«

»

nov 25

Sobre a exploração espacial nas profundezas do Sistema Solar: Rosetta, Dawn e New Horizons

http://eternosaprendizes.com/2014/11/15/rosetta-o-robo-philae-completou-sua-missao-principal-pousado-no-cometa-67p-e-entra-em-hibernacao/

As viagens do ‘lander’ Philae, pulando no cometa 67P / Churyumov Gerasimenko: estas fantásticas imagens mostram a espantosa viagem do módulo Philae à medida que se aproximou e quicou depois do primeiro pouso no Cometa 67P/Churyumov–Gerasimenko no dia 12 de Novembro. O mosaico consiste de uma série de imagens capturadas pela câmara OSIRIS da Rosetta ao longo de um período de 30 minutos. Da esquerda para a direita, as imagens mostram a descida do Philae até ao cometa. A imagem tirada mesmo após o pouso, às 15:43 GMT, confirma que o ‘lander’ se movia para leste, como sugerido ao início pelos dados do instrumento CONSERT, a uma velocidade de aproximadamente 0,5 m/s. Créditos: ESA/Rosetta/MPS-OSIRIS/MPS/UPD/LAM/IAA/SSO/INTA/UPM/DASP/IDA

Mesmo que a chegada da sonda robótica Philae na superfície do cometa 67P / Churyumov-Gerasimenko não tenha saído como planejado, as realizações da missão Rosetta são imensas. Agora temos uma sonda na superfície de um cometa que foi capaz de coletar 57 horas de dados antes de entrar em hibernação, e uma nave mãe que vai acompanhar o cometa enquanto este se move cada vez mais perto do Sol. A maior aproximação do cometa em relação ao Sol será em 13 de agosto de 2015.

Foi embaraçoso para a ESA que o mecanismo de acoplamento ao cometa do ‘lander’ Philae, envolvendo propulsores reversos e arpões para prendê-la à superfície, tenha se mostrado defeituosos. As falhas deixaram a sonda saltar duas vezes antes do desembarque final em local imprevisto, com seus painéis solares em grande parte, à sombra. Entretanto, sabemos que o ‘lander’ Philae foi capaz de detectar moléculas orgânicas na superfície do cometa, tendo realizado a análise espectral e identificação de moléculas, cujos resultados finais em breve saberemos. O cometa parece ser composto de gelo de água coberta com uma fina camada de poeira. Há alguma possibilidade do módulo Philae reviver quando o cometa se aproximar do Sol, de acordo com Stephan Ulamec (DLR Centro Aeroespacial Alemão), gerente da missão do Philae ‘lander’. Além disso, esperamos ansiosos por novos dados da Rosetta, ainda em funcionamento.

Que missão ousada e inspiradora foi este primeiro pouso suave em um cometa! Devemos dar parabéns a todos os envolvidos na Agência Espacial Europeia e estamos ansiosos para continuar o envio  de dados até o final de dezembro de 2015, quatro meses depois da maior aproximação do cometa com o Sol.

Uma onda de descobertas está por vir

Rosetta usou a ajuda de assistências gravitacionais ao redor Terra e de Marte para fazer o seu caminho para o alvo, hibernando durante dois anos e meio para economizar energia durante a longa viagem de 10 anos.

http://eternosaprendizes.com/2012/07/13/a-descoberta-da-5%c2%aa-lua-de-plutao-e-as-implicacoes-na-missao-new-horizons/

Imagem: Uma visão artística da New Horizons ao se aproximar de Plutão (à direita) e Caronte.

New Horizons e Plutão no Cinturão de Kuiper

Mudando de missão, estamos esperando agora pelo wake-up (acordar) de outra sonda distante, New Horizons (Novos Horizontes), que sairá da hibernação pela última vez em 6 de dezembro de 2014. Desde o lançamento em janeiro de 2006, a nave espacial que ruma a Plutão gastou 1.873 dias em modo de hibernação, totalizando dois terços do seu tempo de voo, em dezoito períodos de hibernação que variaram de 36 dias a 202 dias. A hibernação reduziu o desgaste em eletrônico da sonda e liberou a sobrecarregada Deep Space Network para outras missões em ação.

