«

»

jul 20

Hubble descobre que Plutão tem 4 luas!

Duas imagens com anotações do sistema Plutão obtidas pela câmera WFC3 do Observatório Espacial Hubble exibem o recém-descoberto objeto P4 dentro do círculo. A imagem à esquerda foi obtida a 28 de Junho de 2011 e a da direita em 3 de Julho de 2011. Créditos: NASA, ESA e M. Showalter (Instituto SETI)

Uma equipe de astrônomos com apoio do Telescópio Espacial Hubble encontrou a quarta lua em órbita do criogênico planeta anão Plutão. Este minúsculo satélite recém descoberto, temporariamente denominado pelo código P4, foi descoberto em trabalho do Hubble que estava procurando pela presença de supostos anéis (como aqueles que vemos nos planetas gigantes gasosos) em torno de Plutão.

Esta lua é aparentemente a menor das quatro que orbitam Plutão, com um diâmetro calculado, ainda com grande incerteza, entre  13 e 34 km. Lembramos que Caronte, a maior lua de Plutão, mede 1.043 km de diâmetro e as demais luas, Nix e Hydra, medem respectivamente, em média, cerca de  32 e 113 km (para mais detalhes sobre estas duas outras luas consulte The Discovery of Two New Satellites of Pluto).

“O fato das câmaras do Observatório Espacial Hubble terem permitido a percepção com tamanha clareza de um objeto tão minúsculo a mais de 5 bilhões de quilômetros é surpreendente”, afirmou o cientista Mark Showalter do Instituto SETI em Mountain View, Califórnia, EUA, que liderou esta campanha de observação via Hubble.

A colaboração Hubble X New Horizons

Este é o resultado de um esforço contínuo de suporte à missão New Horizons da NASA, que deverá chegar em Plutão em 2015. A missão New Horizons foi projetada para fornecer dados inéditos sobre os mundos que residem nos confins do nosso Sistema Solar. O mapa superficial de Plutão capturado via Hubble somado a descoberta de seus satélites irá contribuir decisivamente para o encontro da New Horizons com o planeta anão dentro de 4 anos.

“Esta é uma fantástica descoberta”, exclamou Alan Stern, investigador líder do programa New Horizons coordenado pelo Instituto de Pesquisa do Sudoeste em Boulder, Colorado. “Agora que conhecemos uma nova lua no sistema de Plutão poderemos planejar mais observações detalhadas durante os vôos rasantes da New Horizons no sistema Plutão”.

A lua P4 orbita entre as luas Nix e Hydra, que os astrônomos detectaram com o Hubble em 2005. Caronte foi descoberto em 1978 pela equipe do Observatório Naval do EUA e discernido oticamente através do Hubble em 1990, enxergado como um corpo apartado de Plutão.

As luas de Plutão Nix e Hubble em imagens do Hubble capturas em 2005. Crédito: NASA/ESA/Hubble

Os cientistas especulam se sistema de luas do planeta anão Plutão tenha sido originado de colisão entre Plutão e outro corpo celeste nos primórdios da formação do Sistema Solar (em cenário similar ao da formação da nossa Lua). O material expelido pela colisão se agregou por acresção na peculiar família de satélites agora observados em torno de Plutão.

Outro ‘splash’ em Plutão?

As rochas lunares trazidas para a Terra pelas missões Apollo comprovaram a teoria de que a nossa Lua foi originada de uma colisão semelhante (o ‘Big Splash’) entre a Terra e um corpo com o tamanho de Marte, o mundo errante chamado Theia, há 4,4 bilhões de anos. Os cientistas estimam que o material expelido das luas de Plutão por impactos de micrometeoros possa ter formado anéis em torno do planeta anão, mas as fotografias do Hubble ainda não detectaram nada até hoje.

“Esta inédita observação é um forte atestado da capacidade e poder do Hubble como um observatório astronômico multivalente, capaz de realizar observações espantosas e inesperadas”, destacou Jon Morse, diretor da divisão de astrofísica no escritório central da NASA em Washington.

