Arquivo por categoria: Nebulosas

set 20

NGC 7293: a Nebulosa da Hélice em infravermelho pelo Spitzer

O que faz esse ’olho cósmico’ parecer tão vermelho? A resposta é simples: poeira. A imagem em destaque, capturada pelo observatório espacial robótico Spitzer, nos mostra a radiação em infravermelho emanada pela muito bem estudada Nebulosa da Hélice (NGC 7293) que reside ‘apenas’ a 700 anos luz da Terra na direção da constelação de Aquarius. O emaranhado com dois …

Continue lendo »

set 11

M8: a larga e profunda ‘lagoa cósmica’ por Michael Miller e Jimmy Walker

Cumes de gás interestelar brilhante e nuvens de poeira escuras habitam as turbulentas profundezas cósmicas da Nebulosa da Lagoa. Também conhecida como M8, essa brilhante região de formação de estrelas reside a cerca de 5.000 anos luz de distância do Sol. Essa região consiste em uma parada popular em viagens telescópicas na constelação de Sagitário, em …

Continue lendo »

set 08

Marte à frente das nuvens cósmicas de Rho Ophiuchi por Sebastian Voltmer

Navegando através dessa belíssima paisagem celeste, Marte está realmente à frente de coloridas nuvens cósmicas. Esse mosaico foi construído a partir de imagens telescópicas cobrindo uma área equivalente a 5 graus (10 Luas Cheias). O astrofotógrafo Sebastian Voltmer capturou o planeta vermelho nessa posição em 26 de agosto de 2016, quando estava distante a 7 minutos-luz da …

Continue lendo »

set 04

Os sóis jovens da nebulosa NGC 7129 por Robert Gendler, Roberto Colombari, Eric Recurt e Adam Block

Jovens sóis ainda residem dentro da poeirenta nebulosa NGC 7129, situada a cerca de 3.000 anos luz do Sol, na direção da constelação de Cepheus. Enquanto essas estrelas ainda estão em tenra idade, com apenas alguns milhões de anos, provavelmente nosso Sol se formou em um berçário estelar similar há mais de 4,5 bilhões de anos. O …

Continue lendo »

ago 25

Estrela massiva muito jovem a 11.000 anos luz do Sol ajuda aos astrônomos a entender como se formam esses objetos extremos

Astrônomos descobriram uma estrela bem jovem e massiva, situada a quase 11.000 anos-luz de distância, que poderá nos ajudar a entender como é que as estrelas mais extremas do Universo se formam. Esta estrela recém-nascida, que já possui mais de 30 vezes a massa do nosso Sol, está ainda no processo de aquiescência de material …

Continue lendo »

ago 15

Bordas Turbulentas

Estas imagens mostram o limite da vasta nuvem molecular que se situa por trás da Nebulosa de Orion, a 1.400 anos-luz de distância da Terra. A imagem da esquerda mostra uma vista de grande angular da região, obtida pelo instrumento HAWK-I, instalado no Very Large Telescope do ESO. Nesta imagem encontra-se destacada com um retângulo …

Continue lendo »

ago 14

O buraco de fechadura na Nebulosa Carina pelo Hubble

A escura e poeirenta Nebulosa do Buraco de Fechadura (Keyhole Nebula) ganhou esse nome popular devido ao seu formato incomum. Nessa clássica imagem em destaque capturada pelo Hubble (Hubble Space Telescope), vemos essa pequena e interessante região dentro da grande Nebulosa Carina.

Continue lendo »

jul 24

M2-9: a Nebulosa da Borboleta capturada pelo Hubble e processada por Judy Schmidt

Por que as estrelas são mais apreciadas como ‘arte cósmica’ depois de mortas? De fato, as estrelas produzem formas artísticas notáveis e únicas à medida que se tornam moribundas. No caso de estrelas de massas similares ao nosso Sol tais como a M2-9 mostrada na imagem em destaque, o processo as transforma de estrelas normais em anãs brancas ejetando …

Continue lendo »

jul 15

NGC 2736: a Nebulosa do Lápis por Howard Hedlund e Dave Jurasevich

Movendo-se de cima para baixo no quadro perto do centro desta composição colida acentuadamente detalhada, vemos filamentos finos e brilhantes trançados os quais são na verdade longas ondulações em uma folha cósmica de gás brilhante, vista praticamente de perfil. A onda de choque navega atravé do espaço interestelar em mais de 500.000 quilômetros por hora. …

Continue lendo »

jul 12

Imagens infravermelhas do VLT revelam quantidade inesperada de objetos de pequena massa na nebulosa de Órion

Porque queremos aprender sobre como as estrelas se formam, nós estudados o indicador chamado IMF (Initial Mass Function – Função de Massa Inicial Estelar) [3] que nos conta, para uma dada população de estrelas, a distribuição inicial de suas massas. Uma recente referencia (Encyclopedia of Astrobiology, Springer, 2011) define essa função: A Função da Massa …

Continue lendo »

Posts mais antigos «