«

»

mar 18

O “W” em Cassiopeia por Rogelio Bernal Andreo

http://apod.nasa.gov/apod/image/1603/RBA_Cassiopeia_2405.jpg

O “W” em Cassiopeia por Rogelio Bernal Andreo (Deep Sky Colors)

Um zigzag familiar, um imenso W se apresenta na constelação de Cassiopeia no hemisfério norte. O W cósmico é traçado por cinco brilhantes estrelas neste colorido e amplo mosaico criado pelo astrofotógrafo Rogelio Bernal Andreo (Deep Sky Colors).

A cena celestial se alonga por 15 graus através de ricos campos estelares. O panorama inclui nuvens enegrecidas, brilhantes nebulosas e aglomerados estelares ao longo da Via Láctea.

Shedar (Alpha Cassiopeiae)

Em tons de amarelo e laranja a estrela alfa de Cassiopeia (Shedar) se destaca no ponto inferior do W sideral. Na verdade, Shedar é uma estrela mais fria (temperatura na superfície = 4.530 Kelvin) que o Sol (daí sua cor alaranjada e sua classe K0), porém cerca de 42,1 ± 1,7 vezes maior no diâmetro e 4 a 5 vezes mais massiva. Shedar é tão luminosa (676 L) que brilha fortemente nas noites terrestres (por isso é a estrela alfa da sua constelação), mesmo estando a 228 ± 2 anos luz de distância. Estrelas mais massivas que o Sol tem vidas úteis (tempo na sequência principal) mais curtas, assim, Shedar tem entre 100 a 200 milhões de anos de idade. Trata-se de uma estrela gigante morrendo, uma vez que já esgotou o hidrogênio do seu núcleo.

Gamma Cassiopeiae

No ponto central do W temos a luminosa estrela Gamma Cas que reside a 550 ± 10 anos luz. A azulada Gamma Cas é muito mais quente (temperatura entre 25.000 a 34.000 Kelvin) que o Sol (daí sua cor azul e sua classe B0.5, quase classe O). Sua intensa, mas invisível (aos nossos olhos), radiação ultravioleta (65.000 vezes mais intensa que a emanada pelo Sol) ioniza os átomos de hidrogênio nas vizinhas nebulosas interestelares para produzir nuvens que produzem a emissão visível avermelhada H-alfa a medida que os prótons livres se recombinam com elétrons para produzir o hidrogênio molecular. Provavelmente a estrela Gamma Cassiopeiae terminará seus dias gloriosamente como uma supernova. Bem mais massiva que o Sol (17 M), essa estrela gigante azul tem ‘apenas’ 8 ± 0,4 milhões de anos de idade, em uma vida bem mais curta que Shedar.

Caph (Beta Cassiopeiae)

No ponto mais à direita do W está Caph, uma estrela um pouco mais quente que o Sol (6.700 Kelvin), também chamada de Beta Cas por ser a segunda mais brilhante da constelação, Caph é uma subgigante classe F2 que reside a 54 anos luz da Terra. Caph é uma estrela pulsante da classe Delta Scuti.

Segin (Epsilon Cassiopeiae)

Do lado oposto de Caph, à extrema esquerda e acima na foto, está Segin (Epsilon Cassiopeiae), uma estrela massiva (9,2 ± 0,2 M), bem quente (15.174 Kelvin) da classe B3 III e com diâmetro 6 vezes maior que o Sol. Segin reside a 410 ± 20 anos luz e tem idade da ordem de 15,4 ± 3,0 milhões de anos. Segin terá destino similar ao de Gamma Cas, terminando sua vida como uma supernova.

http://apod.nasa.gov/apod/image/1603/RBA_Cassiopeia_1024_Labeled.jpg

A mesma imagem, com anotações, À esquerda Segin; embaixo Ruchbah ao lado do aglomerado estelar M103 e acima do aglomerado aberto NGC 457; ao centro Gamma Cas; no extremo inferior Schedar e a nebulosa PacMan (come-come); à direita e acima Caph.

Obviamente, astutos observadores noturnos (caso existam, é claro!) que eventualmente habitam o sistema Alfa Centauri também veriam o traço marcante desenhado pelas estrelas mais brilhantes da constelação de Cassiopeia. Entretanto, a partir de sua perspectiva, a meros 4,3 anos luz de nós, os eventuais observadores alienígenas veriam nosso Sol como a 6a mais brilhante estrela de Cassiopeia, estendendo o zigzag além da borda esquerda deste quadro.

Fontes

APOD: The W in Cassiopeia – crédito da imagem©: Rogelio Bernal Andreo (Deep Sky Colors)

Jim Kaler:

._._.

Deixe uma resposta