Arquivo por tag: Hubble

jul 14

J132934.18+224327.3: astrônomos descobrem uma das galáxias mais brilhantes conhecidas

Graças a uma imagem ampliada produzida por uma lente gravitacional e ao GTC (Gran Telescopio CANARIAS), um time de cientistas da Universidade Politécnica de Cartagena e do IAC (Instituto de Astrofísica das Canárias) descobriu uma das galáxias mais brilhantes, conhecidas, habitante de uma época em que o Universo tinha apenas 20% da sua idade atual.

Continue lendo »

jul 08

SGAS J111020.0+645950.8: Hubble é usado além dos seus limites para vislumbrar aglomerados estelares em galáxia distante

Quando pensamos no Universo longínquo, até a visão aguçada do Telescópio Espacial Hubble da NASA tem suas limitações. Os detalhes menores exigem um raciocínio inteligente e uma pequena ajuda proveniente de um alinhamento cósmico: a lente gravitacional. Quando aplicaram uma nova análise computacional em uma galáxia ampliada por uma lente gravitacional, os astrônomos obtiveram imagens …

Continue lendo »

jun 21

Astrônomos usam o Hubble para analisar uma massivo disco galáctico “morto” que desafia as teorias da evolução das galáxias

Combinando o poder de uma “lente natural” (lente gravitacional) no espaço com a capacidade do Telescópio Espacial Hubble da NASA, astrônomos fizeram uma descoberta surpreendente – o primeiro exemplo de uma galáxia em forma de disco, compacta ainda que massiva, de rápida rotação, que deixou de fabricar estrelas apenas poucos bilhões após o Big Bang.

Continue lendo »

jun 07

Astrônomos usam o Hubble para desenvolver um experimento que usa a centenária Teoria da Relatividade Geral para medir a massa de uma anã branca

Os astrônomos usaram a aguçada capacidade do Telescópio Espacial Hubble da NASA para repetir um teste centenário da teoria geral da relatividade de Einstein. O time do Hubble mediu a massa de uma anã branca, cinzas remanescentes de uma estrela convencional que morreu, vendo quanto esta desvia a luz de uma estrela de fundo. Esta …

Continue lendo »

maio 25

Estrela colapsou e desapareceu, dando origem a um buraco negro

Astrônomos viram como uma estrela enorme e moribunda provavelmente renasceu criando um buraco negro. Foi necessário o poder combinado do LBT (Large Binocular Telescope) e dos telescópios espaciais Hubble e Spitzer da NASA para estudar o remanescente da estrela que pereceu, para constatarem que o astro desapareceu completamente de vista. A estrela N6946-BH1 sucumbiu com …

Continue lendo »

maio 24

Galáxias recentemente descobertas com rápido crescimento podem elucidar enigma cosmológico – astrônomos mostram imagens da mais antiga fusão cósmica

Astrônomos descobriram um novo tipo de galáxia no Universo Primordial, menos de um bilhão de anos após o Big Bang. Estas galáxias estão formando estrelas a um ritmo cem vezes superior ao da nossa própria Via Láctea. A descoberta poderá explicar uma descoberta anterior: uma população de galáxias surpreendentemente massivas 1,5 bilhões de anos após …

Continue lendo »

maio 21

2007 OR10: Hubble vislumbra lua orbitando o 3º maior planeta anão do Sistema Solar

O poder combinado de três observatórios espaciais, com a participação do Telescópio Espacial Hubble da NASA juntamente com os Observatórios Espaciais Kepler e Herschel, ajudou aos astrônomos a descobrir uma lua em órbita do terceiro maior planeta anão conhecido, catalogado como OR10 em 2007. O par de objetos reside nos confins do nosso Sistema Solar, …

Continue lendo »

maio 18

Simeis 147: a Intrincada Remanescente de Supernova por Daniel Lopez (IAC)

Simeis 147: a Intrincada Remanescente de Supernova

É fácil se perder seguindo visualmente os intrincados filamentos nessa imagem detalhada dessa tênue nebulosa remanescente de supernova Simeis 147. Também catalogada como Sh2-240 e visível na constelação de Taurus (Touro), ela cobre quase 3º (6 luas cheias) no céu.

Tal corresponde a uma largura de 150 anos-luz da nuvem de resíduo estelar que dista 3.000 anos-luz da Terra. Essa imagem composta em banda-estreita através da palheta de cores do Hubble inclui a emissão a partir dos átomos hidrogênio, enxofre e oxigênio traçando regiões de ondas de choque de gás brilhante. Essa remanescente de supernova tem uma idade estimada em cerca de 40.000 anos – o que implica que a luz proveniente dessa massiva explosão estelar atingiu a Terra pela primeira vez há 40.000 anos. Todavia essa nebulosa em expansão não é a única seqüela cósmica. A catástrofe cósmica deixou também uma estrela de nêutrons em rotação (pulsar), que foi tudo que restou do núcleo original da estrela.

maio 12

Arp 273: Hubble captura UGC 1810, uma galáxia altamente interativa com sua companheira UGC 1813

O que está acontecendo nessa galáxia espiral? Embora vários detalhes permaneçam incertos, os astrônomos certamente julgam que se relacionam com a batalha em andamento entre a galáxia maior e sua vizinha menor. A galáxia em destaque na imagem (UGC 1810) juntamente com sua parceira em colisão (UGC 1813 – que não aparece na imagem acima) é uma dupla conhecida …

Continue lendo »

maio 10

M1: um incrível retrato composto da Nebulosa do Caranguejo pelo Spitzer, XMM-Newton, VLA e Chandra

Um grupo de astrônomos produziu uma imagem altamente detalhada da Nebulosa do Caranguejo (M1), combinando dados de diversos telescópios abrangendo quase toda a amplitude do espectro eletromagnético, desde as ondas de rádio vistas pelo VLA (Karl G. Jansky Very Large Array) até ao poderoso brilho de raios-X capturado pelo Observatório Espacial Chandra. Foram incluídos, dentro …

Continue lendo »

Posts mais antigos «

error: Esse blog é protegido!