«

»

jul 21

A atmosfera alongada de Plutão revelada pelo ALICE da New Horizons

http://www.nasa.gov/sites/default/files/thumbnails/image/02_gladstone_02.jpg

Esta figura mostra como a taxa de contagem do instrumento Alice mudou ao longo do tempo durante as observações do pôr-do-Sol e nascer-do-Sol. A taxa de contagem é maior quando a linha de visão do Sol está fora do alcance da atmosfera, no início e no fim. O nitrogênio molecular (N2) começa a absorver a luz solar nas partes mais altas da atmosfera de Plutão, diminuindo à medida que a sonda se aproxima da sombra do planeta anão. À medida que a ocultação progride, o metano e hidrocarbonetos atmosféricos também podem absorver luz solar e diminuir ainda mais a taxa de contagem. Quando a sonda está totalmente na sombra de Plutão, a taxa de contagem vai para zero. Quando a New Horizons emerge da sombra de Plutão, o processo é invertido. Ao representar graficamente a taxa de contagem observada na direção inversa à do tempo, podemos ver que as atmosferas nos lados opostos de Plutão são quase idênticas. Créditos: NASA / JHUAPL / SwRI

Os cientistas da missão New Horizons observaram a atmosfera de Plutão até 1.600 km acima da superfície do planeta, demonstrando que sua atmosfera rica em nitrogênio é bastante alongada. Esta é a primeira observação da atmosfera de Plutão a altitudes acima de 270 km da sua superfície.

A nova informação foi medida pelo espectrógrafo de imagem Alice da New Horizons, durante um alinhamento cuidadosamente projetado entre o Sol, Plutão e a espaçonave. A medição começou cerca de uma hora depois da maior aproximação ao planeta anão no dia 14 de julho de 2015. Durante o evento de ocultação solar a New Horizons passou pela sombra de Plutão enquanto o Sol iluminava a atmosfera do planeta anão.

Andrew Steffl, membro da missão New Horizons e do Instituto de Pesquisa do Sudoeste, em Boulder, Colorado, EUA, disse:

Este é apenas o começo da ciência atmosférica de Plutão. No próximo mês, todo o conjunto de dados da ocultação recolhidos pelo Alice será enviado para a Terra para análise. Mesmo assim, os dados que temos agora já mostram que a atmosfera de Plutão se eleva acima da sua superfície, em termos relativos, mais alto do que a atmosfera terrestre.

http://www.nasa.gov/sites/default/files/thumbnails/image/02_gladstone_03-backup_0.jpg

Este infográfico mostra as posições das ocultações solares observadas pelo dispositivo ALICE na espaçonave New Horizons. Nos pontos marcados com bolinhas vermelhas vemos que a ocultação no por-do-sol (sunset) ocorreu justamente ao sul da região do “coração” em Plutão, em uma faixa de 48.200 km, enquanto que o nascer-do-sol (sunrise) ocorreu ao norte do “rabo da baleia”, em uma extensão de 57.000 km.

Fonte

NASA: New Horizons Reveals Pluto’s Extended Atmosphere

._._.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

error: Esse blog é protegido!