«

»

set 01

A aurora verde sobre uma falha tectônica na Islândia capturada por Juan Carlos Casado

Não Há Dia Sem História

01 de setembro de 1859

Evento de Carrington – 157 anos

http://apod.nasa.gov/apod/image/1608/AuroraPingvllir_Casado_1336.jpg

Aurora sobre uma falha na Islândia por Juan Carlos Casado

Admire a bela, mas tema a fera…

A ‘bela’ é a aurora nos céus, aqui tomando a forma de uma grande espiral verde, observada entre nuvens pitorescas além da Lua brilhante e das estrelas no plano de fundo.

Por outro lado, a ‘fera’ consiste na onda de partículas carregadas que gera a aurora mas que poderia, eventualmente, algum dia causar severos danos. Exatamente nessa semana, há 157 anos, de 28 de agosto a 02 de setembro de 1859, várias manchas foram observadas no Sol. Em 29 de agosto, auroras polares foram observadas em Queensland, na Austrália. Pouco antes do meio-dia de 1 de setembro, os astrônomos amadores inglês Richard Christopher Carrington e Richard Hodgson fizeram, de forma independente, as primeiras observações de uma erupção solar.

http://articles.adsabs.harvard.edu//full/1859MNRAS..20...13C/0000014.000.html

Manchas solares de 1 de setembro de 1859, conforme esboço feito por Richard Carrington.

Na ocasião, seguindo notáveis auroras observadas em praticamente todo o planeta, um pulso de partículas ionizadas originadas de uma ejeção de massa coronal solar (CMEcoronal mass ejection) associado com uma explosão solar (solar flare) impactou a magnetosfera terrestre tão ferozmente que o fenômeno foi denominado de Evento Carrington. Um caminho relativamente direto entre a Terra e o Sol pode ter sido aberto por uma CME precedente.

O que sabemos com certeza é que o Evento Carrington comprimiu o campo magnético da Terra de forma tão violenta que correntes elétricas foram criadas nos fios dos telégrafos de forma tão potente que vários cabos soltaram fagulhas e causaram choques nos operadores dos telégrafos.

Se um evento da classe Carrington impactasse a Terra nos dias atuais, os cientistas especulam que danos poderiam surgir tanto na distribuição de energia elétrica quanto nos componentes eletrônicos de forma global, em uma escala nunca antes sofrida pela humanidade.

A aurora na imagem em destaque foi capturada na semana passada sobre o Lago Thingvallavatn na Islândia, um lago que parcialmente preenche a falha geológica que separa a larga placa da Eurásia da placa tectônica Norte Americana.

Fonte

APOD: Aurora over Icelandic Fault – Crédito da imagem©: Juan Carlos Casado (TWANEarth and Stars)

._._.

1859MNRAS__20___13C

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

error: Esse blog é protegido!