«

»

set 28

MRO da NASA confirma evidências indiretas que atualmente água líquida flui na superfície de Marte no verão

http://www.nasa.gov/sites/default/files/thumbnails/image/15-195_perspective_2.jpg

Estas raias escuras e estreitas, com 100 metros de comprimento, chamadas de “linhas recorrentes de encosta” (sigla RSL – recurring slope lineae), fluindo em Marte, foram formadas pela ação de água corrente contemporânea. Recentemente, os cientistas planetários detectaram sais hidratados sobre essas raias na cratera Hale, corroborando sua hipótese inicial de que as estrias foram, na verdade, formadas por água líquida. Os cientistas estimam que a cor azul vista na parte mais alta das estrias escuras não estão relacionadas com sua formação, mas em vez disso foram originadas pela presença do mineral piroxênio. A imagem foi produzida graças a uma imagem a cores falsas IRB (infravermelho-vermelho-azul) ortorretificada em um modelo digital do terreno produzido pelo HiRISE a bordo da MRO. A imagem tem uma distorção vertical com um fator de 1,5. Créditos: NASA / JPL / Universidade do Arizona

Novas descobertas obtidas através da sonda robótica Mars Reconnaissance Orbiter (MRO) da NASA fornecem a evidência mais forte que a água líquida pode estar fluindo de forma intermitente atualmente em Marte. Estes achados têm implicâncias importantes para a astrobiologia. Contudo, é importante ressaltar que trata-se de uma detecção indireta, ou seja, não foi propriamente detectada a água líquida na superfície de Marte, mais sim os indícios químicos da sua presença e atividade.

Usando um espectrômetro de imagem da espaçonave robótica MRO, os pesquisadores detectaram assinaturas de minerais hidratados em encostas onde raias misteriosas são observadas no planeta vermelho. Essas estrias escuras parecem com fluxos e refluxos ao longo do tempo. As estrias escurecem e parecem fluir em encostas íngremes para baixo durante as estações quentes e, em seguida, desaparecem nas estações mais frias. Elas aparecem em vários locais em Marte quando as temperaturas estão acima de -23 graus Celsius e desaparecem em tempos mais frios.

John Grunsfeld, astronauta e administrador de Ciências da NASA em Washington afirmou:

Nossa missão em Marte tem sido a de ‘seguir a água‘, em nossa busca por vida no Universo. Agora temos ciência de forma convincente que valida o que temos suspeitado há longo tempo. Este é um desenvolvimento significativo, que surge para confirmar que a água, embora salgada, pode estar eventualmente fluindo atualmente sobre a superfície de Marte.

Estes fluxos encontrados em taludes, que seguem ‘ladeira abaixo’, conhecidos como “linhas recorrentes de encosta” (sigla RSLrecurring slope lineae), têm sido muitas vezes descritos como possivelmente relacionados com a ação da água no estado líquido. As novas descobertas de sais hidratados nas encostas sugerem uma relação com as características encostas escuras. Os sais hidratados baixariam o ponto de congelamento da solução salina líquida, assim como o sal em estradas aqui na Terra fazem com que o gelo e a neve derretam bem mais rapidamente. Os cientistas dizem que é provável que um fluxo subsuperficial, com água suficiente para erodir a superfície, explique o escurecimento das RSL.

Lujendra Ojha, membro do Instituto de Tecnologia da Geórgia (Georgia Tech) em Atlanta, principal autor do artigo sobre esses resultados publicado 28 de setembro de 2015 pela revista Nature Geoscience, afirmou:

Encontramos os sais hidratados apenas quando as características sazonais eram mais vastas, o que sugere que tanto as estrias escuras por si só ou o processo que a cria é a fonte da hidratação. Em ambos os casos faixas escuras, a detecção de sais hidratados sobre estas encostas significa que a água desempenha um papel vital na formação das mesmas.

Ojha notou pela primeira vez estas características intrigantes quando era estudante da Universidade do Arizona em 2010, usando imagens de alta resolução do dispositivo High Resolution Imaging Science Experiment (HiRISE) da MRO. Observações do HiRISE já documentaram RSL em dezenas de locais em Marte. Os novos estudos associam as observações da HiRISE com o mapeamento mineral do instrumento Compact Reconnaissance Imaging Spectrometer for Mars (CRISM) da MRO.

http://www.nasa.gov/sites/default/files/thumbnails/image/pia19917_perspective_6.jpg

Raias estreitas escuras chamadas de “linhas recorrentes de encosta” (sigla RSL – recurring slope lineae) emanam para fora das paredes da cratera Garni em Marte. As estrias escuras aqui têm até poucas centenas de metros de comprimento. Elas são hipoteticamente formadas por fluxos de água líquida salobra em Marte. A imagem tem uma distorção vertical de 1,5. Créditos: NASA / JPL / Universidade do Arizona

As observações do espectrômetro mostram assinaturas dos sais hidratados em vários locais RSL, mas apenas quando as características escuras eram relativamente amplas. Quando os pesquisadores analisaram os mesmos locais e as RSL não eram tão extensas, eles não detectaram a presença de sal hidratado.

