«

»

jul 25

NGC 3293: aglomerado estelar nos revela a vida e morte de estrelas irmãs

http://www.eso.org/public/images/eso1422a/

NGC 3293 capturado pela câmera WFI do telescópio de 2,2 metros MPG/ESO em La Silla, Chile.

Na imagem obtida no Observatório de La Silla do ESO, estrelas jovens agrupam-se sobre um fundo de nuvens de gás resplandecente e zonas de poeira. O aglomerado estelar NGC 3293 era apenas uma nuvem de gás e poeira há cerca de dez milhões de anos atrás, mas à medida que as estrelas começaram a se formar, o aglomerado transformou-se no brilhante grupo de estrelas que aqui vemos. Aglomerados como este são laboratórios celestes que permitem aos astrônomos compreender o processo de formação e evolução das estrelas.

Este belíssimo aglomerado estelar, NGC 3293, situa-se a cerca de 8.000 anos-luz da Terra na direção da constelação de Carina (A Quilha). Este aglomerado foi observado pela primeira vez pelo astrônomo francês Nicolas-Louis de Lacaille em 1751, quando residia onde agora situa-se a África do Sul, com o auxílio de um pequeno telescópio com uma abertura de apenas 12 milímetros. É um dos aglomerados mais brilhantes do hemisfério sul e pode ser facilmente visto a olho nu em uma noite escura e límpida.

http://www.eso.org/public/images/eso1422b/

O diagrama mostra a posição do aglomerado estelar NGC 3293  (círculo vermelho) na constelação meridional de Carina (A Quilha). Crédito: ESO

Os aglomerados estelares como o NGC 3293 contêm estrelas que se formam todas praticamente ao mesmo tempo, situadas à mesma distância da Terra, da mesma nuvem de gás e poeira, o que lhes dá a mesma composição química. Consequentemente, este tipo de aglomerado é o laboratório ideal para testar teorias de evolução estelar.

A maioria das estrelas que aqui vemos são muito jovens e o aglomerado propriamente dito tem menos de 10 milhões de anos, um bebê na escala cósmica se considerarmos que o Sol tem 4,6 bilhões de anos e ainda está a meio da sua vida. Existem muitas estrelas jovens azuis e brilhantes em aglomerados abertos como o NGC 3293, como por exemplo, no mais famoso aglomerado da Caixa de Jóias, ou NGC 4755.

Aglomerado estelar aberto terá suas estrelas dispersadas no futuro

Estes aglomerados estelares formam-se a partir de uma enorme nuvem de gás molecular e as estrelas mantêm-se juntas pela ação das forças gravitacionais mútuas. No entanto, estas forças não são suficientes para manter o aglomerado coeso face ao encontro com outros aglomerados e nuvens de gás, à medida que o gás e poeira do aglomerado se dissipam. É por isso que os aglomerados abertos duram apenas algumas centenas de milhões de anos, ao contrário dos seus vizinhos maiores, os aglomerados globulares, que sobrevivem durante bilhões de anos e agrupam muito mais estrelas.

Apesar de algumas evidências que sugerem que a formação estelar ainda está acontecendo no NGC 3293, pensa-se que a maioria, senão todas, as cerca de cinquenta estrelas deste aglomerado nasceram de uma única fornada. Embora estas estrelas tenham todas a mesma idade, elas não têm, no entanto, todas a mesma aparência caraterística de uma estrela recém formada; algumas parecem claramente velhas, o que dá aos astrônomos a possibilidade de estudar como e por que é que as estrelas evoluem a velocidades diferentes.

Um exemplo disto é a estrela brilhante cor de laranja situada embaixo à direita no aglomerado. Esta estrela enorme, uma gigante vermelha, terá nascido como uma das maiores e mais luminosas estrelas da sua ninhada, no entanto as estrelas brilhantes queimam o seu material muito depressa. À medida que a estrela consome todo o material no seu núcleo, a sua dinâmica interna muda e a estrela começa a expandir-se e esfriar, transformando-se assim na gigante vermelha que observamos atualmente. Enquanto as gigantes vermelhas se aproximam do final das suas vidas, as suas irmãs menores permanecem ainda na fase conhecida como pré-sequência principal, o período que antecede o longo período estável que se situa no meio da vida de uma estrela. Vemos estas estrelas no pico da sua vida como estrelas brancas quentes e brilhantes, contra o fundo vermelho e poeirento.

Esta imagem foi obtida pelo dispositivo Wide Field Imager (WFI) instalado no telescópio MPG/ESO de 2,2 metros, no Observatório de La Silla, no norte do Chile.

Fonte

ESO: Lives and Deaths of Sibling Stars

._._.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

error: Esse blog é protegido!