«

»

abr 18

Comportamento orbital de Titã pode sugerir a presença de vasto oceano sob a superfície da maior lua de Saturno?

O perfil da enigmática lua Titã aparece neste mosaico construído a partir de 2 conjuntos de 3 fotos cada (3 filtros: azul, verde e vermelho). A Cassini mostra aqui a atmosfera de Titã em destaque. As fotos foram capturadas em 12 de outubro de 2009 a uma distância de 145.000 km de Titã. Crédito: NASA/JPL/missão Cassini

O perfil da enigmática lua Titã aparece neste mosaico construído a partir de 2 conjuntos de 3 fotos cada (3 filtros: azul, verde e vermelho). A Cassini mostra aqui a atmosfera de Titã em destaque. As fotos foram capturadas em 12 de outubro de 2009 a uma distância de 145.000 km de Titã. Crédito: NASA/JPL/missão Cassini

Por sete anos a sonda Cassini tem nos enviado informações importantes de Saturno e suas luas, dados estes que mudaram drasticamente a maneira pela qual entendíamos o planeta ‘senhor dos anéis’ e seus intrigantes satélites. Titã, a maior lua de Saturno e que disputa com Ganimedes (lua de Júpiter) o título de maior lua do Sistema Solar, tem sido um alvo particular de atenção pela missão Cassini devido a sua densa e complexa atmosfera, sua atividade meteorológica e a marcante presença superficial de lagos e oceanos.

Projeção da órbita normal (azul) e do eixo de rotação sobre o plano de Laplace (preto para o caso sólido, vermelho para o modelo 1 e verde para o modelo 2) ao longo do período da precessão principal da lua de Saturno (Titã). Crédito: Observatório Real da Bélgica

No entanto, os cientistas especulam que Titã é ainda mais peculiar do que pensávamos. Há novas evidências coletadas a partir da sua órbita e rotação que indicam que Titã tem uma órbita com características similares a nossa Lua: Titã está atrelada a Saturno em rotação sincrônica e por isto apresenta sempre mesma face na direção do seu planeta hospedeiro. Além disso, Titã tem seu eixo de rotação inclinado em cerca de 0,3 graus, apenas.

Estes dados permitem aos astrônomos calcular o momento de inércia de Titã, auferindo conclusões interessantes. Os resultados sugerem que o momento de inércia de Titã apenas pode ser explicado se for um corpo mais denso em sua superfície que no seu interior!

Isto pode soar extraordinário, quase impensável quando consideramos o que conhecemos e observamos sobre a formação de planetas e satélites em nosso Sistema Solar.

Mas, surge no entanto outra explicação radical: Titã não é sólido!

Rose-Marie Baland e colegas do Observatório Real da Bélgica em Bruxelas, concluíram recentemente um estudo para determinar se um modelo líquido é compatível com o momento de inércia medido em Titã. “Assumimos a presença de um oceano de água líquida por baixo da camada de gelo e consideramos as forças gravitacionais e pressões que nascem entre as diferentes camadas do satélite de Saturno,” os cientistas explicaram.

Sua conclusão é tal que o momento de inércia de Titã pode ser bem explicado se considerarmos a presença de um vasto oceano líquido subsuperficial, tal como o que conhecemos em Europa, lua de Júpiter.

A química do oceano também é um fator relevante no cálculo da sua profundidade e da espessura da camada de gelo superficial. Baland e sua equipe sugerem que a massa líquida deve ser composta basicamente de água. Paradoxalmente, tal afirmação parece ser uma suposição desafiadora tendo em vista que a atmosfera de Titã é composta de enormes quantidade de metano e outros hidrocarbonetos.

Os astrônomos há muito sabem que o metano atmosférico é instável e é rapidamente quebrado pelos raios de luz solar. Por esta razão, o metano já deveria ter sido consumido há muito tempo lá em Titã. Este fato implica ser provável que o metano atmosférico de Titã esteja sendo reabastecido a partir de um vasto reservatório interno. Haveria um gigantesco oceano de metano interior?

