«

»

jan 16

49 Lib: uma estrela antes presumidamente jovem é verdadeiramente uma anciã galáctica

http://news.rub.de/sites/default/files/styles/nepo_teaser/public/rubin_2014_astronomie_abb06.jpg?itok=Sx8skD-4

Rolf Chini tem estudado aproximadamente 400 estrelas na vizinhança do Sol que partilham algumas das propriedades do Sol. No processo, ele e o seu time fizeram uma descoberta muito interessante. Créditos: Ruhr-Universität Bochum / Nelle

Esta era considerada uma ‘adolescente’ entre as estrelas da sua classe. Mas agora uma coisa ficou clara: este objeto celeste foi formado quando a nossa Galáxia nasceu. Por que os cientistas erraram tanto durante tantas décadas?

49 Lib é uma estrela relativamente brilhante da classe F7 V, visível nos céus do hemisfério sul na direção da constelação de Libra, distante cerca de 115 anos-luz da Terra.

Paradoxalmente, 49 Lib possui, na verdade, 12 bilhões de anos de idade e não ‘apenas’ os 2,3 bilhões que antes se pensava. Durante muitas décadas, os cientistas ficaram chocados com os dados contraditórios que recebiam deste corpo celeste, porque tinham estimado uma idade muito mais jovem do que realmente é. A nova determinação da sua idade, por astrônomos da RUB (Ruhr-Universität Bochum), resolveu agora com sucesso todas as inconsistências.

Rolf Chini explicou:

Antes, havia-se assumido que a estrela tinha apenas metade da idade do nosso Sol. No entanto, os nossos dados mostraram que se formou durante o nascimento da Via Láctea.

A razão para o erro: o objeto celeste é um sistema binário, como foi provado por outro grupo de pesquisa em 2016. O time de Chini demonstrou agora qual é o mecanismo usado pela parceira estelar de 49 Lib para ‘enganar’ a sua idade.

Uma companheira estelar quase invisível

A estrela companheira de 49 Lib é uma estrela quase extinta e praticamente invisível. No final da sua vida, transferiu parte da sua matéria para 49 Lib e foi isto que levou a uma estimativa tão confusa da sua idade.

Os cientistas determinam a idade das estrelas baseando-se em sua composição química. As estrelas muito velhas, formadas durante uma fase inicial do Universo, não contêm elementos pesados. Isto porque esses elementos foram produzidos mais tarde, após a fusão nuclear de muitas gerações de estrelas. As estrelas novas, tais como o nosso Sol, possuem elementos pesados porque emergiram dos escombros remanescentes de gerações anteriores de estrelas que explodiram.

Um gigante no final da sua vida

Uma vez que a misteriosa estrela 49 Lib contém elementos pesados, os cientistas pensaram, durante muitas décadas, que seria um corpo celeste relativamente jovem. No entanto, o time de Bochum descobriu que os elementos pesados não são originários de 49 Lib, mas que haviam sido transferidos para lá a partir da sua companheira invisível.

No final da vida, as estrelas tornam-se gigantescas, tão grandes que a sua própria gravidade já não é suficiente para manter toda a sua matéria coesa. Uma grande parte da matéria escapa para o espaço através de ventos estelares como plasma. Caso existisse outra estrela na sua vizinhança, a sua gravidade poderia atrair e absorver a matéria expelida. Foi assim que 49 Lib ganhou os seus elementos pesados, roubando-os de sua vizinha moribunda.

Determinando a idade das estrelas

Os astrônomos determinam a idade das estrelas com base nos seus espectros. Os cientistas quebram a luz emitida pela estrela nos seus componentes individuais e decodificam os comprimentos de onda nos quais a estrela emite mais luz. A composição dos elementos químicos de uma estrela determina o seu espectro.

Baseando nas informações, os investigadores da RUB fizeram mais do que apenas especificar a idade da estrela em questão.

Rolf Chini declarou:

Nós somos capazes de acompanhar a evolução de todo este sistema binário.

Os astrônomos sabem, por exemplo, as massas com as quais a vida do sistema começou e como essas massas evoluíram desde então.

De anãs brancas a supernovas

No início, ambas as estrelas tinham massas semelhantes à do Sol. Quando 49 Lib recebeu parte da matéria da sua parceira estelar em extinção, ela recebeu um acréscimo na massa de aproximadamente 0,55 sóis. Quanto mais massa tem uma estrela, mais curta é a sua vida. O ganho de massa reduziu, assim, dramaticamente a vida de 49 Lib.

Rolf Chini assim explicou o destino do sistema:

Tornar-se-á em breve uma gigante vermelha e em seguida colapsará em uma anã branca.

Na futura fase de gigante vermelha, 49 Lib já não será mais capaz de manter a sua matéria aglomerada, passando pelo mesmo processo que a sua parceira padeceu quando se transformou em anã branca. Parte da matéria de 49 Lib será atraída pela companheira (anã branca) extinta.

Rolf Chini concluiu:

Caso o parceiro estelar (anã branca) não consiga se livrar da matéria via pequenas erupções, então provavelmente explodirá completamente como uma supernova [tipo 1a].

O Dr. Klaus Fuhrmann e o professor Dr. Rolf Chini publicaram os seus resultados em The Astrophysical Journal.

Fonte

Ruhr-Universität Bochum: Presumed young star turns out to be a galactic senior citizen

Artigo Científico

The Astrophysical Journal: BRIGHT TIMES FOR AN ANCIENT STAR

._._.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

error: Esse blog é protegido!