Arquivo por categoria: Via Láctea

set 06

Gliese 710: GAIA divulga os encontros próximo do Sistema Solar com outras estrelas

Os movimentos de mais de 300.000 estrelas analisadas pelo satélite GAIA da ESA revelam que encontros próximos raros entre estrelas da Via Láctea com o nosso Sol podem perturbar a nuvem de cometas nos confins do nosso Sistema Solar, enviando eventualmente alguns deles na direção da Terra no futuro remoto. À medida que o Sistema …

Continue lendo »

set 04

A Águia e o Cisne por Josep Drudis

A Nebulosa da Águia e a Nebulosa do Cisne se espalham nessa ampla paisagem cósmica, uma visão telescópica na direção do braço espiral de Sagittarius e do centro na nossa galáxia Via Láctea. A Águia é conhecida formalmente como M16 e a vemos no topo da imagem, enquanto que o Cisne (M17) está na parte inferior …

Continue lendo »

ago 09

ESO: pistas de efeitos relativísticos em estrelas que orbitam o buraco negro supermassivo situado no centro da Galáxia

Uma nova análise de dados obtidos com o Very Large Telescope do ESO e outros telescópios sugere que as órbitas das estrelas em torno do buraco negro supermassivo situado no centro da Via Láctea mostram os efeitos sutis previstos pela teoria da relatividade geral de Einstein. A órbita da estrela S2 parece desviar-se ligeiramente do …

Continue lendo »

jul 17

Astrônomos revelam evidências de impactos que formataram a estrutura da Via Láctea

  Um time pertencente ao Departamento de Física e Astronomia da Universidade do Kentucky observou evidências de impactos antigos os astrônomos julgam terem forjado e estruturado a nossa galáxia Via Láctea.

Continue lendo »

jun 21

Astrônomos usam o Hubble para analisar uma massivo disco galáctico “morto” que desafia as teorias da evolução das galáxias

Combinando o poder de uma “lente natural” (lente gravitacional) no espaço com a capacidade do Telescópio Espacial Hubble da NASA, astrônomos fizeram uma descoberta surpreendente – o primeiro exemplo de uma galáxia em forma de disco, compacta ainda que massiva, de rápida rotação, que deixou de fabricar estrelas apenas poucos bilhões após o Big Bang.

Continue lendo »

jun 14

VST captura três em um: a Nebulosa da Águia, a Nebulosa Ômega e a nuvem Sharpless 2-54

Dois dos residentes mais famosos do céu dividem os holofotes com um vizinho menos conhecido, nesta enorme imagem de 3 bilhões de pixels obtida pelo Telescópio de Rastreio do VLT do ESO (VST). À direita vemos a tênue nuvem de gás brilhante conhecida por Sharpless 2-54, no centro temos a Nebulosa da Águia e à …

Continue lendo »

jun 04

O Cinturão de Órion, a Nebulosa da Chama e a Cabeça do Cavalo por Rogelio Bernal Andreo

O que envolve o Famoso cinturão de estrelas de Órion? Essa exposição profunda nos mostra uma pletora de diferentes objetos, desde nebulosas escuras até aglomerados estelares, todos embutidos em uma mancha de mechas gasosas no grande Complexo da Nuvem Molecular de Órion. As brilhantes três estrelas (do asterismo das ‘Três Marias’) aparecem diagonalmente a partir da esquerda da imagem em destaque. É …

Continue lendo »

maio 17

M13: O Grande Aglomerado Globular em Hércules por Adam Block

Em 1716, o astrônomo inglês Edmond Halley declarou timidamente sobre M13: “Isso é nada mais que uma pequena ‘mancha’, mas se mostra para nós a olho nu [sem ajuda de instrumentos óticos], quando o céu está sereno e a Lua ausente.” Atualmente, M13 é reconhecidamente notado, sem nenhuma modéstia, como o Grande Aglomerado Globular em Hércules, um dos …

Continue lendo »

maio 14

IC 410: a formação estelar na Nebulosa do Girino capturada pelo WISE e processada por Francesco Antonucci

O que está acontecendo na Nebulosa do Girino? A resposta principal é: “formação estelar”. A poeirenta nebulosa de emissão do Girino, catalogada formalmente como IC 410, reside a cerca de 12.000 anos luz na constelação do Cocheiro (Auriga), observável nos céus do hemisfério norte.

Continue lendo »

abr 23

“Ao Seu Alcance”

O céu que cobre o Observatório do Paranal do ESO parece uma ‘aquarela cósmica’ nesta Fotografia da Semana do ESO, com verdes, amarelos e azuis juntando-se para criar esta paisagem celeste incandescente. A paisagem rochosa e desolada faz lembrar um mundo alienígena, perfeitamente complementado com o espetáculo cósmico brilhante no céu. A estrutura principal é a …

Continue lendo »

Posts mais antigos «

error: Esse blog é protegido!