«

»

abr 13

ESO: um anel de diamantes na nebulosa planetária Abell 33

Os astrônomos utilizaram o Very Large Telescope do ESO no Chile para capturar esta bela imagem da nebulosa planetária Abell 33. Formada quando uma estrela moribunda lançou para o espaço as suas camadas externas, bolha azul está, por acaso, alinhada com uma estrela que se encontra em primeiro plano, o que torna o conjunto parecido com um anel de noivado com um diamante. Esta jóia cósmica é invulgarmente simétrica, aparecendo como um círculo quase perfeito no céu.

Os astrônomos utilizaram o Very Large Telescope do ESO no Chile para capturar esta bela imagem da nebulosa planetária Abell 33. Formada quando uma estrela moribunda lançou para o espaço as suas camadas externas, bolha azul está, por acaso, alinhada com uma estrela que se encontra em primeiro plano, o que torna o conjunto parecido com um anel de noivado com um diamante. Esta jóia cósmica é invulgarmente simétrica, aparecendo como um círculo quase perfeito no céu.

Astrônomos utilizaram o Very Large Telescope do ESO no Chile para capturar esta bela imagem da nebulosa planetária PN A66 33 (Abell 33). Formada quando uma estrela moribunda lança para o espaço as suas camadas externas, esta bonita bolha azul está, por mero acaso, alinhada com uma estrela que se encontra em primeiro plano, o que torna o conjunto extremamente parecido a um anel de noivado com um diamante. Esta jóia cósmica se apresenta de forma simétrica, algo raro, aparecendo como um círculo quase perfeito no céu.

A maioria das estrelas com massas da ordem da do nosso Sol terminarão as suas vidas sob a forma de anãs brancas, corpos quentes, pequenos e muito densos que vão se apagando lentamente ao longo de bilhões de anos. Antes desta fase final das suas vidas, as estrelas libertam para o espaço as suas atmosferas, criando nebulosas planetárias: nuvens de gás coloridas e luminosas que envolvem as pequenas relíquias estelares brilhantes.

Esta imagem, obtida pelo Very Large Telescope do ESO (VLT), mostra Abell 33, uma nebulosa planetária extraordinariamente circular, situada a cerca de 2500 anos-luz de distância da Terra [1]. O fato de ser perfeitamente redonda é bastante incomum neste tipo de objetos, pois geralmente existe algo que perturba a simetria e faz com que a nebulosa planetária apresente formas irregulares [1].

A estrela muito brilhante situada na periferia da nebulosa dá origem a uma bonita ilusão de ótica nesta imagem do VLT. O alinhamento verificado acontece por mero acaso – a estrela, chamada HD 83535, situa-se em primeiro plano, a meio caminho entre Abell 33 e a Terra, no local exato para tornar esta imagem ainda mais bonita. Juntas, a HD83535 e Abell 33 formam um cintilante anel de diamante.

Esta imagem de grande angular mostra o céu em torno da nebulosa planetária Abell 33, que aparece como um círculo azul fantasmagórico próximo do centro. Esta imagem foi criada a partir de material fotográfico do Digitized Sky Survey 2. Podem ver-se também muitas galáxias pouco luminosas e a estrela brilhante cor de laranja na parte superior,  trata-se da Iota Hydri, uma estrela que é suficientemente brilhante para poder ser vista a olho nu. Crédito: ESO/Digitized Sky Survey 2/Acknowledgement: Davide De Martin

Esta imagem de grande angular mostra o céu em torno da nebulosa planetária Abell 33, que aparece como um círculo azul fantasmagórico próximo do centro. Esta imagem foi criada a partir de material fotográfico do Digitized Sky Survey 2. Vemos aqui também muitas galáxias pouco luminosas e a estrela brilhante cor de laranja na parte superior, trata-se da Iota Hydri, uma estrela tão brilhante que pode ser vista com relativa facilidade a olho nu. Crédito: ESO/Digitized Sky Survey 2/Davide De Martin

O que resta da estrela progenitora de Abell 33, e que irá formar uma anã branca, pode ser vista, ligeiramente descentralizada no interior da nebulosa, como uma pequeníssima pérola branca. Ainda é bastante brilhante – mais luminosa que o nosso Sol – e emite radiação ultravioleta suficiente para fazer com que a bolha de material expelido brilhe [2].
Abell 33 é apenas um dos 86 objetos catalogados pelo astrônomo George Abell em 1966 no seu Catálogo de Nebulosas Planetárias. Abell perscrutou também os céus em busca de aglomerados de galáxias, tendo compilado no Catálogo de Abellmais de 4000 aglomerados, tanto no hemisfério norte como no sul.

Esta imagem foi obtida a partir de dados coletados pelo instrumento FOcal Reducer and low dispersion Spectrograph (FORS), montado no VLT, no âmbito do programa Jóias Cósmicas do ESO [3].

Notas

[1] Por exemplo, o modo como a estrela gira, ou se a estrela central é uma componente de um sistema estelar duplo ou múltiplo.

[2] Nesta imagem nítida, a estrela central parece ser dupla. Não se sabe se existe efetivamente alguma associação entre as duas ou se se trata apenas de um alinhamento ocasional.
[3] O programa Jóias Cósmicas do ESO consiste em uma iniciativa no âmbito da divulgação científica, que visa obter imagens de objetos interessantes, intrigantes ou visualmente atrativos, utilizando os telescópios do ESO, para efeitos de educação e divulgação científica. O programa utiliza o tempo de telescópio que não pode ser usado para observações científicas. Todos os dados obtidos podem ter igualmente interesse científico e são por isso postos à disposição dos astrônomos através do arquivo científico do ESO.

Fonte

ESO: Chance Meeting Creates Celestial Diamond Ring

._._.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

error: Esse blog é protegido!