«

»

fev 23

Sobrevoando a congelada lua Caronte

Usando uma licença poética, agora temos ‘novas evidências’ que o inferno se congelou. Para ilustrar, a mitologia grega nos conta que Caronte é o barqueiro do Hades, responsável por carregar as almas dos recém-mortos sobre as águas do rio Estige e Aqueronte, que dividiam o mundo dos vivos do mundo dos mortos.

https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/6/6b/Lytovchenko_Olexandr_Kharon.jpg

Caronte realizando a travessia entre o mundo dos vivos e o dos mortos segundo Alexander Litovchenko (século XIX).

Agora, análises recentes de dados coletados pela espaçonave robótica New Horizons, a qual passou perto da lua Caronte (a maior lua de Plutão) em julho de 2015, sugerem que a causa do grande cânion que cruza através da lua de 1.200 km foi causado pelo congelamento de um enorme mar interno. Uma vez que a água se expande quando congela, a crosta de Caronte que deveria conte-la não resistiu e se fraturou. Para retratar a enorme fratura uma viagem virtual sobre Caronte foi digitalmente criada a partir de imagens coletadas pela New Horizons.

O vídeo em destaque se inicia mostrando os Depósitos Polares Enegrecidos (apelidados de Mordor), próximos ao polo norte de Caronte e a seguir faz um sobrevoo sobre o seu gigantesco cânion (Planet-Wide Canyon). Finalmente, o vídeo mostra a bastante debatida protuberância chamada de Moated Mountain, em destaque abaixo:

http://www.planetary.org/blogs/emily-lakdawalla/2015/07161539-charon-moon.html

Esta imagem em alta resolução mostra detalhes de uma área da Caronte que contém uma depressão com um pico interno, mostrada aqui na parte superior esquerda do quadro. Esta imagem mostra uma área de aproximadamente 390 quilômetros, (cima para baixo), que inclui várias crateras. É importante ressaltar que se trata de uma versão imagem original altamente comprimida. Versões mais acuradas desta cena serão recebidas no futuro pela Terra mais adiante. Essa foto foi tomada a 79.000 quilômetros de distância em 14 de julho de 2015, 10:30 UTC, cerca de 1 hora e meia antes do rendez-vous da New Horizons com Plutão, na aproximação máxima.

O entendimento da história de Plutão e Caronte está ajudando-nos a melhor compreender sobre os lugares amigáveis e mais proibitivos nos primórdios do Sistema Solar, onde a Terra se formou e dando pistas sobre como a vida pode ter eventualmente surgido.

Fonte

APOD: Flying Over Pluto’s Moon Charon – crédito do vídeo: NASAJohns Hopkins U. APLSwRI, Stuart Robbins

._._.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

error: Esse blog é protegido!