxia Via Láctea, a galáxia do Cata-Vento (M101) e galáxia do Rodamoinho […]

  2. O asterismo da Caçarola e o céu profundo por Lorand Fenyes » O Universo - Eternos Aprendizes

    […] esquerda temos a M101 (NGC 5457 – a galáxia do cata-vento) e a M51 (NGC 5194 – a galáxia do […]

Deixe uma resposta para NGC 4321: a majestosa galáxia espiral M100 capturada pelo Hubble e processada por Judy Schmidt » O Universo - Eternos Aprendizes Cancelar resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

error: Esse blog é protegido!