«

»

jun 26

O sistema estelar Gliese 832 abriga Super Terra no limite interno da zona habitável, mas em condições extremas

http://www.hpcf.upr.edu/~abel/phl/gj832/Gliese832c_with_star.jpg

Esta concepção artística compara o tamanho entre Gliese 832c e a Terra. O tamanho do exoplaneta pode ser maior se for gasoso. Crédito: PHL @ UPR Arecibo

Uma equipe internacional de astrônomos descobriu um exoplaneta na borda zona habitável da estrela Gliese 832, a gama de distâncias que podem permitir a existência de água líquida à superfície de um exoplaneta. Este mundo, conhecido como Gliese 832c, situa-se a 16 anos-luz da Terra.

Gliese 832c é uma Super Terra com cerca de 5,4 vezes a massa do nosso planeta. Seu período de giro em torno do seu sol é de ‘apenas’ 35,67±0,15 dias terrestres. Em contrapartida a estrela hospedeira é uma anã vermelha (massa = 0,45±0,05 M⊗), muito mais tênue e fria que o Sol. Assim, Gliese 832c recebe energia solar na mesma ordem de grandeza da Terra, apesar de orbitar muito mais próximo da sua estrema mãe.

http://www.hpcf.upr.edu/~abel/phl/gj832/hec_orbit_GJ_832_c.png

Análise orbital de Gliese 832c, um mundo que gira em torno da anã vermelha Gliese 832. Gliese 832c orbita a fronteira interior da zona habitável (em estimativa conservadora). Crédito: PHL @ UPR Arecibo

Abel Mendez Torres, diretor do Laboratório de Habitabilidade Planetária da Universidade de Porto Rico em Arecibo, comentou:

O Índice de Similaridade com a Terra (ESI, Earth Similarity Index) [1] de Gliese 832c (ESI=0,81) é comparável com os de Gliese 667Cc (ESI=0,84) e Kepler-62e (ESI=0,83). A Terra tem ESI igual a 1. Isto torna Gliese 832c um dos três planetas mais ‘parecidos’ com a Terra, de acordo com o ESI (isto é, com respeito ao fluxo estelar, massa da Terra e outras importantes características), tornando-se um bom candidato a observações de acompanhamento.

A equipe da pesquisa, liderada por Robert Wittenmyer, da Universidade de Nova Gales do Sul, Austrália, descobriu o exoplaneta Gliese 832c ao notar pequenas oscilações que a gravidade do exoplaneta provoca no movimento da sua estrela hospedeira.

Os cientistas observaram estas oscilações em dados recolhidos por três instrumentos diferentes:

  1. Espectrógrafo Echelle da University College London acoplado ao telescópio Anglo-Australiano, Austrália;
  2. PFS (Planet Finder Spectrograph) de Carnegie acoplado ao telescópio Magalhães II, Chile;
  3. Espectrógrafo HARPS (High Accuracy Radial Velocity Planet Searcher), que faz parte do telescópio de 3,6 metros do Observatório La Silla do ESO, Chile.

Gliese 832c é o segundo exoplaneta a ser descoberto no sistema Gliese 832. O outro exoplaneta, Gliese 832b, descoberto em 2009, é um gigante gasoso que orbita muito mais longe da estrela, completando uma órbita em aproximadamente 9 anos [terrestres].

Mendez disse:

Até agora, os dois planetas de Gliese 832 são uma versão reduzida do nosso próprio Sistema Solar, com um planeta potencialmente tipo-Terra mais interior, e um planeta gigante mais exterior, parecido com Júpiter.

No entanto, no momento não sabemos o quanto Gliese 832c se assemelha com a Terra. De fato, os seus descobridores especulam se o mundo recém-descoberto pode ser mais parecido com Vênus, com uma espessa atmosfera que levou a um efeito estufa descontrolado.

