«

»

mar 02

NASA revela o mapa da distribuição das forças do terremoto no Chile

Imagem mostra a distribuição da magnitude dos tremores provocados pelo terremoto de 8,8 na escala Richter ocorrido no Chile. A linha vermelha (plate boundary) mostra o limite entre as placas tectônicas de Nazca e da América do Sul. Os círculos mostram as diferentes magnitures conforme a escala abaixo, variando de 4 a 8. Crédito: vide abaixo nas fontes *

Imagem mostra a distribuição da magnitude dos tremores provocados pelo terremoto de 8,8 na escala Richter ocorrido no Chile. A linha vermelha (plate boundary) mostra o limite entre as placas tectônicas de Nazca e da América do Sul. Os círculos mostram as diferentes magnitures conforme a escala abaixo, variando de 4 a 8. Crédito: vide abaixo nas fontes *

chile_geb_2010060_palette

A costa oeste da América do Sul é uma zona de subducção, onde a Placa de Nazca está se deslocando sob a Placa Sul-Americana a uma taxa média de 80 milímetros por ano. Esta colisão tectônica foi a responsável pela criação da espetacular Cordilheira dos Andes. Da mesma forma este choque provoca terremotos devastadores, como o evento de magnitude 8,8 que atingiu o mar a norte-nordeste da cidade de Concepcion em 27 de fevereiro de 2010.

O mapa acima ilustra a topografia e a profundidade da água do oceano Pacífico, revelando a influência do processo de subducção sobre a paisagem. As cores claras indicam maior elevação na superfície em terra e menor profundidade na água. As posições dos abalos e suas magnitudes estão indicadas por círculos negros. A topografia desta imagem foi baseada nos dados de radar recolhidos durante a missão topográfica Shuttle Radar Topography Mission, que voou a bordo do ônibus espacial Endeavour, em meados de Fevereiro de 2002.

A fronteira de convergência (plate boundary) das duas placas encontra-se marcada pela linha vermelha, mas mesmo sem a linha, a sua localização seria revelada pela trincheira (trench) localizada a cerca de 100 km ao largo da costa. A trincheira reside onde a placa tectônica oceânica de Nazca começa sua descida sob a placa tectônica continental Sul-Americana, formando uma zona de subducção. A trincheira é mais bem definida no lado Leste (continental crust): mergulha abruptamente passando da profundidade de apenas algumas centenas de metros (azul claro) para milhares de metros (azul escuro).

Em alguns lugares ao longo da fronteira, as duas placas podem deslizar facilmente uma sobre a outra, mas em outros locais, podem permanecer bloqueadas por algum tempo. Eventualmente, a pressão é demasiadamente grande para as rochas resistirem e elas se rompem. As placas deslizam uma sobre a outra com violência gerando terremotos. Quando ocorrem grandes terremotos submarinos, o fundo do mar pode se erguer ou afundar e eventualmente gerar os devastadores tsunamis.

A Terra vista do Espaço: Santiago antes e depois do terremoto

http://earthobservatory.nasa.gov/NaturalHazards/view.php?id=42827

O satélite Terra capturou a imagem da região de Santiago em 27 de fevereiro, após o terremoto. Veja a fumaça negra(smoke) na área da cidade. Crédito: NASA / TERRA / MODIS

A neblina pairou sobre a região metropolitana de Santiago, no Chile, após o terremoto de magnitude 8,8 em 27 de fevereiro de 2010. Na imagem acima, capturada pelo dispositivo Moderate Resolution Imaging Spectroradiometer (MODIS) do satélite Terra da NASA às 14h25m UTC, a fumaça negra pairava sobre a parte norte da cidade, enquanto a neblina na cor branca (talvez poluição e / ou poeira) cobriu a parte sul da cidade e encheu um desfiladeiro que corta o leste para as montanhas.

http://earthobservatory.nasa.gov/NaturalHazards/view.php?id=42827

A região de Santiago em 23 de fevereiro de 2010, em um dia claro. Crédito: NASA / TERRA / MODIS

A imagem inferior, capturada em 23 de fevereiro, mostra a cidade e arredores sob condições de céu claro.

http://news.discovery.com/earth/how-the-chile-earthquake-went-nuclear.htm

Animação mostra a série de eventos associados ao megaterremoto do Chile

Sequência de eventos…

Como mostra a animação acima, o terremoto chileno foi uma seqüência de atividades distintas, todas pipocando aproximadamente ao mesmo tempo. Mas, como isso acontece ainda permanece como um mistério da ciência. O crescente estresse entre as placas tectônicas se constrói muito lentamente, gradualmente, durante séculos e, em seguida – Blam! Um rasgo na crosta se forma e se propaga tão rápido como uma bala supersônica. No mais recente megaterremoto do Chile, uma faixa de terra 700 quilômetros de comprimento foi cortada em apenas dois minutos.