Quando New Horizons transmitir uma confirmação de que ele está de novo em modo ativo, o sinal vai demorar quatro horas e 25 minutos para chegar controladores na Terra, em numa época em que a nave espacial estará a mais de 2,9 bilhões de quilômetros da Terra, a menos de duas vezes a distância Terra-Sol (2 UAs) do sistema planetário Plutão / Caronte. Segundo o último relatório da equipe da New Horizons, observações diretas do alvo começarão em 15 de janeiro de 2015, com a maior aproximação em Plutão a acontecer em 14 de julho de 2015.

http://eternosaprendizes.com/2012/05/15/missao-dawn-revela-segredos-do-asteroide-gigante-vesta/

Ilustração da Dawn orbitando Vesta. Créditos: NASA/JPL

Dawn, Ceres e Vesta no Cinturão de Asteroides

A exploração espacial continua firme e forte no cinturão de asterides, com a missão Dawn em seu caminho para Ceres. A chegada no planeta-anão Ceres está prevista para março de 2015. Onze trabalhos científicos foram publicados na semana passada na revista Icarus, incluindo uma série de alta resolução dos mapas geológicos de Vesta, asteroide que a espaçonave visitou entre julho de 2011 e setembro de 2012.

http://www.jpl.nasa.gov/spaceimages/images/largesize/PIA18788_hires.jpg

O mapa geológico de alta resolução de Vesta é derivado dos dados da nave espacial Dawn. Cores marrons representam a superfície mais antiga, com mais crateras. Cores roxas no norte e a luz azul representam terrenos modificados pelos impactos Veneneia e Rheasilvia, respectivamente. Roxos cores claras e escuras azuis abaixo do equador representar o interior das bacias Rheasilvia e Veneneia. Tons de verde e amarelo representam deslizamentos de terra mais recentes ou outros materiais que se movimentaram montanha abaixo e materiais de crateras de impacto, respectivamente. O mapa unifica 15 retângulos individuais publicados esta semana em uma edição especial da Icarus. Créditos: NASA / JPL

O mapeamento geológico desenvolve a história da superfície a partir da análise de fatores como topografia, cor e brilho, um processo que levou dois anos e meio para ser concluído. Ficamos sabendo que vários impactos grandes, particularmente os impactos Veneneia e Rheasilvia no início da história de Vesta e muito mais tarde o impacto Marcia, têm sido agentes de transformações no desenvolvimento deste pequeno mundo. Imagens pancromáticas e imagens em sete bandas filtradas de cor da câmera de enquadramento da nave espacial, fornecidas pela Max Planck Society e pelo Centro Aeroespacial Alemão, ajudaram a criar modelos topográficas da superfície. Estes modelos podem ser usados para interpretar a geologia do Vesta. Estatísticas das crateras de Vesta preenchem o calendário permitindo aos cientistas datar sua superfície.

Com um cometa (67P) sob investigação ativa, um asteroide (Vesta) completamente mapeado, uma nave espacial em seu caminho para o maior objeto no cinturão de asteroides (Ceres) e um encontro no sistema solar exterior (Plutão) previsto para meados de 2015, pode-se afirmar que estamos vivendo um momento emocionante para a exploração planetária. Precisamos, contudo, continuar olhando à frente. O que a New Horizons (Novos Horizontes) verá na borda do Sistema Solar e mais além? Que descobertas teremos nas luas de gigantes de Júpiter? É possível uma missão de coleta de amostras e retorno a Terra inspecionando os gêiseres de Enceladus? E sobre Titã? Vamos torcer para que a Rosetta e eventos vindouros nos ajudem a construir o impulso para empurrar nossa atual onda de exploração do espaço profundo!

Fonte

Centauri Dreams: Rosetta: Building Momentum for Deep Space?

._._.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

error: Esse blog é protegido!