Arquivo por tag: Grande Nuvem de Magalhães

fev 27

Vamos celebrar o 30º aniversário da Supernova SN 1987A ?

Há 30 anos, os astrônomos detectaram uma das explosões estelares mais brilhantes nos últimos quatro séculos. Assim, em 23 de fevereiro de 1987, a estrela supergigante azul de nome Sanduleak –69° 202 explodiu, gerando a primeira supernova visível a olho nu desde a supernova de Kepler em 1604. A supernova titânica chamada de SN 1987A brilhou …

Continue lendo »

fev 09

GAIA revela que as Nuvens de Magalhães são galáxias ligadas por uma ponte de estrelas e gás

As Nuvens de Magalhães, as duas maiores galáxias-satélite da Via Láctea, parecem estar ligadas por uma ponte que se estende por 43.000 anos-luz, conforme nova pesquisa de um time internacional de astrônomos, liderada por investigadores da Universidade de Cambridge. A descoberta foi divulgada na revista MNRAS (Monthly Notices of the Royal Astronomical Society) e se …

Continue lendo »

jan 28

N159 e a Nebulosa de Papillon na Grande Nuvem de Magalhães

Com cerca de 150 anos luz de diâmetro, este turbilhão cósmico de gás e poeira não está tão longe de nós. Essa ‘pintura cósmica’ reside ao sul da Nebulosa da Tarântula dentro da nossa galáxia satélite Grande Nuvem de Magalhães a cerca de 180.000 anos luz de distância.

Continue lendo »

nov 30

A Via Láctea sobre o naufrágio de Chubasco por Sergio Montúfar (Planetario Ciudad de La Plata)

O que aconteceu com esse navio? Ele foi carregado do mar para dentro da terra por uma gigante tempestade que assolou a costa da Argentina em 2002.

Continue lendo »

nov 11

A teia cósmica da Nebulosa da Tarântula por Josep Drudis

A Nebulosa da Tarântula é a maior e mais complexa região de formação estelar em toda a vizinhança da nossa galáxia. Localizada na Grande Nuvem de Magalhães (LMC – Large Magellanic Cloud), uma galáxia satélite da nossa Via Láctea, a aparência que lembra uma aranha é responsável pelo nome popular dessa região: “A Nebulosa da Tarântula“. Contudo, …

Continue lendo »

out 13

Um “outro mundo” à noite: galáxias vistas do altiplano do Atacama por Stéphane Guisard

O bojo central da nossa galáxia Via Láctea se eleva nos céus do norte chileno. Essa imagem capturada pelo astrofotógrafo Stéphane Guisard do altiplano do Atacama no Chile é um verdadeiro cartão postal dos céus do planeta Terra. Situado a uma altitude de 4.500 metros, a estranha beleza da paisagem desolada poderia até pertencer à outro mundo, não?

Continue lendo »

set 29

ALMA descobre casulo estelar com química exótica

Com o auxílio do ALMA, uma equipe de astrônomos japoneses descobriu uma massa densa e quente de moléculas complexas envolvendo uma estrela recém nascida. Este núcleo molecular quente único é o primeiro do seu tipo a ser detectado fora da Via Láctea e apresenta uma composição molecular muito diferente de objetos semelhantes encontrados na nossa …

Continue lendo »

jul 29

Imagens profundas das galáxias vizinhas Grande e Pequena Nuvens de Magalhães sugerem colisões

Seria verdade que as duas mais famosas galáxias satélites da Via Láctea alguma vez já colidiram entre si? Embora não tenhamos certeza absoluta sobre esse evento, uma inspeção detalhada de imagens profundas como a que está exposta em destaque sugere indicações positivas. A Grande Nuvem de Magalhães (LMC) aparece acima e à esquerda, enquanto que a Pequena Nuvem de Magalhães (SMC) …

Continue lendo »

maio 22

N55: Um belo exemplo de ornamentação estelar

Nesta imagem obtida com o Very Large Telescope do ESO (VLT), a luz emitida por estrelas azuis resplandecentes energiza o gás que restou da sua recente formação. O resultado é esta colorida nebulosa de emissão, chamada LHA 120-N55, na qual as estrelas se encontram “adornadas” por um manto de gás brilhante. Os astrônomos estudam este …

Continue lendo »

jan 24

O violento aglomerado estelar R136 nas Nuvens de Magalhães

No centro da região de formação estelar 30 Doradus reside um enorme aglomerado que contém algumas das mais massivas e luminosas estrelas conhecidas. Essas estrelas, que fazem parte do conhecido aglomerado estelar R136, foram capturadas na imagem em destaque em luz visível pela câmera WFC3 (Wide Field Camera 3) do Hubble, em 2009.

Continue lendo »

Posts mais antigos «