Limites convergentes ou destrutivos: quando a colisão ocorre entre uma densa placa oceânica e uma placa continental de menor densidade, geralmente a placa oceânica mergulha sob a placa continental, formando uma zona de subducção. Um exemplo deste tipo de colisão entre placas é a área ao longo da costa ocidental da América do Sul onde a placa de Nazca, oceânica, mergulha sob a placa Sul-americana, continental.

Limites convergentes ou destrutivos: quando a colisão ocorre entre uma densa placa oceânica e uma placa continental de menor densidade, geralmente a placa oceânica mergulha sob a placa continental, formando uma zona de subducção. Um exemplo deste tipo de colisão entre placas é a área ao longo da costa ocidental da América do Sul onde a placa de Nazca, oceânica, mergulha sob a placa Sul Americana, continental.

Estudar as enormes forças que se alastram, operando em altas velocidades, dezenas de quilômetros abaixo da superfície, exige um duro trabalho, e é isto que faz um estudo como este tornar-se tão útil.

Se os cientistas conseguirem descobrir como as rupturas se propagam através das falhas geológicas para formar os terremotos gigantes, eles poderão ser capazes de prever o iminente capítulo final desta novela de megaterremotos chilenos, assim como os demais espalhados pelo mundo.

http://earthquake.usgs.gov/earthquakes/eqinthenews/2010/us2010tfan/#summary

A USGS publicou este mapa sobre o evento de 27 de fevereiro de 2010 (amarelo), que mostra também eventos significativos anteriores, desde 1900. O triângulos roxos são os vulcões ativos.

Histórico violento

A costa chilena possui um longo histórico de violentos terremotos. Desde 1973, ocorreram 13 eventos de magnitude 7,0 ou superior. Agora, em 27 de fevereiro de 2010, o terremoto chileno ocorreu a cerca de 230 quilômetros ao norte do terremoto mais forte já medido na história (desde o início da sismologia instrumental no início do século XX): um evento ocorrido em Valdívia em maio de 1960 com magnitude 9,5.

Localização do Grande Sismo de 1960. Repare na localização da cidade de Concepción.

Localização do Grande Sismo de 1960. Repare na localização da cidade de Concepción.

O terremoto gigante de 1960 gerou um tsunami que causou destruição no litoral toda a bacia do Oceano Pacífico. Estima-se que milhares vidas foram perdidas na América do Sul devido ao terremoto de 1960 e ao tsunami no Chile. Além disso, o tsunami de 1960 ceifou mais centenas vidas no Japão, Havaí e nas Filipinas. O número de vítimas e os prejuízos deste desastre nunca foram conhecidos com precisão. Diversas estimativas quanto ao número total de mortes diretamente associadas ao sismo e aos tsunamis foram publicadas, com a USGS a citar estudos e números tais como 2.231, 3.000, ou 5.700 mortes, enquanto outras fontes usam estimativas de 6.000 mortes.

Cerca de 300 km ao norte do terremoto de 27 de fevereiro localiza-se a região de origem do sismo de magnitude 8,2 de 17 de agosto de 1906. O tsunami associado ao terremoto de 1906 produziu  danos no Havaí, com relatos de ondas de 3,5 metros.

Cerca de 870 km ao norte do terremoto de 27 de fevereiro está a região de origem do sismo de magnitude 8,5 de novembro de 1922. O terremoto de 1922 impactou significativamente o Chile central, matando centenas de pessoas e causando danos materiais graves. O terremoto de 1922 gerou um tsunami local de 9 metros, que inundou a costa do Chile, perto da cidade de Coquimbo, o tsunami também atravessou o Pacífico, danificando os barcos no porto de Hilo, no Havaí. Os cientistas indicam que terremoto de magnitude 8,8 de 27 de fevereiro de 2010 rompeu a porção da zona de subducção da América do Sul que separa as regiões de origem dos terremotos de 1960 e 1906.

Recomendamos que você acompanhe a situação atualizada dos terremotos do Chile e do resto no mundo consultando o site http://www.painelglobal.com.br/.

Fontes e referências

NASA Earth Observatory: 8.8 Magnitude Quake near Concepcion, Chile*

* Imagem fornecida pelo NASA Earth Observatory criada por Jesse Allen, usando dados do Earthquake Hazard Program da USGS, dados do Shuttle Radar Topography Mission (SRTM) fornecidos pela Universidade de Maryland (Global Land Cover Facility) e os dados do Oceano Pacífico fornecidos pelo British Oceanographic Data Center’s Global Bathmetric Chart of the Oceans (GEBCO). As legendas foram criadas por Rebecca Lindsey.

USGS: Magnitude 8.8 – OFFSHORE MAULE, CHILE [Earthquake Hazards Program]

Discovery: How the Chile Earthquake Went Nuclear

._._.

9 comentários

2 menções

Pular para o formulário de comentário

  1. Andre

    Olá, gostaria de saber se há possibilidade de os vulcões de Yellowstone e Cumbre Vieja eclodirem num futuro próximo e quais os possíveis danos.