As constatações sugerem que os cálculos do grupo liderado por Baland terão que ser refeitos para um oceano de hipotético interno de metano, para determinar a relação mecânica e termodinâmica entre o gelo de metano e o seu estado líquido.

Por outro lado, os cientistas lembram que há outra explicação para a anomalia do momento de inércia de Titã. Os cálculos partem da premissa que a órbita desta lua de Saturno encontra-se estável. No entanto é também possível (porém pouco provável) que a órbita de Titã esteja em mutação, talvez causada pela passagem próxima de um grande objeto errante, ou cometa ou um asteróide, por exemplo.

Por isso embora as análises de Baland e colegas sejam boas evidências de um oceano subsuperficial em Titã, as conclusões ainda devem ser testadas e confirmadas. Ainda há algumas questões desafiantes a resolver. Esperamos que tais dúvidas sejam em breve elucidadas.

Fonte

Technology Review (MIT), The Physics arXiv Blog: Like Europa, Titan May Have A Giant Subsurface Ocean [Titan’s orbit and rate of rotation indicate that a huge ocean may lie beneath its icy surface]

Artigo Científico

Titan’s Obliquity as evidence for a subsurface ocean?

._._.

7 comentários

2 menções

Pular para o formulário de comentário

  1. Juliano

    Há rumores que a China vai criar uma estação espacial também. Por que eles não se unem à NASA e exploram Titã e os outros satélites que possivelmente possam abrigar vida, ou até mesmo Marte?? Também soube que seria enviada uma sonda para explorar o suposto oceano de Titã, como o Miguel falou, mas antes é necessário um detalhado estudo para saber a profundidade do gelo da superfície, que não é pouco (antes do submarino, deveria ser enviado, no mínimo uma broca gigante!).

    1. ROCA

      Boa pergunta e infelizmente não concebo a resposta. Há interesses diversos, comerciais e/ou políticos que transcendem a lógica e talvez impeçam este tipo de colaboração multinacional. Sabemos que projetos multi-nação pulverizam os custos e riscos e beneficiam uma gama maior de cientistas, mas por outro lado, são mais complexos para gerir.

  2. Almir

    A presença de um oceano no subsolo de Titã não é novidade. Já faz tempo que se especula a presença de um oceano de água com amônia e inclusive a possibilidade de vida nesse ambiente.

    http://www.google.com.br/search?hl=pt-BR&biw=1003&bih=592&q=titan+life+ocean+ammonia&btnG=Pesquisar&aq=f&aqi=&aql=&oq=

    1. ROCA

      Bem postado!
      Então este é mais um passo para corroborar esta desafiadora hipótese sobre Titã. Vamos acompanhar!

  3. Thel

    Só saberemos mais com o envio de uma sonda.

  4. Miguel Jr Arts

    Ricardo, e internautas, bom dia.
    Você poderia informar quando uma sonda será enviada para titã? A informação procede de q em 2015 enviarão um robô submarino para europa? Os amigos internautas também podem intervir nos comentários. Obrigado. Abraço.

  5. Daniel Borges

    Belo artigo!
    Vamos esperar que outra sonda seja enviada para a superfície do satélite e nos mande mais informações a respeito deste intrigante satélite…

    Abraço e continue com os posts!

  1. Seth Shostak responde a questão: por que os aliens querem tanto visitar a Terra? » O Universo - Eternos Aprendizes

    […] estão dispostos em camadas que podem ter 800 km de profundidade!) e possivelmente em Titã (leia: Comportamento orbital de Titã pode sugerir a presença de vasto oceano sob a superfície da maior l…), lua de Saturno, do que aqui em todos nos mares da Terra. Ninguém vai se arrepiar se os aliens […]

  2. Seth Shostak responde a questão: por que os aliens querem tanto visitar a Terra?

    […] estão dispostos em camadas que podem ter 800 km de profundidade!) e possivelmente em Titã (leia: Comportamento orbital de Titã pode sugerir a presença de vasto oceano sob a superfície da maior l…), lua de Saturno, do que aqui em todos os mares da Terra. Ninguém vai se arrepiar se os aliens […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

error: Esse blog é protegido!