«

»

jun 19

Pan-STARRS: o poderoso caçador de asteróides, cometas, supernovas e objetos variáveis está em operação

Os asteróides que cruzam a órbita da Terra, como este mostrado na concepção artística, ameaçam impactar nosso planeta. Agora, o observatório Pan-STARRS vem fortalecer nossa primeira linha de defesa planetária, levantando imensas áreas do céu noturnamente à procura de objetos em movimento. Crédito: David A. Aguilar/CfA

Os asteróides que cruzam a órbita da Terra, como este mostrado na concepção artística, ameaçam impactar nosso planeta. Agora, o observatório Pan-STARRS vem fortalecer nossa primeira linha de defesa planetária, levantando imensas áreas do céu noturnamente à procura de objetos em movimento. Crédito: David A. Aguilar/CfA

O telescópio PS1 do programa Pan-STARRS entrou em operação em junho de 2010, após 6 meses de extensivos testes, e está mapeando grandes porções do céu noturno, tornando-se um detetive eficiente para descobrir novos asteróides, cometas, supernovas e outros objetos variáveis.

Em 16 de junho de 2010 os astrônomos anunciararam que o primeiro dos telescópios do programa Panoramic Survey Telescope & Rapid Response System (Pan-STARRS) o PS1, está plenamente operacional. Este recurso inovador reforçará a primeira linha de defesa da Terra contra objetos perigosos através da procura de asteróides e cometas “assassinos”. PS1 irá mapear grandes porções do céu noturno, tornando-se um detetive eficiente não apenas para encontrar asteróides e cometas desconhecidos, mas também como um eficiente dispositivo rastreador de supernovas e outros objetos variáveis.

pan-starrs_color_logo

“Pan-STARRS é uma máquina para todos os fins”, afirmou Edo Berger do Harvard Smithsonian Center for Astrophysics em Cambridge, Massachusetts. “Termos um telescópio dedicado para levantar repetidamente grandes áreas do céu abre um leque de novas oportunidades.”

“O PS1 havia capturado informações científicas de alta qualidade ao longo de seis meses, mas agora estamos fazendo ele operar desde o anoitecer até o amanhecer, todas as noites”, disse Nick Kaiser, da Universidade do Havaí Instituto de Astronomia (IFA).

Domo 1 do Pan-STARRS em Haleakala no Havaí

Domo 1 do Pan-STARRS em Haleakala no Havaí

O Pan-STARRS 1 irá mapear será de 1/6 do céu a cada mês. Pela análise de campo amplo, espera-se descobrir muitos objetos furtivos em movimento dentro de Sistema Solar. Observações freqüentes de acompanhamento permitirão aos astrônomos seguir esses objetos e calcular as suas órbitas, identificando assim as ameaças potenciais para a Terra. PS1 também vai flagrar muitos objetos tênues no Sistema Solar exterior que se ocultaram das pesquisas anteriores.

“PS1 vai descobrir uma variedade sem precedentes de Centauros (asteróides entre Júpiter e Netuno), objetos trans-netunianos (TNOs) e cometas. O sistema tem a capacidade de detectar corpos do tamanho de um planeta, nas bordas exteriores do nosso sistema solar”, disse Matthew Holman do Harvard-Smithsonian Center for Astrophysics em Cambridge, Massachusetts.

Pan-STARRS utiliza a maior câmera digital do mundo, um monstro de 1.400 megapixels (1,4 gigapixels). Com isso, os astrônomos podem fotografar uma área do céu, tão grande quanto 36 Luas Cheias em uma única exposição. Em comparação, uma imagem da câmera WFC3 do Telescópio Espacial Hubble cobre uma área de apenas um centésimo do tamanho da Lua cheia, embora sua resolução muito alta. Em 2008, a “Gizmo Watch” havia classificado esta sensível câmera digital do Pan-STARRS como a 18ª das 20 maravilhas da engenharia moderna. “Nós trabalhamos o mais perto possível da fronteira da tecnologia, sem seqüelas”, disse o inventor John Tonry da IFA.

Cada imagem, se impressa como uma fotografia de 300 dpi, que cobriria metade um campo de basquetebol. Além disso, o PS1 tem a capacidade de capturar uma imagem a cada 30 segundos. A quantidade de dados PS1 produz a cada noite conseguiria encher mil DVDs.

Localizado no topo do vulcão extinto Haleakala, Pan-STARRS explora a combinação única entre o soberbo local de observação e a experiência dos cientistas que o operam no Havaí. Crédito: CfA

Localizado no topo do vulcão extinto Haleakala, Pan-STARRS explora a combinação única entre o soberbo local de observação e a experiência dos cientistas que o operam no Havaí. Crédito: CfA

“Desde que o Pan-STARRS foi ligado, nós passamos a nos sentir como se estivéssemos bebendo água de uma mangueira de incêndio!”, disse Berger. Ele acrescentou que eles estão encontrando várias centenas de objetos transientes por mês, os quais teriam levado um par de anos para serem descoberto, com dispositivos anteriores.

Para saber mais sobre o programa Pan-STARRS, seus alvos e características científicas, recomendamos ler “A procura pelo planeta X vai ganhar um reforço extra do observatório Pan-STARRS”.

Fontes

CfA: Pan-STARRS Asteroid Hunter and Sky Surveyor Now Fully Operational

Astronomy.com: Pan-STARRS asteroid hunter and sky surveyor now fully operational

Universe Today: Fully Functional Pan-STARRS is now Panning for Stars, Asteroids and Comets

Science Daily: Astronomers Focus on Revealing Hidden Mysteries of the Universe

._._.

1 comentário

3 menções

  1. beto

    muito legal

  1. Astrônomos explicam o supervazio, uma gigantesca lacuna dentro do Universo » O Universo - Eternos Aprendizes

    […] os dados do Pan-STARRS1 do Havaí (PS1), um poderoso telescópio localizado em Haleakala, Maui, juntamente com os dados do […]

  2. Astrônomos explicam o supervazio, uma gigantesca lacuna dentro do Universo

    […] os dados do Pan-STARRS1 do Havaí (PS1), um poderoso telescópio localizado em Haleakala, Maui, juntamente com os dados do […]

  3. O Programa Pan-STARRS descobre asteróide potencialmente perigoso « O Universo – Eternos Aprendizes

    […] recém inaugurado sistema de rastreamento Panoramic Survey Telescope & Rapid Response System (Pan-STARRS), […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

error: Esse blog é protegido!