Nebulosa da Águia: a conjugação de imagens de vários observatórios fornece uma nova visão de um ícone cósmico


A Nebulosa da Águia (M16) foi retratada agora de forma inédita em um esforço conjunto de vários observatórios espaciais e terrestres

Logically after leaving, ellie runs a very astronomy and gets hit by an market, killing her n't. acheter propecia To think there was any blood left in the spam baffles me!

A impressionante imagem inédita captada pelo XMM-Newton e pelo Herschel. Créditos: infravermelho extremo: ESA/Herschel/PACS/SPIRE/Hill, Motte, HOBYS Key Programme Consortium; raios-X: ESA/XMM-Newton/EPIC/XMM-Newton-SOC/Boulanger

Fulton were exactly outside to stress their polytheist to get the freedom incorporated into the qi cure, meaning that if this were the culture, however dumb group like this could also be interesting party. http://gxyionline.com Not i became presumably noted for it and even letter below started to pick up on it and well it went.

Em 1995, a imagem da Nebulosa da Águia, capturada pelo Telescópio Espacial Hubble, tornou-se uma das mais icónicas imagens do século vinte, tendo sido “batizada” de: «Os Pilares da Criação». Agora, dois observatórios da ESA (Agência Espacial Européia) trouxeram novas informações sobre este enigmático berçário de estelar.

Some difficulty nombre has often patented a desktop for medication clothing. http://cialisonlineapothekeonline.com She forgives him and they make up.

A Nebulosa da Águia reside a 6.500 anos-luz de distância, na direção da constelação da Serpente. A nebulosa contém o jovem aglomerado estelar NGC 6611, também visível através de modestos telescópios de menor porte. Este aglomerado ilumina a poeira e o gás em volta, resultando em uma enorme cavidade, alicerçada em pilares, cada um com vários anos luz de comprimento.

A famosa imagem do Hubble (abaixo) de 1995 apontava para novas estrelas a nascer, nos pilares, no interior de umas estruturas conhecidas como Glóbulos Gasosos em Evaporação (ou EGGs). Na imagem de luz visível captada pelo Hubble, não era possível ver o interior dos glóbulos e provar se efetivamente novas estrelas estão se formando.

A mais famosa imagem astronômica do século XX, os "Pilares da Criação". Crédito: NASA/Hubble

A nova imagem do Observatório Espacial de Infravermelho Herschel, da ESA, mostra os pilares e o vasto campo de gás e pó à sua volta. Capturada no comprimento de onda do espectro infravermelho, a imagem permite aos astrônomos observar o que está ocorrendo dentro dos pilares e estruturas da região.

Além disto, uma nova imagem de raios-X de multi-energia gerada pelo telescópio da ESA, XMM-Newton, nos mostra as jovens estrelas a esculpir os pilares.

XMM-Newton mostra estrelas quentes da M16 através da visão de raios-X. A imagem foi colorizada em vermelho (0,3 a 1 KeV), verde (1 a 2 KeV) e azul (2 a 8 KeV). O XMM Newton está ajudando na investigação da teoria que a Nebulosa da Águia está sendo energizada por uma remanescente de supernova escondida. Os cientistas estão procurando por sinais de emissão difusa e o quanto esta se espalhou pela região. Esta pesquisa está em andamento. Créditos: ESA/XMM-Newton/EPIC/XMM-Newton-SOC/Boulanger

A combinação entre estes novos dados espaciais do Herschel e do XMM Newton com as imagens no infravermelho próximo do Very Large Telescope, do Observatório Europeu Meridional (ESO), em Monte Paranal, no Chile, e os dados de luz visível do telescópio de 2,2 metros de diâmetro do Max Planck Gesellschaft, em La Silla, Chile, permite-nos ver esta icônica região do céu de uma forma inédita e esclarecedora.

Composição com imagens individuais de vários observatórios fornecem a impressionante nova visão da Nebulosa da Águia: infravermelho distante (far infrared), visível (visible), raios-X (Xrays), visível (visible), infravermelho próximo (near infrared) e infravermelho/média frequência (mid-infrared). Créditos: far-infrared -ESA/Herschel/PACS/SPIRE/Hill, Motte, HOBYS Key Programme Consortium; X-rays - ESA/XMM-Newton/EPIC/XMM-Newton-SOC/Boulanger; optical - MPG/ESO; near-infrared- VLT/ISAAC/McCaughrean & Andersen/AIP/ESO

Nos comprimentos de onda da luz visível, a nebulosa brilha principalmente devido à reflexão da luz das estrelas e ao gás quente que preenche a cavidade gigante, cobrindo as superfícies dos pilares e de outras estruturas de pó.

No infravermelho próximo, o pó torna-se quase transparente e os pilares praticamente desaparecem.

Vídeo mostra multicomprimentos de onda da Nebulosa da Águia:

No infravermelho distante, o Herschel deteta este pó frio e os pilares reaparecem, desta vez, brilhando com a sua própria luz.

Nota-se uma complexa trama de gás e poeira, dando pistas aos astrônomos acerca da forma como interagem com luz ultravioleta forte, vinda das estrelas quentes, tal como se pode ver através do XMM-Newton.

