«

»

jul 24

M2-9: a Nebulosa da Borboleta capturada pelo Hubble e processada por Judy Schmidt

Por que as estrelas são mais apreciadas como ‘arte cósmica’ depois de mortas?

http://apod.nasa.gov/apod/image/1607/m2d9_hubble_985.jpg

M2-9: as Asas da Nebulosa de Borboleta – créditos da imagem: Hubble Legacy Archive, NASA, ESA – Processamento por: Judy Schmidt [2016]

De fato, as estrelas produzem formas artísticas notáveis e únicas à medida que se tornam moribundas.

No caso de estrelas de massas similares ao nosso Sol tais como a M2-9 mostrada na imagem em destaque, o processo as transforma de estrelas normais em anãs brancas ejetando suas camadas gasosas externas para o espaço.

Os gases expelidos frequentemente formam impressionantes estruturas denominadas de nebulosas planetárias que gradualmente evanescem ao longo de milhares de anos.

Aqui, a nebulosa planetária M2-9 com seu formato de borboleta é mostrada em cores representativas em uma foto dos arquivos do Hubble, processada por Judy Schmidt.  M2-9 reside a 2.100 anos luz de distância da Terra. No centro do objeto duas estrelas orbitam dentro de um disco de gás com dimensões 10 vezes maiores que a órbita de Plutão.

As camadas expelidas da estrela moribunda escapam do disco criando essa aparência bipolar. No entanto, o inseto cósmico tem asas que contam uma história ainda incompleta. Na animação abaixo vê-se a evolução do objeto ao longo dos anos, de 1989 a 2007:

http://apod.nasa.gov/apod/ap070618.html

Monitorando M2-9 – Créditos: R. Corradi, M. Santander-Garcia (Isaac Newton Group, IAC), Bruce Balick (U. Washington)

O monitoramento da M2-9 ao longo de vários anos a partir de telescópios terrestres revelou uma progressão dramática de oeste para o leste (da esquerda para a direita) de suas características. O movimento aparente poderia ser causado por um feixe de rotação energético varrendo o material nebular. Os astrônomos afirmam que o feixe é colimado, interagindo ventos estelares em um sistema de estrela dupla no centro da M2-9. O sistema binário é composto de uma estrela gigante e uma quente anã branca que orbitam entre si sobre uma vez a cada 120 anos.

No entanto, muito ainda permanece desconhecido sobre os processos físicos que criam as nebulosas planetárias.

Fontes

APOD:

._._.

990457-THE-EVOLVING-MORPHOLOGY-OF-THE-BIPOLAR-NEBULA-M2-9

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

error: Esse blog é protegido!