«

»

out 01

NGC 6705: Patos selvagens levantam voo no aglomerado aberto Messier 11

http://www.eso.org/public/images/eso1430a/

O instrumento Wide Field Imager montado no telescópio MPG/ESO de 2,2 metros, no Observatório de La Silla do ESO, no Chile, obteve esta imagem do aglomerado aberto do Pato Selvagem, Messier 11 ou NGC 6705. As estrelas azuis no centro da imagem são as estrelas jovens e quentes do aglomerado. As vermelhas são estrelas de fundo mais velhas e frias. Crédito: ESO

O instrumento Wide Field Imager, montado no telescópio MPG/ESO de 2,2 metros, no Observatório de La Silla do ESO, Chile, obteve esta bela imagem salpicada de estrelas azuis de um dos aglomerados abertos mais ricos em estrelas que se conhece atualmente, o Messier 11, também conhecido por NGC 6705 ou Aglomerado do Pato Selvagem [1].

O Messier 11 é um aglomerado aberto, ou aglomerado de galáxias como é algumas vezes referido, situado a cerca de 6.000 anos-luz de distância na direção da constelação do Escudo (Scutum). Foi inicialmente descoberto pelo astrônomo alemão Gottfried Kirch no Observatório de Berlim em 1681, que o observou através do telescópio apenas como uma mancha difusa. Só em 1733 é que esta “mancha” foi pela primeira vez resolvida em estrelas separadas pelo Reverendo William Derham em Inglaterra, tendo Charles Messier adicionado este aglomerado ao seu famoso catálogo em 1764.

http://www.eso.org/public/images/eso1430b/

Este mapa mostra a localização do aglomerado aberto NGC 6705, aqui designado por Messier 11 e assinalado com um círculo amarelo, na constelação austral do Escudo (Scutum). O Escudo também acolhe o aglomerado aberto Messier 26 e a bem conhecida estrela variável Delta Scuti. O Messier 11, embora seja praticamente invisível a olho nu, pode ser facilmente observado através de binóculos ou de um pequeno telescópio. Créditos: ESO, IAU and Sky & Telescope

Messier era um caçador de cometas e resolveu compilar um catálogo que o ajudasse a não confundir os cometas que pretendia descobrir e observar com outros objetos fixos e difusos (por exemplo, objetos que conhecemos hoje como sendo aglomerados, galáxias e nebulosas). Com estes objetos devidamente anotados e catalogados, evitava observá-los de modo acidental, não os confundindo assim com possíveis novos cometas. Este aglomerado estelar foi catalogado como o décimo primeiro de tais objetos, daí o nome Messier 11.

Os aglomerados abertos encontram-se tipicamente nos braços em espiral de galáxias espirais ou em regiões densas de galáxias irregulares, onde a formação estelar ainda acontece. O Messier 11 é um dos aglomerados abertos mais compactos e ricos em estrelas, com uma dimensão de quase 20 anos-luz e acolhendo cerca de 3.000 estrelas. Os aglomerados abertos diferem dos aglomerados globulares, que tendem a ser muito densos, fortemente ligados pela gravidade e contêm centenas de milhares de estrelas muito velhas, algumas quase tão velhas como o próprio Universo.

Estudar os aglomerados abertos é uma boa maneira de testar as teorias de evolução estelar, uma vez que as estrelas aí contidas se formam a partir da mesma nuvem inicial de gás e poeira e consequentemente tem características similares entre si. As estrelas têm todas aproximadamente a mesma idade, composição química e encontram-se todas à mesma distância da Terra. No entanto, cada estrela no aglomerado tem uma massa determinada, com as estrelas mais massivas que evoluem muito mais depressa do que as de menor massa, uma vez que gastam todo o seu hidrogênio em muito menos tempo.
Deste modo os astrônomos levam vantagens em estudar estrelas em aglomerados. São possíveis as comparações diretas entre os diferentes estágios de evolução de um mesmo aglomerado. Por exemplo, será que uma estrela com 10 milhões de anos e com a mesma massa que o Sol evoluirá de maneira diferente de uma outra estrela com a mesma idade mas com metade da massa? Assim, os aglomerados abertos possuem o mais parecido que os astrônomos têm como “condições de laboratório”.

Uma vez que as estrelas no seio dos aglomerados abertos estão pouco ligadas entre si, cada estrela é mais susceptível de ser ejetada para fora do grupo principal devido ao efeito da gravidade de objetos celestes vizinhos. O NGC 6705 tem já pelo menos 250 milhões de anos de idade, por isso é provável que dentro de mais alguns milhões de anos esta formação de “Patos Selvagens” [1] se disperse, separando-se o aglomerado e desaparecendo no meio interestelar circundante.

Esta imagem foi obtida pelo instrumento Wide Field Imager, montado no telescópio MPG/ESO de 2,2 metros, no Observatório de La Silla no norte do Chile.

Loading player…

Nota

[1] Este nome alternativo e evocativo para o NGC 6705, Aglomerado do Pato Selvagem, teve origem no século XIX. Quando se observa este aglomerado através de um pequeno telescópio vemos as estrelas mais brilhantes a formar o padrão de um triângulo aberto no céu, que se assemelha a patos voando em formação.

Fonte

ESO: Wild Ducks Take Flight in Open Cluster

._._.

1 menção

  1. A Via Láctea e o Templo de Posseidon por Alexandros Maragos » O Universo - Eternos Aprendizes

    […] mesma forma, o facho vertical de luz parece apontar para as nuvens na direção do aglomerado estelar do Pato Selvagem (Messier 11 – Wild Duck […]

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

error: Esse blog é protegido!