A lua P4 foi flagrada pela primeira vez em foto capturada pela câmara WFC3 do Hubble no dia 28 de Junho de 2011. A sua presença foi ratificada em imagens subsequentes obtidas nos dias 03 e 18 de Julho de 2011. Esta lua não tinha sido observada anteriormente em fotos do Hubble porque os tempos de exposição utilizados antes foram relativamente curtos. Há outrossim a hipótese da lua já ter sido avistada em imagens de 2006, aparecendo como uma “nódoa” muito ténue, mas que na ocasião foi negligenciada pelo astrônomos por estar obscurecida.

Fontes

ESA: New Moon found at Pluto

NASA: NASA’s Hubble Discovers Another Moon Around Pluto

._._.

12 comentários

1 menção

Pular para o formulário de comentário

  1. Se não conseguem achar as duas luas de plutão, como vão achar o planeta x e Nibiru. Isso é que é cosmologia.

    1. ROCA

      Boa Rogério!

  2. Lucas

    Seus artigos presentes aqui no site são otimos . O meu site favorito de astronomia . Eu via vc no yahoo respostas e nem sabia que tambem colocava artigos em um site 🙂 , otimo trabalho .

    Uma coisa que me deixa intrigado é o fato de Plutão ter quase o tamanho da Lua e ter 4 satelites naturais , enquanto a terra só tem 1 🙁 , da uma certa inveja . kk

    1. ROCA

      A Terra já teve mais luas, mas isto é um tema que abordarei em breve, aguarde e verá.
      Obrigado pela presença aqui.

  3. Juliano

    ROCA, boa tarde.
    Tenho uma dúvida, como sempre. rs
    Como pode o Hubble enxrgar as galáxias mais antigas, á cerca de 12 bilhões de anos-luz de distância e não enxergar uma lua “ali” em Plutão???
    Outra coisa, você tem conhecimento sobre um novo projeto de telescópio a ser instalado no Chile, o E-ELT?

    Até mais, grande abraço!

  4. Juliano

    ROCA, boa tarde.
    Tenho uma dúvida, como sempre. rs
    Como pode o Hubble enxrgar as galáxias mais antigas, á cerca de 12 bilhões de anos-luz de distância e não enxergar uma lua “ali” em Plutão???
    Outra coisa, você tem conhecimento sobre um novo projeto de telescópio a ser instalado no Chile, o E-ELT?

    Segue o link:http://hypescience.com/chile-o-paraiso-dos-astronomos/

    Até mais, grande abraço!

  5. Miguel Jr Arts

    Além dessa agradável surpresa da detecção e confirmação dessa nova lua, teremos muito mais em 2015. Concordo que deve haver outras pequeninas luas, rochas remanescentes dos primórdios da formação do sistema solar. Pena que temos de esperar mais 4 anos. Ótimo artigo. Abraço a todos.

    1. ROCA

      Creio que Plutão tenha mais luas, menores, é claro. Talvez o Hubble não tenha resolução para distinguí-las, mas, certamente, a New Horizons irá detectá-las. Deve ter havido uma colisão formidável que gerou Caronte e a família de luas. Trata-se de um mundo tão pequeno e tão interessante, esse Plutão!

  6. Rafael

    ROCA, você está de parabéns! Por favor não pare de postar pois este é o único lugar que eu consigo encontrar informação de qualidade numa linguagem que até mesmo um leigo como eu consegue entender.

    1. ROCA

      Obrigado pelo apoio, Rafael!

  7. DarkCyborg

    Creio que esta lua deveria se chamar Perséfone ou Preserpina.

    Agora o par planetário Plutão-Caronte (tendo em base que os dois corpos fazem um planeta binário) tem 3 satélites. Lembrando que, de acordo com a classificação Geofísica, Plutão é considerado um planeta – bem como outros 28 corpos, incluindo os 8 classificados pela IAU). Acho que Plutão tem mais uma lua (chute).

    1. ROCA

      É bem possível que hajam mais mini-luas por lá. Vejamos o que a New Horizons vai descobrir em 2015!

  1. Por que Plutão não é mais um Planeta? « O Universo – Eternos Aprendizes

    […] para leitura: As estranhas manchas detectadas em Plutão pelo Hubble podem ser alcatrão e gelo Hubble descobre que Plutão tem 4 luas! 22 de junho de 1978 – A descoberta de Caronte Vamos saudar ‘Haumea’ o quinto […]

Deixe uma resposta