«

»

set 03

A Pequena Nuvem de Magalhães pela lente de Bogdan Jarzyna

A Pequena Nuvem de Magalhães capturada por Bogdan Jazyna©

A Pequena Nuvem de Magalhães capturada por Bogdan Jazyna©

O intrépido navegador português Fernão de Magalhães e sua tripulação tiveram bastante tempo para estudar o céu do hemisfério sul durante a primeira viagem de circunavegação da Terra.

Trajeto da volta ao mundo realizada pela expedição chefiada pelo navegador Fernão de Magalhães

Trajeto da volta ao mundo realizada pela expedição chefiada pelo navegador Fernão de Magalhães

A galáxia anã Pequena Nuvem de Magalhães

Entre suas observações celestiais destacam-se duas maravilhas facilmente discerníveis para os observadores meridionais: os objetos denominados Nuvens de Magalhães. Séculos se passaram até os astrônomos concluírem que estas duas nuvens cósmicas são na realidade um par de galáxias anãs irregulares, satélites da nossa grande galáxia espiral, a Via Láctea.

De fato, a Pequena Nuvem de Magalhães, tem um diâmetro de cerca de 15.000 anos-luz e contém várias centenas de milhões de estrelas. Esta galáxia anã reside cerca de 210.000 anos-luz de distância da Terra, na constelação do Tucano.

Das galáxias satélites conhecidas da Via Láctea a Pequena Nuvem de Magalhães é a mais distante de nós, pertencente ao grupo que inclui as mini galáxias Canis Major (Cão Maior) e Sagittarius (Sagitário), além da Grande Nuvem de Magalhães.

Esta imagem nítida nos também mostra dois aglomerados globulares em primeiro plano, o NGC 362 (bem embaixo e à direita) e o 47 Tucanae.

O notável aglomerado 47 Tucanae fica tão somente a 13.000 anos-luz de distância, visível aqui à esquerda da Pequena Nuvem de Magalhães.

47 Tucanae por Davis

47 Tucanae flagrado por Thomas V. Davis ©

O aglomerado globular de estrelas 47 Tucanae

Um entre os mais de 200 aglomerados estelares globulares que orbitam nossa galáxia, a Via Láctra, 47 Tucanae é o segundo mais brilhante (fica atrás somente do Omega Centauri).

Também conhecido como NGC 104, este denso aglomerado globular consiste de vários milhões de estrelas empacotadas em um reduzido volume de apenas 120 anos luz de diâmetro.

As estrelas gigantes vermelhas são particularmente fáceis de se ver nesta imagem cósmica. Este aglomerado globular hospeda exóticos sistemas estelares de binárias de raios-X, pares de objetos estrelares onde uma deles é uma estrela convencional e o outro uma estrela de nêutrons.

Fontes

APOD

._._.

2 menções

  1. NGC 346: Berçário estelar na Pequena Nuvem de Magalhães espelha o Cosmos primordial « O Universo – Eternos Aprendizes

    […] se formaram? A nebulosa NGC 346 é região de formação estelar dentro da galáxia vizinha Pequena Nuvem de Magalhães. Esta nebulosa se estende por 200 anos-luz, nesta bela imagem capturada pelo observatório espacial […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

error: Esse blog é protegido!