«

»

mar 02

Titã e Terra e seu passado comum

Tanto a Terra como Titã têm atmosferas espessas e ricas em nitrogênio. Qual a razão desta semelhança? Os geólogos planetários agora explicam que ambas foram formadas a partir dos restos de impactos de cometas.

Abundância de Nitrogênio

Embora Titã, lua de Saturno, tenha se formado de uma maneira completamente diferente da Terra, este mundos têm uma coisa em comum: uma espessa atmosfera rica em nitrogênio e enriquecida com hidrocarbonetos.

Agora, Josep cientista Trigo-Rodríguez, do Instituto de Ciências do Espaço (CSIC-CEIE) e o cientista Javier Martin-Torres no Centro de Astrobiologia (CSIC-INTA), ambos na Espanha, sugerem que esta pode ser uma pista importante. Suas idéias inovadoras sugerem que “as características comuns indicam um passado comum”, o que indica que as atmosferas da Terra e Titã devem ter se formado de maneira semelhante.

À primeira vista, isso nos soa como improvável. A teorias  convencionais sustentam que a Terra foi formada no interior do sistema solar, a partir da acresção de corpos planetesimais rochosos. Titã, entretanto, foi formada em uma sucessão de colisões de bolas de gelo cometárias em sua órbita de Saturno, nos primórdios do sistema solar.

No entanto, a atmosfera primitiva da Terra tem sempre intrigado os cientistas planetários. Uma teoria antiga sugere que a atmosfera se formou a partir do gás ejetado pelas rochas que se juntaram na Terra primitiva. Assim, neste cenário, os cientistas destacam que estas rochas eram relativamente pobres em elementos leves como hidrogênio, carbono e nitrogênio, por terem sido expulsos preferencialmente do disco interno no início do Sistema Solar.

Por isso é uma surpresa ver uma distribuição similar desses elementos na atmosfera de Titã, que foi formado a partir de bolas de gelos muito mais longe do Sol.

Origem comum?

Trigo e Rodríguez-Martín-Torres concluem então que a semelhança indica que a atmosfera da Terra também deve ser formado a partir de cometas, provavelmente durante o bombardeio pesado tardio, um período da história do sistema solar ocorrido há 4 bilhões de anos, quando os planetas interiores sofreram uma chuva de gelo e rochas espaciais.

A tese de Trigo e Rodríguez parece fazer sentido. Na verdade, ela se encaixa com a conclusão de outra linha de pensamento: A análise isotópica do N14 e N15 na atmosfera da Terra.

Isso indica que parece cada vez mais provável que a vida na Terra se originou da poeira estelar, respirando o gás fornecido pelos cometas.

O autor Josep Maria Trigo informa que trabalho foi aceito para publicação em Planetary and Space Science vol. 59 (2011). 59 (2011) no Titan Special Issue.

Fonte

Technology Review (MIT): Why Earth and Titan Share Twin Atmospheres

Artigo científico

ArXiv.org: Clues On The Importance Of Comets In The Origin And Evolution Of The Atmospheres Of Earth And Titan arxiv.org/abs/1102.4198

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

error: Esse blog é protegido!