«

»

abr 09

2013 FY27: candidato a planeta anão habita o Sistema Solar exterior

Essa pintura mostra o planeta-anão Éris, também conhecido como 2003UB313 que habita os confins do nosso sistema Solar. O Sol pode ser visto bem distante. Éris é maior e  mais massivo que Plutão e orbita a uma distância 3 vezes mais distante do Sol. A descoberta de Éris provocou a revisão da categorização dos objetos do sistema Solar que culminou no rebaixamento de Plutão (Imagem: R Hurt (SSC/Caltech) / JPL-Caltech / NASA).

Essa pintura ilustra o planeta-anão Éris, também conhecido como 2003UB313 que habita os confins do nosso sistema Solar. O Sol pode ser visto bem distante. Éris é o “planeta anão #1”, maior e mais massivo que Plutão (atualmente o #2). Éris orbita a uma distância 3 vezes mais distante do Sol que Plutão. A descoberta de Éris provocou a revisão da categorização dos objetos do sistema Solar que culminou no rebaixamento de Plutão de ‘planeta’ a ‘planeta anão’. Agora, novos objetos similares a Éris tem sido descobertos e a contagem do número de planetas anões cada vez aumenta mais. (Imagem: R Hurt (SSC/Caltech) / JPL-Caltech / NASA)

Na esteira de notícias recentes animadoras de um “segundo Sedna” (veja: 2012 VP113: novo candidato a planeta anão redefine as fronteiras do Sistema Solar) e de um intrigante asteroide Centauro rodeado por anéis (veja: Brasileiros encontram primeiro sistema de anéis em torno de um asteroide – Chariklo tem dois anéis) temos uma terceira descoberta interessante no sistema solar exterior: um novo provável grande membro além do Cinturão de Kuiper. Com uma magnitude absoluta de cerca de 3,3, este novo objeto atualmente conhecido como 2013 FY27 é o 9º objeto mais brilhante entre os corpos gelados além da órbita de Netuno (depois de Eris, Plutão, Makemake, Haumea, Sedna, 2007 OR 10, Orcus e Quaoar, nessa ordem). Sabemos que traduzir o brilho de um objeto longínquo em tamanho é bem inexato, mas os astrônomos apostam que 2013 FY27 tem cerca de 900 quilômetros de diâmetro [1], grande o suficiente para ser esférico, ou seja, deve ser um novo planeta anão!

2013 FY27 foi descoberto por Scott Sheppard e Chad Trujillo, na mesma pesquisa que rendeu VP113, o “segundo Sedna”. FY27 reside atualmente a cerca de 80 unidades astronômicas do Sol, semelhante a atual distância do VP113 e, portanto, trata-se de um dos objetos de grande porte atualmente observáveis mais distantes no sistema solar. Afinal, por que houve tanto alarde para VP113, mas não para FY27?

Alguns dos elementos orbitais de 2013 FY27 são: semieixo maior = 59 UA, excentricidade = 0,40, inclinação = 33,1°, periélio = 36 UA e período orbital = 450 anos. Créditos: NASA / JPL Small-body Database Browser / Emily Lakdawalla

Alguns dos elementos orbitais de 2013 FY27 são: semieixo maior = 59 UA, excentricidade = 0,40, inclinação = 33,1°, periélio = 36 UA e período orbital = 450 anos. Créditos: NASA / JPL Small-body Database Browser / Emily Lakdawalla

Lembrem-se o que fez VP113 incomum não era a sua distância atual do Sol mas sim a forma da órbita da VP113 e o fato de que VP113 nunca fica mais perto do que cerca de 80 UA do Sol. Um monte de pessoas ficaram confusas sobre isso, relatando VP113 como o objeto mais distante (de maior porte) no sistema solar… Não é. Eris está mais longe, e também está Sedna, que por isso são ambos “viajantes”, da mesma forma que são conhecidos cometas de longo período (embora no momento não podemos observá-los). Ambos VP113 e FY27 Atualmente está a cerca de 80 UA do Sol, mas ao contrário do VP113, o novo FY27 está perto de seu afélio, o mais longe possível que ele consegue chegar. Com o tempo, a órbita de FY27 vai trazê-lo mais perto de nós, na vizinhança de Netuno. Como tal, embora seja um objeto excepcionalmente distante entre as coisas que atualmente conhecemos, sua órbita não esticará muito além dos limites do sistema solar, na maneira que VP113 fará. Aqui está uma visão comparando VP113, FY27, os planetas, Plutão e Éris. Reparem que a órbita de FY27 não é como a de Sedna, na verdade é semelhante a órbita de Éris.

