Arquivo por mês: fevereiro de 2017

fev 28

Arte Joviana: uma nuvem oval de alta pressão sobre Júpiter capturada pela sonda Juno

Essa nuvem de tempestade em Júpiter tem praticamente o tamanho do nosso planeta Terra. Designada como o oval branco, esse turbilhão de gases é um sistema de alta pressão equivalente a um anticiclone terrestre.

Continue lendo »

fev 27

Vamos celebrar o 30º aniversário da Supernova SN 1987A ?

Há 30 anos, os astrônomos detectaram uma das explosões estelares mais brilhantes nos últimos quatro séculos. Assim, em 23 de fevereiro de 1987, a estrela supergigante azul de nome Sanduleak –69° 202 explodiu, gerando a primeira supernova visível a olho nu desde a supernova de Kepler em 1604. A supernova titânica chamada de SN 1987A brilhou …

Continue lendo »

fev 26

Uma definição geofísica do que é um planeta – que tal 110 planetas no Sistema Solar?

Recordamos que, em 2006, durante sua 26ª Assembleia Geral, a UAI (União Astronômica Internacional) adotou uma definição formal para o termo “planeta”. Essa decisão foi tomada na esperança de dissipar a ambiguidade sobre quais os corpos que deveriam ser designados “planetas”, uma questão que atormentava os astrônomos desde que foram descobertos objetos de maior porte …

Continue lendo »

fev 25

As ‘quase’ três caudas do cometa 2P/Encke por Fritz Helmut Hemmerich

Como pode um cometa ter três caudas? Normalmente, um cometa abriga duas caudas: Uma cauda iônica formada de partículas eletricamente carregadas emitidas pelo cometa e empurradas para fora pelo vento solar; Uma cauda de poeira que abriga diminutos escombros que orbitam atrás do cometa, mas que também sofrem alguma interferência do vento solar. Contudo, frequentemente, um cometa vai apresentar aos …

Continue lendo »

fev 24

A portentosa galáxia espiral NGC 3621 capturada pelo ESO e Hubble, processada por Robert Gendler e Roberto Colombari

Muito além do grupo local de galáxias reside a espiral NGC 3621, uma galáxia ‘grand design‘, situada a cerca de 22 milhões de anos luz de distância de nós. Encontramos a NGC 3621 na constelação meridional de Hydra, a maior de todas as constelações nos céus. Os magníficos braços espirais desse portentoso universo-ilha estão carregados de aglomerados de estrelas luminosas azuis, …

Continue lendo »

fev 23

TRAPPIST-1: a Anã Superfria e seus Sete Exoplanetas

Mundos temperados do tamanho da Terra foram descobertos em um sistema planetário extraordinariamente rico Astrônomos descobriram um sistema com sete exoplanetas do tamanho da Terra a cerca de apenas 40 anos-luz de distância. Com o auxílio de telescópios no espaço e também no solo, incluindo o Very Large Telescope do ESO, os exoplanetas foram todos …

Continue lendo »

fev 22

Mapeando a árvore genealógica das estrelas

Os astrônomos pegaram emprestados alguns princípios aplicados na biologia e na arqueologia para construir uma ‘árvore genealógica’ das estrelas na Galáxia. Estudando as assinaturas químicas encontradas nas estrelas, os cientistas reuniram essas árvores evolutivas observando como as estrelas se formaram e como estão ligadas entre si. As assinaturas atuam como um análogo das sequências de …

Continue lendo »

fev 21

NGC 5907 X-1: XMM-Newton da ESA estuda o pulsar mais luminoso e distante conhecido

O XMM-Newton da ESA revelou dados de um pulsar mil vezes mais luminoso do que se pensava ser possível. O pulsar NGC 5907 X-1 é também o mais distante do seu tipo já detectado, pois sua radiação viajou 50 milhões de anos-luz até ser detectada pelo XMM-Newton. Os pulsares são estrelas de nêutrons magnetizadas que giram …

Continue lendo »

fev 20

Revelando a origem e a natureza da periferia das megalópoles estelares

O mais detalhado estudo [1] da periferia de galáxias elípticas massivas a meio da idade atual do Universo foi feito por uma equipe internacional liderada por Fernando Buitrago, do IA (Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço [2] e da FCUL (Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa). O estudo foi publicado na revista MNRAS (Monthly …

Continue lendo »

fev 19

WD 1425+540: Hubble revela evidências inéditas sobre um cometa que foi destroçado por uma anã branca

Cientistas que usam o Telescópio Espacial Hubble da NASA/ESA observaram, pela primeira vez, um objeto gigantesco, similar a um cometa, que foi rasgado e espalhado na atmosfera de uma anã branca. O objeto destruído tinha uma composição química parecida com a do nosso Cometa Halley, mas esse objeto era 100.000 vezes mais massivo do que …

Continue lendo »

Posts mais antigos «