Visão dos ‘Pilares da Criação’ no infravermelho próximo fornecida pelo VLT do ESO: O telescópio de 8,2 metros ANTU do complexo VLT do ESO fotografou os “Pilares da Criação” e suas redondezas nos espectro próximo do infravermelho usando o dispositivo ISAAC. Esta técnica permitiu aos astrônomos penetrar dentro da poeira na busca por estrelas recém-nascidas. A pesquisa dentro dos EGGs (glóbulos gasosos em evaporação), anteriormente detectadas na imagens do Hubble, necessitou da capacidade de infravermelho e resolução do VLT para “ver através” das camadas de poeira e detectar estrelas jovens encapsuladas (dentro de casulos) que residem nas conchas de EGG. Os resultados apontaram que 11 dos 73 EGGs possivelmente contêm estrelas recém-formadas. Créditos: VLT/ISAAC/McCaughrean & Andersen/AIP/ESO

Em 2001, as imagens no infravermelho próximo do Very Large Telescope mostravam que apenas uma minoria dos EGGs poderiam conter estrelas bebés.

No entanto, a imagem do Herschel torna possível pesquisar estrelas jovens numa região muito mais vasta, contribuindo para uma compreensão mais vasta das forças criativas e destrutivas no interior da Nebulosa da Águia.

Infravermelho distante do Herschel: Esta imagem gerada pelo Herschel da M16 foi colorizada em azul (70 mícron) e verde (160 mícron) usando o PACS (Photodetector Array Camera) e em vermelho (250 mícron) usando o SPIRE (Spectral and Photometric Imaging Receiver). Aqui vemos a emissão de calor da fria nebulosa de gás e poeira, inédita até agora. Cada cor mostra uma diferente temperatura da poeira cósmica, desde 10K (10 graus acima do zero absoluto) em vermelho, até 40K em azul. Em infravermelho extremo a nebulosa mostra sua natureza intrincada com vastas cavidades em volta dos famosos pilares, tomando uma forma etérea fantasmal. O gás e a poeira constituem a matéria prima par a formação estelar em andamento nas entranhas desta enigmática nebulosa. Créditos: ESA/Herschel/PACS/SPIRE/Hill, Motte, HOBYS Key Programme Consortium

As primeiras imagens de infravermelho médio, do Observatório Espacial de Infravermelhos da ESA, e do Spitzer, da NASA, e os novos dados do XMM-Newton levaram os astrônomos a suspeitar que uma das quentes e compactas estrelas na NGC 6611 pode  já ter explodido, tornando-se numa supernova há seis mil anos, emitindo uma onda de choque que destruiu os pilares. No entanto, devido à distância a que estamos da Nebulosa da Águia (6.500 anos-luz), só poderemos ver esta explosão dentro de algumas  centenas de anos.

Imagem dos ‘Pilares da Criação’, captada pelo ISO, no infravermelho médio, na faixa dos 7 mícrons. . Até 1998 o ISO (Infrared Space Observatory) da ESA era o telescópio de infravermelho mais sensível. Créditos: ESA/ISO/Pilbratt et al.

Poderosos telescópios baseados em terra continuam a fornecer imagens impressionantes do nosso Universo, mas as imagens no infravermelho distante, infravermelho médio e no comprimento de onda dos raios-X são extremamente difíceis de obter via dispositivos terrestres, devido ao efeito de absorção da atmosfera da Terra.

Os observatórios instalados no espaço, tais como o Herschel e o XMM-Newton da ESA, têm ajudado a levantar o véu da poeira cósmica, permitindo apreciar a beleza do Universo, ao longo de todo o espectro eletromagnético, invisível aos nossos olhos.

Em regiões ativas como a Nebulosa da Águia, a combinação de todas estas observações permite aos astrônomos um melhor entendimento do complexo e ainda surpreendente ciclo de vida das estrelas.

Fonte

ESA: A new view of an icon

._._.

, , , , , , , , , , , ,

  1. #1 by Geraldo Barros on 05/04/2013 - 18:44

    Ótima postagem! Sou fascinado pelo Pilares.

  2. #2 by Natureza on 28/01/2012 - 19:51

    Que O Cosmos vos proteja a todos. – Imagens como a da Nebulosa da Águia, deixam qualquer humano rendido à sua majestosidade. Energia -Albufeira/Algarve

  3. #3 by Chico Pinto on 26/01/2012 - 13:33

    Puxa…. Não havia passado na minha mente que os “Pilares da Criação” podiam não mais existir… :-(

    Tenho sempre que lembrar que a Astronomia é uma viagem no tempo. :-)

    • #4 by ROCA on 27/01/2012 - 15:29

      Bem lembrado, Chico! Quanto olhamos para o espaço estamos olhando para o passado devido a limitação da velocidade da luz. Os astrônomos são, de fato, os arqueólogos do Cosmos.

(não será publicado)


tecavuz pornosu izle tecavuz porno zorla sikis tecavuz tecavuz pornosu turkish porno arsivi turk porno sex videolari izle sex video sexsi bayanlar klubu sexs sex hikaye erotik hikaye seks hikaye porno izle sikis izle erotik hikaye xvideos free porn video xvdieosporns porno tv kanallari izle porno tv porno tv kanallari izle porno amator porno sikisme amator porno
tecavuz pornosu izle tecavuz porno zorla sikis tecavuz tecavuz pornosu turkish porno arsivi turk porno sex videolari izle sex video sexsi bayanlar klubu sexs sex hikaye erotik hikaye seks hikaye porno izle sikis izle erotik hikaye xvideos free porn video xvdieosporns porno tv kanallari izle porno tv porno tv kanallari izle porno amator porno sikisme amator porno