Ojha e equipe interpretaram as assinaturas espectrais como causada por minerais hidratados chamados percloratos. Os sais hidratados mais consistentes com as assinaturas químicas são provavelmente uma mistura de perclorato de magnésio, clorato de magnésio e perclorato de sódio. Alguns percloratos para mantem líquidos de fora do estado de congelamento mesmo quando as condições são tão frias quanto -70 graus Celsius. Na Terra, os percloratos produzidos naturalmente estão concentrados em desertos e alguns tipos de percloratos podem ser utilizados como combustível para foguetes.

Percloratos foram previamente encontrados em Marte. Veículos de exploração da NASA, a Phoenix Lander e a Curiosity, encontraram percloratos no solo do planeta vermelho e alguns cientistas acreditam que as missões Viking na década de 1970 tenham já medido assinaturas desses sais. No entanto, este estudo sobre percloratos nas RSL, agora em forma hidratada, detectou essa substancia em diferentes áreas de aquelas exploradas pelas sondas. Este é também o primeiro tempo percloratos foram identificados a partir da órbita.

A MRO tem analisado Marte desde 2006, com os seus seis instrumentos científicos.

Rich Zurek, cientista do projeto MRO no Laboratório de Propulsão a Jato da NASA (JPL), em Pasadena, Califórnia, afirmou:

A capacidade de MRO para observar Marte por vários anos com instrumentos capazes de ver os pequenos detalhes dessas características tem permitido resultados como estes: primeiro identificar as faixas sazonais intrigantes e agora dando um grande passo no sentido de explicar o que são.

Para Ojha, as novas descobertas são mais uma prova que as linhas misteriosas ele viu pela primeira vez escurecendo encostas marcianas há cinco anos são, de fato, a água atual.

Quando a maioria das pessoas fala sobre a água em Marte, elas são geralmente falando da água do passado remoto ou da água congelada no planeta vermelho. Agora sabemos que há mais nessa história. Esta é a primeira detecção espectral que inequivocamente apoia nossas hipóteses de formação das RSL foram causadas por fluxos de água líquida.

O achado é a mais recente de muitas descobertas das missões a Marte da NASA.

A animação acima simula um voo ao redor olhar para um dos lugares de Marte onde estrias escuras avançar para baixo encostas durante as estações quentes, possivelmente envolvendo a água líquida. Este local está dentro da cratera Hale. As estrias têm aproximadamente o comprimento de um campo de futebol.

Michael Meyer, cientista-chefe do Programa de Exploração de Marte da NASA na sede da agência em Washington, comentou:

Foram necessárias múltiplas espaçonaves ao longo de vários anos para resolver este mistério e agora sabemos que há água líquida na superfície deste frio e deserto planeta. Parece que quanto mais estudamos Marte, mais aprendemos como a vida poderia ter sido suportada por lá e onde há recursos para apoiar a vida no futuro.

Exemplo de dinâmica da atividade sazonal na cratera Newton em Marte

Exemplo de dinâmica da atividade sazonal na cratera Newton em Marte. A animação demonstra a criação dos RSL em uma encosta de Marte, à medida que a temperatura aumenta. Crédito: NASA/JPL-Caltech/Univ. do Arizona

Fonte

NASA: NASA Confirms Evidence That Liquid Water Flows on Today’s Mars

Artigo Científico

Nature Geoscience: Spectral evidence for hydrated salts in recurring slope lineae on Mars por Lujendra OjhaMary Beth WilhelmScott L. MurchieAlfred S. McEwenJames J. WrayJennifer HanleyMarion Massé & Matt Chojnacki

._._.

Nature-Geoscience-Spectral-evidence-for-hydrated-salts-in-recurring-slope-lineae-on-Mars

1 comentário

1 menção

  1. Vinícius Sena

    Roca, um cara me falou que Marte nunca teve uma atmosfera densa, pois, segundo ele, Marte não teria gravidade suficiente para ter uma. Segundo ele, planetas com menos de sete mil quilômetros de diâmetro estão impossibilitados de ter atmosfera densa, devido à baixa gravidade. Isso faz algum sentido?

  1. A sonda MAVEN revela a taxa de influência do vento solar na erosão da atmosfera de Marte » O Universo - Eternos Aprendizes

    […] MRO (Mars Reconnaissance Orbiter) da NASA observaram o aparecimento sazonal de sais hidratados, indicando a assinatura da presença de água líquida salgada em Marte. No entanto, a atmosfera atual de Marte é demasiado fria e rarefeita para suportar água líquida […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

error: Esse blog é protegido!