«

»

IRAS 23166+1655: Hubble revela uma notável espiral cósmica na constelação de Pegasus

A notável espiral cósmica IRAS 23166 1655 capturada pelo Hubble Crédito: ESA/NASA & R. Sahai

A notável espiral cósmica IRAS 23166 1655 capturada pelo Hubble Crédito: ESA/NASA & R. Sahai

O Observatório Espacial Hubble pertencente à associação da NASA com a ESA (Agência Espacial Européia) continua a nos surpreender.

Desta vez a sua câmera ACS (Advanced Camera for Surveys) revelou uma das mais perfeitas formas geométricas já vistas no espaço, a incomum nebulosa pré-planetária, conhecida como IRAS 23166+1655 que reside em torno da estrela LL Pegasi (também conhecida como AFGL 3068) na direção da constelação de Pegasus.

Notável padrão geométrico

Esta magnífica imagem mostra um fino padrão espiral geométrico com uma simetria espantosa em torno da estrela mãe que permanece escondida por trás da nuvem espessa de poeira cósmica. Este padrão espiral nos sugere padrões de formação periódicos e regulares para esta nebulosa planetária. O material formador da espiral se expande a uma velocidade de cerca de 50.000 km/h (~14 km/s). Os astrônomos calculam que as conchas estejam separadas por cerca de 800 anos, quando mediram as distâncias entre as camadas, comparando com esta velocidade de dispersão.

Este padrão de espiral sugere que a LL Pegasi seja um sistema binário, onde a estrela que está perdendo material  é acompanhada por outra. Estima-se que o espaço entre as camadas da espiral se associa diretamente ao período orbital da dupla de estrelas, que também foi calculado em 800 anos.

Nebulosa Planetária

A formação de nebulosas planetárias tem sido uma área intrigante da evolução estelar. Estes objetos são originados pelas estrelas agonizantes com massas que variam de aproximadamente 0,5 M☼ até 8 M☼. Estas estrelas não têm massa suficiente para explodirem como supernovas ao final de seus ciclos de vida. Ao invés de produzirem um evento cataclísmico, um fim mais brando as aguarda à medida que as suas camadas exteriores de gás são expulsas para o espaço, criando estruturas filamentares espetaculares, tão delicadas e belas que os apreciadores normalmente as associam a pinturas cósmicas. Os cálculos sugerem que IRAS 23166+1655 está apenas iniciando este processo. Acredita-se que a estrela central irá em breve emergir do casulo de poeira envolvente que a mantém escondida.

Fontes

  1. Universe Today: Hubble Spies an Amazing Cosmic Spiral
  2. A Binary-Induced Pinwheel Outflow from the Extreme Carbon Star, AFGL 3068
  3. ESA/Hubble: An extraordinary celestial espiral

2 comentários

  1. ivan

    ótimo

  2. André

    Magnífico!

Deixe uma resposta