Wittenmyer e sua equipe escreveram no artigo científico, publicado no The Astrophysical Journal:

Dada a grande massa do exoplaneta, parece provável que tenha uma grande atmosfera, o que pode torná-lo inóspito. Na verdade, é até plausível que GJ [Gliese] 832c seja um ‘super Vênus’, com um significativo efeito estufa.

http://phl.upr.edu/press-releases/gliese832

O catálogo de planetas potencialmente habitáveis com a adição de Gliese 832c, o 23° membro. Crédito: PHL @ UPR Arecibo

Leia mais aqui: Gliese 832c – uma super-Terra na zona habitável, é o mais recente exoplaneta preferido

Nota

[1] O ESI (Earth Similarity IndexÍndice de Similaridade a Terra) é definido pela expressão:

http://en.wikipedia.org/wiki/Earth_Similarity_Index#Formulation

Fórmula do ESI

Onde xi é uma das propriedades planetárias (ex.: a temperatura estimada na superfície do exoplaneta), xi0 é o correspondente valor terrestre para a propriedade comparada (ex.: 288 K para a temperatura média da Terra), wi é o expoente do peso para cada propriedade e n é o total de propriedades planetárias. Os pesos ajustam a sensibilidade da escala e equaliza suas influências entre as diferentes características. No Sistema Solar temos os seguintes resultados para o ESI: Mercúrio (0,39), Vênus (0,78), Marte (0,64) e a própria Terra, obviamente (1,00).  

Fontes

Space.com: Nearby Alien Planet May Be Capable of Supporting Life

PHL: A Nearby Super-Earth with the Right Temperature but Extreme Seasons

Artigo Científico

GJ 832c: A super-earth in the habitable zone

._._.

2 comentários

  1. caio giordano

    Quando exoplanetas maiores que a Terra tem luas, isso muda sua similaridade com a Terra para mais próximo, enquanto que se exoplanetas menores que a possuirem luas, isso distancia sua similaridade para com a Terra. Será possível estimar esse fator de correção? Qual seria a distribuição estatistica entre massa do planeta propriamente dito e massa de suas luas?

    1. ROCA

      A relação entre massa de um planeta e luas é algo que inexiste. O processo de formação/aquisição de luas é caótico.

      No caso da Terra a Lua nasceu de um choque entre um planeta errante (Theia) e a própria Terra. Há teorias que sugerem que a Terra já teve outras luas no passado remoto, mas não há provas disso, apenas hipóteses, como essa, para explicar a distinção entre as faces lunares: http://www.personal.psu.edu/jtw13/blogs/astrowright/2014/05/a-hard-rains-a-gonna-fall-on-the-dark-side-of-the-moon-i-the-lunar-farside-highlands-problem.html

      Acredita-se que Tritão foi uma lua capturada por Netuno. Veja abaixo:
      http://eternosaprendizes.com/2010/03/27/discussoes-sobre-a-formacao-do-sistema-solar-parte-3-teria-netuno-engolido-uma-super-terra-e-roubado-sua-lua-tritao/

      Vênus pode ter tido luas no passado?
      http://eternosaprendizes.com/2009/10/16/novas-discussoes-sobre-a-formacao-do-sistema-solar-por-que-venus-nao-tem-nenhuma-lua/
      As luas de Júpiter devem ter se formado por acresção…

      Como ainda não conhecemos nenhuma exolua, não há dados para estabelecer qualquer regra. Sobre a busca por exoluas:
      http://eternosaprendizes.com/2014/04/11/exolua-descoberta-por-microlente-gravitacional/
      http://eternosaprendizes.com/2010/01/05/vamos-descobrir-em-breve-uma-exolua-tal-como-a-lua-pandora-do-filme-avatar/
      http://eternosaprendizes.com/2009/10/28/como-usar-o-observatorio-espacial-kepler-para-descobrir-exoluas-habitaveis/
      http://eternosaprendizes.com/2009/04/03/metodos-propostos-para-deteccao-de-exoluas/

      Boa leitura \o/

Deixe uma resposta