Comparação das órbitas de 2013 FY27, 2012 VP113e Éris. Como Éris o objeto transnetuniano 2013 FY27 tem uma órbita inclinada que viaja para muito longe do Sol, mas retorna para perto da vizinhança de Netuno. Créditos: NASA / JPL Small-body Database Browser / Emily Lakdawalla

Comparação das órbitas de 2013 FY27, 2012 VP113e Éris. Como Éris o objeto transnetuniano 2013 FY27 tem uma órbita inclinada que viaja para muito longe do Sol, mas retorna para perto da vizinhança de Netuno. Créditos: NASA / JPL Small-body Database Browser / Emily Lakdawalla

O que torna o FY27 especial é o seu brilho e tamanho implícito. Acredita-se que é um mundo redondo e é um membro de uma faixa de tamanho de objetos do cinturão de Kuiper que têm realmente superfícies distintas. Tal implica que cada um destes mundos tem uma única história para contar, variações sobre temas com gelo, materiais orgânicos e atmosferas transitórias. Embora não saibamos ainda qual a cor de FY27, os astrônomos sugerem que se trata de um novo mundo inteiro. Não é todo dia que adicionamos mais um destes ao nosso sistema solar.

Por que ninguém havia detectado este objeto antes? Scott Sheppard (MPEC) respondeu que a razão é devida ao fato de FY27 tem uma magnitude mais fraca do que qualquer pesquisa de todo o céu para objetos trans-netunianos (TNOs). As pesquisas atuais de todo o céu de TNOs veem até cerca de 21 magnitude e FY27 era tinha uma magnitude 22. Scott apontou que em 2011 um artigo que discutiu uma pesquisa do céu no hemisfério sul conseguiu atingir até a magnitude 21,6. O brilho de FY27 é tão fraco, apesar de seu tamanho, porque está perto de seu afélio , como Éris e 2007 OR 10. Isso não é coincidência. As leis de Kepler do movimento planetário nos diz que os objetos em órbitas excêntricas visivelmente gastam muito mais tempo muito longe do Sol do que gastam mais perto do sol. Então, todos esses objetos espalhados em órbitas excêntricas estão se escondendo longe de nós, onde é difícil vê-los. Em apenas alguns raros casos, como Sedna e VP113, há corpos que estão perto o suficiente para nós agora para nossas pesquisas para detectá-los

Scott afirmou:

É por isso que acho que existem muitos mais objetos maiores (planetas anões) na Nuvem Oort interior do que apenas Sedna e 2012 VP113. A maioria desses objetos da nuvem de Oort internos [estatisticamente] vão estar próximo do afélio assim como Éris, 2007 OR 10 e FY27 estão agora neste disco disperso. Uma vez que o afélio para objetos da nuvem de Oort internas são distâncias entre 500 a 1500 UA para fora, até mesmo objetos do tamanho da Terra podem escapar de serem detectados em pesquisas de todo o céu.

Podemos concluir o que? Há muito mais deles que ainda estão por descobrir. Animador!

E mais, Michele Bannister relatou que Sheppard e Trujillo também descobriram um novo objeto chamado 2013 FZ27. FZ27 não é tão brilhante (magnitude relativa) como FY27, mas, com magnitude absoluta de 4,4 , é muito provável que seja um planeta anão e figuraria no ‘top 30’ dos mais brilhantes objetos trans-netunianos. Nossa imagem do sistema solar muda a cada dia!

Nota

[1] 2013 FY27 foi adicionado automaticamente à lista de potenciais planetas anões de Mike Brown. Na lista (clique aqui), 2013 FY27 está relacionado com um diâmetro estimado de apenas 761 quilômetros, mas que assume um albedo de 15%. Se você comparar com todas as outras entidades com magnitudes absolutas semelhantes na lista, você verá que eles são mais escuros do que isso. Assumindo um albedo de 9%, como Varda, dá-lhe um diâmetro mais perto de 950 km. Mas, se ele é tão escuro como Salacia, então poderia ser tão grande com até 1.500 quilômetros de diâmetro. Assim, Emily Lakdawalla julga que 900 km é uma estimativa conservadora para o tamanho deste corpo.

Fontes

Planetary Society: More excitement in the outermost solar system: 2013 FY27, a new dwarf planet por Emily Lakdawalla

Tabela de Mike Brown dos maiores objetos do Sistema Solar (exceto planetas e Ceres): How many dwarf planets are there in the outer solar system? [atualizado diariamente por Mike Brown]

._._.

Deixe uma resposta