Arquivo por categoria: Astrofotografia

mar 14

M42/M43: no Coração de Órion por Christoph Kaltseisd

Próximo ao centro desse preciso e magnífico retrato cósmico, no âmago da Nebulosa de Órion, residem quatro estrelas bem massivas muito quentes (entre 15 a 30 massas solares), as quais fazem parte do aglomerado aberto do Trapézio (Trapezium), descoberto por Galileo Galilei.

Continue lendo »

mar 13

Poeiras, gases e estelas na Nebulosa de Órion por Jesús M.Vargas e Maritxu Poyal

A Grande Nebulosa de Órion, uma imensa região de formação estelar próxima, é provavelmente a mais famosa das nebulosas astronômicas. Na imagem em destaque, filamentos de poeira escura e gás brilhante envolvem estrelas jovens quentes e massivas na fronteira dessa gigantesca nuvem molecular interestelar situada a ‘apenas’ 1.500 anos luz. Aqui, parte do centro da nebulosa é revelada nessa detalhada imagem, …

Continue lendo »

mar 12

UGC 12591: a galáxia de rotação mais rápida conhecida

Por que essa galáxia gira tão rapidamente? Primeiramente, tentar identificar de que tipo de galáxia a UGC 12591 consiste é uma tarefa bastante difícil. A UGC 12591 possui faixas de poeira distribuídas como no formato de uma galáxia espiral, mas também possui um gigantesco e difuso bojo central de estrelas como vemos em geral nas galáxias lenticulares. Assim, a …

Continue lendo »

mar 08

ESO: Poeira estelar antiga lança luz sobre as primeiras estrelas

A galáxia A2744_YD4 é o objeto mais distante observado até hoje pelo ALMA Astrônomos usaram o ALMA para detectar uma enorme quantidade de poeira estelar resplandecente em uma galáxia observada quando o Universo tinha apenas 4% da sua idade atual. Esta galáxia foi observada pouco depois da sua formação e trata-se da galáxia mais distante …

Continue lendo »

mar 07

NGC 1055: uma galáxia de perfil

A faixa colorida de estrelas, gás e poeira que vemos nesta imagem é a galáxia espiral NGC 1055. Aqui capturada pelo Very Large Telescope do ESO (VLT), acredita-se que esta enorme galáxia é 15% maior em diâmetro que a Via Láctea. NGC 1055 parece não ter os braços rodopiantes característicos de uma galáxia espiral, mas …

Continue lendo »

mar 06

LL Pegasi: ALMA e Hubble estudam uma espiral celeste diferente

Embora esta imagem pareça ser o padrão de uma concha na praia, a espiral intrigante que aqui vemos é na realidade um fenômeno astronômico da natureza. O Atacama Large Millimeter/submillimeter Array (ALMA) obteve esta imagem de um sistema estelar binário, onde duas estrelas — LL Pegasi e a sua companheira — estão presas em uma …

Continue lendo »

mar 05

SN 2014C: observatório NuSTAR revela novas pistas sobre a supernova ‘camaleão’

Lembrando o que disse o famoso astrônomo Carl Sagan: Somos feitos de matéria das estrelas. As reações termonucleares que ocorreram em estrelas antigas produziram grande parte da matéria que forma nossos corpos, nosso planeta e nosso Sistema Solar. Quando as estrelas explodem em mortes violentas chamadas supernovas, esses elementos recém-formados escapam e se espalham semeando …

Continue lendo »

mar 04

NGC 2170: uma natureza morta cósmica revelada por Adam Block

A empoeirada nebulosa NGC 2170 brilha (acima e à esquerda) nesta belíssima ‘pintura celestial’. Melhor dizendo, esta ‘natureza morta cósmica’ parece ter sido criada por um pincel espacial. Refletindo a luz das estrelas quentes próximas, a nebulosa NGC 2170 se agrupa com outras nebulosas de reflexão azuladas e uma região compacta de emissão avermelhada. A …

Continue lendo »

mar 03

Eclipse anular de 26 de fevereiro de 2017 na Patagônia por Vincent Bouchama

Ao Norte da Patagônia, os céus matinais estavam claros e azuis no domingo, 26 de fevereiro de 2017… De fato, essa composição sequencial de imagens mostra o Valle Hermoso em Facundo, Chubut, Argentina, seguindo o Sol desde que nasceu no horizonte a leste, passando pela captura de um eclipse solar anular (anelar). A pitoresca cena foi criada por Vincent Bouchama a …

Continue lendo »

fev 25

As ‘quase’ três caudas do cometa 2P/Encke por Fritz Helmut Hemmerich

Como pode um cometa ter três caudas? Normalmente, um cometa abriga duas caudas: Uma cauda iônica formada de partículas eletricamente carregadas emitidas pelo cometa e empurradas para fora pelo vento solar; Uma cauda de poeira que abriga diminutos escombros que orbitam atrás do cometa, mas que também sofrem alguma interferência do vento solar. Contudo, frequentemente, um cometa vai apresentar aos …

Continue lendo »

Posts mais antigos «