  2. ana

    tsunami

  3. yuri

    ROCA,

    Cara valeu mesmo,essas paradas ficam na minha cabeça e me deixam com problemas,então os dias não tem 16 horas né?A Ressonância Schumann é bobagem certo?Os dias passando rápido é mais da percepção das pessoas do que efeito cósmicos?Os dias tem mais de 20 horas pelo menos certo?Me respondam por favor!=$

  4. yuri

    Cara,vocês do site me deixaram bem menos apavorado com o fato de 2012.
    Agora eu queria saber da ressonância schumann e saber se esse terremoto realmente encurtou os dias e mudou o eixo da terra.
    Se poderem me respondam rápido.
    =]

    1. ROCA

      Yuri,

      O terremoto encurtou os dias?
      Sim, mas o efeito é 1.000 vezes menor (um-milésimo) do que anualmente os efeitos gravitacionais da Lua alteram o dia da Terra (as marés). Todos os anos Lua atrasa o dia da Terra 1.000 vezes mais que este terremoto chileno adiantou o dia… Lembre-se frequência de um terremoto de magnitude em torno de 9 é de um por ano…

      O eixo mudou?
      Sim, mas a mudança é minúscula e não afetará a vida terrestre.

      Ressonância Schumann é balela, pseudo-ciência, esqueça!

      Ressonância Schumann

  5. Ludmila i. Viana Nº 35 3º B

    Terremotos devastadores, como o evento de magnitude 8,8 que atingiu o mar a norte-nordeste da cidade de Concepcion em 27 de fevereiro de 2010. Desde 1973 ocorreram 13 terremotos no Chile.O que houve no Chile foi realmente algo devastador,no dia 27 de fevereiro de 2010 ocorre o maior terremoto jah registrado no Chile.Tremores provocados pelo terremoto de 8,8 na escala Richter.A placa Nasca por estar se deslocando sob a placa Sul-Americana a uma taxa de 80 quilometros por ano,esta colisão tectônica foi responsavel por essa catastrofe no Chile.Quando te, grandes terremotos submarinos, o fundo do mar pode se erguer ou afundar.Esse movimento no mar é o que forma o Tsunami. O terremoto gigante de 1960 gerou um tsunami que causou destruição no litoral toda a bacia do Oceano Pacífico. Estima-se que milhares vidas foram perdidas na América do Sul devido ao terremoto de 1960 e ao tsunami no Chile. Além disso, o tsunami de 1960 ceifou mais centenas vidas no Japão, Havaí e nas Filipinas. O número de vítimas e os prejuízos deste desastre nunca foram conhecidos com precisão. Diversas estimativas quanto ao número total de mortes diretamente associadas ao sismo e aos tsunamis foram publicadas, com a USGS a citar estudos e números tais como 2.231, 3.000, ou 5.700 mortes, enquanto outras fontes usam estimativas de 6.000 mortes.

  6. Vinicius da SIlva n°37 2°C

    Desde 1973 ocorreram 13 terremotos no Chile.
    O que houve no Chile foi realmente algo devastador,no dia 27 de fevereiro de 2010 ocorre o maior terremoto jah registrado no Chile.Tremores provocados pelo terremoto de 8,8 na escala Richter.A placa Nasca por estar se deslocando sob a placa Sul-Americana a uma taxa de 80 quilometros por ano,esta colisão tectônica foi responsavel por essa catastrofe no Chile.
    Por alguns lugares na fronteira,as duas placas podem deslizar facilmente uma sobre a outra, mas em outros lugares, permanecem bloqueadas juntas por algum tempo.Com isso a pressão é demasiado grande para as rochas resistirem e elas quebram. As placas passam uma sobre a outra com força gerando terremotos. Quando te, grandes terremotos submarinos, o fundo do mar pode se erguer ou afundar.Esse movimento no mar é o que forma o Tsunami.

    1. ROCA

      Vinicius,
      A taxa relativa de deslocamento entre as placas de Nazca e Sul-Americana é aproximadamente 80 milímetros por ano, ok?

  7. Karina

    A placa Nazca e a Placa Sul-Americana podem deslizar uma sob a outra com violencia gerando terremotos. E o que provoca tsunamis são os grandes terremotos submarinos onde a terra pode erguer ou afundar. O terremoto de magnitude 8.8 rompeu a porção da zona de subducção da América do Sul.

  1. Blog de Astronomia do astroPT » Há mais terremotos na Terra? Não! Há mais pessoas morando em áreas de alto risco!

    […] o chão sacudiu no Haiti, em seguida, no Chile e agora na Turquia. Parece que os terremotos têm vindo cedo e forte este ano, levando as pessoas a […]

  2. Há mais terremotos na Terra? Não! Há mais pessoas morando em áreas de alto risco! « Eternos Aprendizes

    […] o chão sacudiu no Haiti, em seguida, no Chile e agora na Turquia. Parece que os terremotos têm vindo cedo e forte este ano, levando as pessoas a […]

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

error: Esse blog é protegido!