«

»

nov 08

NGC 281: retratos da nebulosa PacMan por Martin Pugh e Ken Crawford (Rancho Del Sol Observatory)

http://apod.nasa.gov/apod/image/1611/PacmanCrawfordNew2048.jpg

[1] NGC 281 (Pacman) por Ken Crawford (Rancho Del Sol Observatory)

Olhe através da estrutura cósmica catalogada como NGC 281 e você possivelmente deixará de reparar nas estrelas do aglomerado estelar aberto IC 1590.

No entanto, formado dentro da nuvem NGC 281, o jovem aglomerado de estrelas massivas IC 1590 é o verdadeiro responsável pelo persuasivo brilho nebular.

As atraentes formas flutuando nesse retrato da nebulosa NGC 281 são colunas esculpidas e densos glóbulos de poeira cósmica vistas aqui como silhuetas erodidas tanto pelos violentos e intensos ventos estelares bem como pela energética radiação emanada pelas estrelas massivas e quentes pertencentes ao IC 1590.

http://apod.nasa.gov/apod/image/1411/NGC281_STXL11002_AOXPugh.jpg

[2] NGC 281 por Martin Pugh

Se as charmosas nuvens conseguirem sobreviver um tempo suficiente para resistir a influência fustigante do aglomerado IC 1590, estas poeirentas infraestruturas poderão frutificar como novos berçários estrelares.

https://en.wikipedia.org/wiki/Pac-Man

Chamada popularmente por Nebulosa Pacman, por causa desse clássico jogo arcade, a NGC 281 leva esse apelido por causa do seu formato curioso. NGC 281 reside a cerca de 10.000 anos luz na direção da constelação de Cassiopeia e ocupa uma área estimada de 80 anos luz.

Em ambas as imagens principais deste artigo os astrofotógrafos Ken Crawford (Rancho Del Sol Observatory) [1] e Martin Pugh [2] capturaram este panorama cósmico com notável precisão fazendo uso de filtros de banda estreita, combinando as emissões da nebulosa emanadas pelos elementos: hidrogênio, enxofre e oxigênio, respectivamente representados em tons de verde, vermelho e azul.

http://chandra.harvard.edu/photo/2007/ngc281/

Em 2007 o observatório espacial Chandra observou 300 fontes de raios-X no coração da nebulosa, revelando a atividade do aglomerado estelar IC 1590.

Na imagem acima, os dados em raios-X (roxo), baseados em uma observação pelo observatório Chandra com duração superior a um dia, mostram uma visão diferente do ambiente. Mais de 300 fontes de raios-X individuais foram identificadas, a maioria delas associada com o aglomerado estelar aberto IC 1590, no conjunto central. O aspecto perfilado da nebulosa NGC 281 permite aos cientistas estudarem os efeitos dos poderosos raios-X sobre o gás da região, a matéria-prima para a formação de estrelas.

Fontes

APOD:

Chandra:

._._.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

error: Esse blog é protegido!