«

»

jun 11

Novas evidências suportam a teoria de violentos impactos extraterrestres há 12.900 anos

Um choque da Terra com um enxame de pedaços de um cometa foi responsável pela extinção há 12.900 anos ?

Um choque da Terra com um enxame de pedaços de um cometa foi responsável pela extinção há 12.900 anos ?

Este tema controverso já foi alvo de dois artigos em Eternos Aprendizes:

Agora, novas evidências são apresentadas pela equipe internacional de 18 pesquisadores que liderada por James Kennett, professor de ciências da Terra da Universidade da Califórnia Santa Barbara. Os cientistas descobriram vidro derretido, material em uma fina camada de rocha sedimentar em três sítios distintos: Pensilvânia, Carolina do Sul, e Síria. Segundo os pesquisadores, o material que remonta a cerca de 12.900 anos foi forjado a temperaturas de 1.700 a 2.200 graus Celsius em condições resultantes de um corpo cósmico fragmentado que teria impactado violentamente a Terra.

Estas são imagens microscópicas de grãos de quartzo fundido da camada de impacto cósmico YDB em Abu Hureyra, Síria, mostrando evidências de bolhas de fluxo e texturas que resultou da fusão e ebulição da rocha em temperaturas muito elevadas. Crédito: UCSB

Estes novos dados são os mais recentes a apoiar fortemente a polêmica hipótese da Fronteira do Dryas Recente (em inglês, Younger Dryas Boundary ou YDB), que propõe que um impacto cósmico ocorreu 12.900 anos atrás no início de um período de frio incomum climático chamado de Dryas Recente [1].

Este episódio cataclísmico ocorreu no mesmo período de tempo da extinção da megafauna maior da América do Norte, que incluiu os mamutes, as preguiças gigantes (megatérios) e o tigre-dentes-de-sabre, bem como o misterioso desaparecimento da amplamente distribuída cultura de Clovis pré-histórica norte-americana.

Pontas das lanças da avançada civilização norte-americana de Clóvis, exterminada pelo cataclismo ocorrido há 12.900 anos.

H. Richard Lane, diretor do programa da Divisão Nacional de Ciência da Fundação de Ciências da Terra, órgão que financiou a pesquisa, disse:

Estes cientistas identificaram três níveis contemporâneos mais de 12.000 anos atrás, em dois continentes produzindo objetos semelhantes a escombros siliciosos (siliceous scoria-like objects – SLO’s). Os SLOs são indicativos de alta energia de impactos cósmicos, deslocamentos de ar, reforçando a tese de que esses eventos induziram o início período frio conhecido como Dryas Recente. Nesta época tivemos uma ruptura importante na história biótica, humana e climática.

Evidências morfológicas e geoquímicas da fusão de vidro confirmam que o material analisado não é vulcânico, de origem diretamente cósmica ou humana. Resultam, na verdade, de eventos de impacto.

Professor Kennett

Prof. Kennett explicou:

A temperatura muito alta fusão de vidro parece ser idêntica ao que é produzido em conhecidos eventos de impacto cósmico, como a Meteor Crater, no Arizona, e o campo de tektitas da Australásia. O material fundido também coincide com vidro derretido produzido pela explosão nuclear em Trindade de 1945, em Socorro, Novo México. As temperaturas extremas necessárias são equivalentes aos de uma explosão de bomba atômica, altas o suficiente para fazer derreter e ferver a areia.

A prova material de apoio à hipótese que associa o impacto cósmico ao evento YDB abrange três continentes e cobre quase um terço do planeta da Califórnia à Europa Ocidental incluindo o Oriente Médio. A descoberta amplia a gama de provas na Alemanha e na Síria, o local mais oriental até agora identificado no hemisfério norte. Os pesquisadores buscam ainda identificar um limite para o campo de detritos do impacto.

Kennett destacou:

Uma vez que estes três locais na América do Norte e do Oriente Médio são separados por 1.000 a 10.000 quilômetros, havia provavelmente três ou mais epicentros de impacto / explosão mais importantes para o evento de impacto YDB, provavelmente causado por um enxame de objetos cósmicos,fragmentos de um asteróide ou de um cometa.

O relatório da PNAS também apresenta exemplos de descobertas independentes recentes, que suportam também a hipótese de impacto YDB cósmica, e suporta dois grupos independentes que encontraram de fusão de vidro nas camadas YDB no Arizona e Venezuela.

Kenett  comentou:

Os resultadados refutam fortemente  a afirmação de alguns críticos de que ninguém pode replicar a evidência YDB, ou que os materiais simplesmente cairam de espaço diretamente, de forma não-catastrófica.

Kennett acrescentou que o sítio arqueológico na Síria, onde o material de fusão de vidro foi encontrado, Tell Abu Hureyra no Vale do Eufrates, é um dos poucos sítios de seu tipo onde a transição do registro de nômades de caçadores-coletores para agricultores-caçadores que vivem em aldeias permanentes.

Kenett sugeriu que:

Os arqueólogos e antropólogos consideram essa área ‘berço da agricultura’,que ocorreu há cerca de 12.900 anos. A presença de uma espessa camada de carvão na antiga vila na Síria indica um grande incêndio associado à fusão de vidro e esférulas de impacto, 12.900 anos atrás. As evidências sugerem que os efeitos no ambiente e seus habitantes teria sido muito grave.

Estas novas descobertas foram publicadas em 11 de junho de 2012, na revista PNAS – Proceedings of the National Academy of Sciences.

Nota

[1] Fronteira Dryas Recente (YDB)

O Dryas recente, do nome da planta da flora alpina e da tundra Dryas octopetala, foi um breve período (aproximadamente 1.300 ± 70 anos) de clima frio que se seguiu à fase interestadial Bölling/Allerød no final do Plistoceno há cerca de 12.700 a 11.500 anos e que antecedeu o período pré-boreal do Holoceno inicial. O Dryas recente (GS1) é também um período climático de Blytt-Sernander detectado a partir de camadas de turfeiras no norte da Europa. A sua datação aponta para que tenha ocorrido há aproximadamente 12.900 – 11.500 anos (idade calibrada) ou há 11.000 – 10.000 anos (idade não calibrada). Um Dryas antigo precedeu o Allerød, cerca de 1.000 anos antes do Dryas recente e durou 300 anos.

Fonte

UCSB: Study Jointly Led by UCSB Researcher Finds New Evidence Supporting Theory of Extraterrestrial Impact

._._.

1 menção

  1. Tunguska: o mistério foi finalmente resolvido? Um fragmento de cometa explodiu como uma bomba? « O Universo – Eternos Aprendizes

    […] sobre a América do Norte e possivelmente também em outros locais do Hemisfério Norte (leia em Novas evidências suportam a teoria de violentos impactos extraterrestres há 12.900 anos), causando extinção em massa e impacto global.  Poeira e cinzas foram espalhadas pela atmosfera […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

error: Esse blog é protegido!