«

»

jun 13

13 de junho de 1996 – Inauguração do Observatório Prof. Mário Schenberg do Grupo de Amadores de Astronomia da UNESP de Ilha Solteira

13 de junho de 1996

Não Há Dia Sem História

Inauguração do Observatório Prof. Mário Schenberg, do Grupo de Amadores de Astronomia da UNESP de Ilha Solteira

Observatório UNESP Ilha Solteira

Observatório UNESP Ilha Solteira

Em 13 de junho de 1996, há 20 anos, foi inaugurado, oficialmente, o Observatório astronômico na Ilha Solteira.

O Grupo de Amadores de Astronomia de Ilha Solteira – GAAIS

O Grupo de Amadores de Astronomia “Prof . Mário Schenberg” do Departamento de Física e Química da Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira – UNESP, iniciou suas atividades em 1990 com um grupo de estudantes, funcionários, docentes e pessoas da comunidade observando o céu noturno de Ilha Solteira, esporadicamente, usando um telescópio refletor do tipo Cassegrain de marca Carl Zeiss/ Jena. A partir daí, muitos esforços foram feitos no sentido de poder oferecer a todos os interessados pelo assunto melhores condições de observação do cosmos e esclarecer suas dúvidas.

Desde 1995 quando foi construída sua parte física (antes só havia equipamentos e materiais de pesquisa), o observatório passou a funcionar regularmente sob a orientação do Prof. Cláudio Luiz Carvalho, do Departamento de Física e Química.

Assim, em 1996 inaugurou-se oficialmente o primeiro Observatório Astronômico nesta cidade, no dia 13 de junho, quando o observatório foi aberto ao público. Na ocasião o planeta Júpiter pôde ser observado, experiência única para muitas pessoas que então puderam ver com a ajuda de equipamentos, horizontes nunca imaginados.

Publicações que citam o Grupo de Amadores de Astronomia de Ilha Solteira

Publicações que citam o Grupo de Amadores de Astronomia de Ilha Solteira

Contando com as noites de céu limpo da cidade de Ilha Solteira eventos raros puderam ser estudados e fotografados, como a passagem do cometa Hale-Bopp que retornou às proximidades da Terra depois de 4 mil anos viajando pelo espaço.

Quando as primeiras observações foram feitas, antes mesmo de 1990, na passagem do cometa Halley em 1986 o GAAIS obteve reconhecimento nacional ao conseguir a melhor foto do Halley em toda a América do Sul, em concurso promovido na época pelo Jornal Folha de S. Paulo.

Além de obter boas imagens de fenômenos e corpos celestes o GAAIS gostaria de aproximar a comunidade  da Astronomia. E para tanto conta com grande acervo de fotografias, vídeos, softwares e equipamentos para observação. Montado na cúpula do observatório está um telescópio refletor do tipo Cassegrain com distância focal de 2250 mm onde podem ser acopladas câmeras digitais para filmagem.

GAAIS - Eclipse total da Lua 27 e 28 de outubro de 2004

GAAIS – Eclipse total da Lua 27 e 28 de outubro de 2004

GAAIS tem sido referencia na região para aqueles que se interessam pelos assuntos estudados ou têm curiosidade na área. Por isso mesmo o grupo já foi citado inúmeras vezes em jornais locais e da região.

Professor Mário Schenberg (1914-1990)

Mário Schenberg nasceu em Recife no ano de 1914. Lá, fez seus primeiros estudos, viajando, ainda criança, para o Rio de Janeiro e para Paris. O interesse pela tecnologia e pela ciência veio no ginásio. Estudou engenharia inicialmente no Recife. Transferiu-se depois para São Paulo, onde se formou engenheiro eletricista.

Fez os seus primeiros trabalhos de astrofísica nos Estados Unidos de 1940 a 1942. Nesse período entrou em contato com Albert Einstein e desenvolveu com George Gamow o processo Urca, mecanismo de explosão das estrelas supernovas.

Durante a década de 1960 lecionou  no Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas no Rio de Janeiro, tendo sido membro da Academia Brasileira de Ciências, da Academia de Ciências do Estado de São Paulo e da Academia de Ciências da América Latina, em Caracas. Em 1983, recebeu o Prêmio Nacional de Ciência e Tecnologia do Conselho Nacional do Desenvolvimento Científico e Tecnológico, CNPq, na área de física.

Prof. Mário Schenberg

Prof. Mário Schenberg

Mário Schenberg atuou com muitos cientistas laureados com o prêmio Nobel de física. Foi pioneiro em vários campos da física e da química, da astrofísica e da teoria das partículas elementares. É autor de 114 trabalhos sobre astrofísica, física teórica, física experimental, física matemática, análise funcional e geometria

Mário Schenberg foi presidente da Sociedade Brasileira de Física, e membro do conselho dessa sociedade durante várias gestões. Sua ação se destacou na definição de uma política da comunidade de físicos contra o acordo nuclear Brasil-Alemanha para construção de Usinas Nucleares, pois tinha plena convicção de que no Brasil o reator nuclear não poderia competir de modo algum com a energia hidroelétrica.

O Professor Mário Schenberg nos deixou em 1990. Mas os seus trabalhos, o seu modo de ser e a sua ideologia ficarão eternamente nos corações dos amantes da Ciência.

Leia mais sobre Mário Schenberg em  Especial – 15 Anos Depois da Morte de Schenberg.

._._.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

error: Esse blog é protegido!