«

»

abr 07

LRO mostra o lado oculto da Lua como nunca antes visto!

Imagens capturadas pela câmera WAC da LROC. Projeção ortográfica centrada a 180 ° de longitude, latitude 0 º . Crédito: Universidade Estadual NASA / Goddard / Arizona

Imagens capturadas pela câmera WAC da LROC. Projeção ortográfica centrada a 180° de longitude e latitude 0º . Crédito: Universidade Estadual NASA / Goddard / Arizona

Uma vez que a Lua está presa gravitacionalmente a Terra em movimento sincrônico (o que significa o mesmo lado está sempre voltado para nós), não foi antes de outubro de 1959 que o seu lado oculto (o lado mais distante) foi fotografado pela primeira vez pela espaçonave soviética Luna 3 (daí a existência de vários nomes russos para áreas importantes do lado oculto, como por exemplo Mare Moscoviense).

A primeira foto da face oculta da Lua foi feita pela missão soviética Luna 3 que orbitou a Lua em outubro de 1959

A primeira foto da face oculta da Lua foi feita pela missão soviética Luna 3 que orbitou a Lua em outubro de 1959

E que surpresa os russos descobriram? Ao contrário dos ‘mares lunares’ (maria) generalizados no lado visível aqui da Terra, o vulcanismo basáltico (que domina o lado que vemos) se apresenta de modo bem restrito em um número relativamente pequeno de regiões menores no lado oculto. Em suma, trata-se de um mundo diferente daquele que estamos acostumados a olhar em nosso céu.

Assim, a causa desta assimetria do lado distante versus lado próximo é uma questão científica interessante. Estudos anteriores mostraram que a crosta sobre o lado oculto é mais espessa. Provavelmente foi isto que tornou bem mais difícil para os magmas terem entrado em erupção na superfície, no passado, limitando a quantidade de ‘mares’ de basaltos no lado oculto. Porque é que a crosta mais espessa no lado distante? Isso ainda está em debate e de fato várias apresentações na Conferência de Ciência Planetária e Lunar sugeriram respostas para a esta intrigante pergunta.

A missão Clementine obteve belos mosaicos com o sol alto no céu (ângulos de fase baixos), mas não teve a oportunidade de observar o lado oculto em ângulos favoráveis quanto a posição do Sol para mostrar a topografia da superfície. Agora, o mosaico fornecido pela câmera WAC forneceu o olhar mais completo na morfologia do lado oculto até então, um recurso valioso para a comunidade científica.

Seis visões da Lua pela câmera WAC da LROC

Seis vistas ortográficas da Lua criadas a partir das imagens do mosaico global capturado pela câmera WAC. Da esquerda acima até a direita inferior a longitude central é, sucessivamente, 0°, 60°, 120°, 180°, 240° e 300°. Crédito: Universidade Estadual NASA / Goddard / Arizona

A Câmera Grande Angular (WAC – Wide Angle Camera) do Lunar Reconnaissance Orbiter Camera (LROC) é uma câmera especial que captura sete faixas de cor (321, 360, 415, 566, 604, 643 e 689 nanômetros) com uma faixa de alcance de 57 km (105km de faixa no modo monocromático) a partir de 50 km de altura orbital. Um dos principais objetivos da LROC é fornecer um mapa base monocromático de 100 m/pixel global (643 nanômetros) com ângulos de incidência entre 55 ° a 70 ° no equador lunar, uma iluminação que é favorável para interpretações morfológicas. A cada mês, a WAC fornece cobertura quase completa da Lua com uma iluminação única. Reduzir todas essas imagens em um mapa topográfico global é um grande trabalho, que está sendo conduzido pela equipe LROC do Centro Aeroespacial Alemão (Deutsches Zentrum für Luft -und Raumfahrt/DLR). Vários produtos topográficos preliminares foram publicados em LROC no ano passado (Bacia Orientale , Sinus Iridum). O conjunto de dados topográficos WAC será concluído e lançado no final deste ano.

Além disso, a equipe LROC postou o mapa global em dez imagens regionais. Oito dos mapas são projeções equi-retangulares que abrangem 60° de latitude e 90° de longitude. Além disso, duas projeções estereográficas polares estão disponíveis para cada um dos polos a partir de ± 60° em relação ao polo.

Faça um tour pela Lua, no vídeo a seguir:

Fonte

NASA: The Far Side of the Moon — And All the Way Around

._._.

4 menções

  1. Por que o lado oculto da Lua difere tanto do lado visível? » O Universo - Eternos Aprendizes

    […] LRO mostra o lado oculto da Lua como nunca antes visto! […]

  2. A Lua pode ainda ter resquícios de atividade vulcânica? » O Universo - Eternos Aprendizes

    […] aos cientistas uma vista de alta qualidade de superfície da Lua. Estudando cuidadosamente as imagens da LRO, Braden e sua equipe encontraram 70 regiões que se destacaram em relação as suas vizinhanças, a […]

  3. Entendendo o Bombardeio Pesado Tardio: cientistas encontraram a maior cratera de impacto da Terra já descoberta » O Universo - Eternos Aprendizes

    […] a Terra e os demais objetos do Sistema Solar interior (olhe para a Lua e Mercúrio e veja as marcas representadas por suas gigantescas crateras). Este impacto específico pode ter causado uma grande […]

  4. Entendendo o Bombardeio Pesado Tardio: cientistas encontraram a maior cratera de impacto da Terra já descoberta

    […] a Terra e os demais objetos do Sistema Solar interior (olhe para a Lua e Mercúrio e veja as marcas representadas por suas gigantescas crateras). Este impacto específico pode ter causado uma grande […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

error: Esse blog é protegido!