«

»

ago 12

Rangeomorpha: formas de vida complexa antiga se alimentavam através de sua arquitetura fractal

http://www.newscientist.com/data/images/ns/cms/dn26035/dn26035-1_1200.jpg

Rangeomorpha – Crédito: Universidade de Cambridge

É uma árvore? É uma samambaia? Não, é um rangeomorpha, um dos primeiros organismos complexos a evoluir na Terra. Uma nova análise de seus fósseis sugere que estes corpos estranhos evoluíram para absorver o máximo de comida possível da água circundante.

Rangeomorpha dominou os oceanos por cerca de 40 milhões anos, a partir 575 milhões anos atrás, em um período chamado de Ediacaran. Antes deles, a vida era apenas microscópica. Estes seres cresceram no fundo do mar, em lugares muito profundos para colher luz solar para a fotossíntese. Com até 2 metros de comprimento, eles não tinham órgãos, boca ou meios de se mover, então eles absorviam passivamente nutrientes da água circundante.

Jennifer Hoyal Cuthill, Universidade de Cambridge, explicou:

Geometricamente, eles estavam perfeitamente organizados para fazer isso, criando a maior superfície possível para absorção em qualquer espaço que ocupavam.

Junto com Simon Conway Morris, Jennifer estudou como a anatomia de 11 tipos de rangeomorpha evoluiu, usando fósseis para criar réplicas de computador de cada um.

http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/1/10/Charnia.png

Charnia masoni, um tipo de rangeomorpha

Hoyal Cuthill encontrou três tipos principais de rangeomorpha. Alguns eram altos e delgados, como pinheiros, projetando frondes em intervalos regulares a partir de um tronco central. Outros tiveram frondes mais longas que saíam mais para o lado, como muitas árvores caducifólias (caducas ou decíduas). O último grupo foram as esponjas, espalhando-se sobre o fundo do mar.

Cada plano corporal de um rangeomorpha tinha o formato de um fractal, por isso parecia o mesmo em diferentes escalas. Esta arquitetura maximizou a sua superfície externa, aumentando a absorção dos alimentos. Um dos rangeomorpha esponjosos encontrados tinha uma área de superfície de 58 metros quadrados, quase o mesmo que o interior de um pulmão humano.

Os rangeomorpha desapareceram do registro fóssil há cerca de 542 milhões anos, durante a explosão Cambriana, uma profusão repentina de novas formas de vida que poderiam se mover e caçar, e tinham exoesqueletos. Assim, os rangeomorpha foram superados. Hoyal Cuthill disse:

Os rangeomorpha estavam sendo privados de alimentos e provavelmente tornaram-se alimento de outras criaturas.

Fonte

New Scientist: Ancient life forms fed through fractal arms

Artigo Científico

Fractal branching organizations of Ediacaran rangeomorph fronds reveal a lost Proterozoic body plan

._._.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

error: Esse blog é protegido!