Arquivo por tag: remanescente de supernova

maio 18

Simeis 147: a Intrincada Remanescente de Supernova por Daniel Lopez (IAC)

Simeis 147: a Intrincada Remanescente de Supernova

É fácil se perder seguindo visualmente os intrincados filamentos nessa imagem detalhada dessa tênue nebulosa remanescente de supernova Simeis 147. Também catalogada como Sh2-240 e visível na constelação de Taurus (Touro), ela cobre quase 3º (6 luas cheias) no céu.

Tal corresponde a uma largura de 150 anos-luz da nuvem de resíduo estelar que dista 3.000 anos-luz da Terra. Essa imagem composta em banda-estreita através da palheta de cores do Hubble inclui a emissão a partir dos átomos hidrogênio, enxofre e oxigênio traçando regiões de ondas de choque de gás brilhante. Essa remanescente de supernova tem uma idade estimada em cerca de 40.000 anos – o que implica que a luz proveniente dessa massiva explosão estelar atingiu a Terra pela primeira vez há 40.000 anos. Todavia essa nebulosa em expansão não é a única seqüela cósmica. A catástrofe cósmica deixou também uma estrela de nêutrons em rotação (pulsar), que foi tudo que restou do núcleo original da estrela.

maio 10

M1: um incrível retrato composto da Nebulosa do Caranguejo pelo Spitzer, XMM-Newton, VLA e Chandra

Um grupo de astrônomos produziu uma imagem altamente detalhada da Nebulosa do Caranguejo (M1), combinando dados de diversos telescópios abrangendo quase toda a amplitude do espectro eletromagnético, desde as ondas de rádio vistas pelo VLA (Karl G. Jansky Very Large Array) até ao poderoso brilho de raios-X capturado pelo Observatório Espacial Chandra. Foram incluídos, dentro …

Continue lendo »

fev 27

Vamos celebrar o 30º aniversário da Supernova SN 1987A ?

Há 30 anos, os astrônomos detectaram uma das explosões estelares mais brilhantes nos últimos quatro séculos. Assim, em 23 de fevereiro de 1987, a estrela supergigante azul de nome Sanduleak –69° 202 explodiu, gerando a primeira supernova visível a olho nu desde a supernova de Kepler em 1604. A supernova titânica chamada de SN 1987A brilhou …

Continue lendo »

jan 08

Sharpless 249 e a elusiva Nebulosa da Medusa por Eric Coles

Normalmente tênue e furtiva, a Nebulosa da Medusa (Jellyfish Nebula) foi capturada neste sedutor mosaico telescópico. Essa eclética cena está ancorada abaixo pela brilhante estrela Propus (Eta Geminorum), no pé da constelação dos Gêmeos celestiais [Castor (Alpha Geminorum) e Pollux (Beta Geminorum)] enquanto que a Nebulosa da Medusa (IC 443) é o luminoso arco de emissão com seus tentáculos …

Continue lendo »

jan 03

Nova pesquisa reforça o papel das Supernovas tipo Ia no entendimento do comportamento do Universo

Quanto da história do Universo podemos conhecer com ajuda das supernovas tipo Ia? Uma nova pesquisa realizada por cosmologistas da Universidade de Chicago e da Universidade Estatal de Wayne confirmou a precisão do uso das supernovas do Tipo Ia na medição do ritmo através do qual o Universo se expande. As descobertas suportam uma teoria …

Continue lendo »

out 19

O aglomerado de galáxias e o remanescente de supernova em Antlia por Rolf Olsen

Galáxias pontuam os céus nessa impressionantemente larga e profunda imagem do Aglomerado de Galáxias de Antlia. Antlia (Abell S0636) é o 3º aglomerado de galáxias mais próximo da Terra, respectivamente atrás dos aglomerados de Virgem (Virgo) e da Fornalha (Fornax).

Continue lendo »

set 12

O magnetar jovem em RCW 103 é o pulsar com o período mais lento já detectado até hoje

Através da utilização do observatório de raios-X Chandra da NASA junto com outros observatórios de raios-X, os astrônomos encontraram evidências de um objeto que é provavelmente um dos pulsares (estrela de nêutrons em rotação) mais extremos, até então já detectado. A fonte de raios-X exibe propriedades de uma estrela de nêutrons altamente magnetizada, denominada magnetar, …

Continue lendo »

jul 15

NGC 2736: a Nebulosa do Lápis por Howard Hedlund e Dave Jurasevich

Movendo-se de cima para baixo no quadro perto do centro desta composição colida acentuadamente detalhada, vemos filamentos finos e brilhantes trançados os quais são na verdade longas ondulações em uma folha cósmica de gás brilhante, vista praticamente de perfil. A onda de choque navega atravé do espaço interestelar em mais de 500.000 quilômetros por hora. …

Continue lendo »

maio 24

Sequência de imagens do Chandra (raios-X) e do VLA (rádio) capturam a expansão do remanescente de supernova de Tycho de 1572

Em 1572, a estrela que explodiu para criar esta nebulosa remanescente de supernova foi tão luminosa que era observada durante o dia. O astrônomo dinamarquês Tycho Brahe escreveu um livro sobre as suas extensas observações desse notável evento e por isso, em sua honra, a supernova de 1572 ganhou o seu nome. Nos tempos modernos, …

Continue lendo »

mar 12

12 de março de 2007 – Modéstia japonesa: Subaru e a nebulosa do Caranguejo

Não Há Dia Sem História Modéstia japonesa: Subaru e a nebulosa do Caranguejo 12 de março de 2007 Na noite de 12 de março de 2007, há nove anos, uma equipe de astrônomos reunidos no Telescópio Subaru, do Observatório Astronômico Nacional do Japão, no alto do pico Mauna Kea, Hawai, por problemas técnicos não pode realizar …

Continue lendo »

Posts mais antigos «

error: Esse blog é protegido!