«

»

jun 24

24 de junho de 1993 – Chile e ESO aprimoram as relações

Não Há Dia Sem História

24 de junho de 1993

Chile e ESO aprimoram as relações

Em 24 de junho de 1993, há 23 anos, quando os grandes telescópios europeus no Chile ainda estavam sendo projetados, o ESO publicou a nota abaixo. Um documento interessante, que traz informações sobre a natureza do diálogo entre a República do Chile e o European Southern Observatory (Observatório Meridional Europeu).

European Southern Observatory

European Southern Observatory

Bandeira do Chile

Bandeira do Chile

As delegações do Governo do Chile e da Organização Internacional do ESO [1] um relatório sobre o resultado das suas discussões sobre a instalação do maior telescópio do mundo “O Grande Telescópio Muito” e “Very Large Telescope Interferometer (VLT / VLTI) em Cerro Paranal (Chile na região II – Antofagasta) e a clarificação das relações futuras entre ESO e Chile. O objetivo destas discussões era uma cooperação mais estreita entre ESO e Chile, para benefício mútuo do país e os oito países membros da União Europeia do ESO.

Em, 05 de outubro de 1962, uma Convenção foi assinada em Paris, entre a Bélgica, França, Alemanha, Países Baixos e Suécia a fim de estabelecer a Organização Europeia para a Investigação Astronômica no Hemisfério Austral (ESO). Posteriormente, a Dinamarca (1967), Suíça e Itália (1982) entraram para a Organização.

Em 06 de novembro de 1963, o Chile e o ESO assinaram um acordo por meio do qual o Chile concedeu facilidades para a instalação e funcionamento de um observatório astronômico (La Silla) no território do Chile.

Em 11 de novembro de 1991, o Governo do Chile solicitou ao ESO para alterar a Convenção de 1963, em vista da construção do Observatório de Cerro Paranal e devido à necessidade de incluir aspectos importantes para o Chile, em especial nos domínios científico e tecnológico.

Negociações iniciais ocorreram em Santiago em 18 e 19 de abril daquele ano.  Entre os participantes estavam o Diretor-Geral da ESO, os membros do Conselho do ESO, um grupo de consultores e, representando o Chile, os representantes dos Ministérios dos Negócios Estrangeiros, da Educação, do Trabalho e do Gabinete do Secretário-Geral do presidente, juntamente com o jurídico e consultores científicos.

Durante as reuniões realizadas ainda na Chancelaria, de 18 a 22 de junho deste ano, as delegações do Governo do Chile e do ESO decidiram sobre o texto complementar e a alteração do acordo relativo à Convenção de 1963.

Os seguintes aspectos foram incluídos no acordo:

  • Construção e instalação do VLT: O governo do Chile confirmou aos representantes do ESO seu apoio definitivo para o desenvolvimento do projeto VLT/ VLTI em Paranal, o que representa um investimento de capital de cerca de 570 milhões de marcos alemães.
  • Aspectos jurídicos: Acordo de Ajustamento e Modificação da Convenção de 1963.
  • Aspectos de Trabalho: Foi acordado alterar os regulamentos ESO para o pessoal local contratado no Chile pela incorporação de elementos da legislação trabalhista chilena, especificamente o direito de associação e o direito de negociação coletiva. Um tribunal ad-hoc irá resolver conflitos coletivos.
  • Aspectos Científicos: A delegação chilena destacou a necessidade de regulamentar o acesso da comunidade científica nacional, com uma percentagem fixa do tempo de observação em todas as instalações do ESO.  Para este efeito, foi acordado em 10 por cento do tempo de observação disponível para o ESO para os cientistas vinculados a instituições chilenas, em função do mérito dos projetos e em todos os telescópios já instalados e por instalar em La Silla e Paranal, com exceção do VLT e VLTI (The Very Large Telescope).
  • Além disso, os cientistas vinculados a instituições chilenas terão direito a até 5% do tempo de observação no VLT e VLTJ.  Esse percentual será atingido gradualmente num período de cinco anos, a contar da data do comissionamento da primeira unidade do telescópio. Além disso, essa percentagem pode ser aumentada para 8%, desde que um número suficiente de projetos de alta qualidade chilenos esteja disponíveis.
  • Colaboração ESO-Chile: ESO vai continuar a apoiar o desenvolvimento da astronomia no Chile, com programas de formação e através de contribuições enviadas através de uma comissão conjunta Chile / ESO.
  • O Governo do Chile, por sua vez, dará uma importância primordial para o financiamento das atividades de formação e investigação no campo da astronomia e disciplinas correlatas e de tecnologias com o objetivo de apoiar o uso eficiente por cientistas chilenos das instalações astronômicas localizadas no Chile.

O Acordo Complementar estabelece uma base sólida para a colaboração científica e tecnológica entre os países-membros europeus do ESO e a República do Chile.

O “Mega Projeto” no Norte do Chile (o VLT / VLTI) abriu um olho gigante rumo ao universo e será o único no mundo.

O acordo foi submetido à ratificação do Congresso do Chile e do Conselho da ESO.

ESO: o observatório em Cerro Paranal em 16 nov 1999

ESO: o observatório em Cerro Paranal em 16 nov 1999

Nota

[1] Conjunto de imprensa do Ministério dos Negócios Estrangeiros da República do Chile e do European Southern Observatory (ESO), emitido no Chile, em 23 de junho de 1993 (texto em língua espanhola) e da sede do ESO (Alemanha) em 24 de junho 1993 (texto em Inglês).  Veja também eso9302.

Milton W.

._._.

1 menção

  1. Brasil passa a fazer parte do ESO – Observatório Europeu do Sul « Eternos Aprendizes

    […] Sul) possui uma longa história de envolvimento bem sucedido com a América do Sul, desde quando o Chile foi selecionado como o melhor local para a construção dos observatórios em 1963. No entanto, […]

Deixe uma resposta