«

»

jun 17

NGC 253: as entranhas da galáxia explosiva do Escultor foram reveladas pela visão infravermelha do telescópio VISTA

https://cdn.eso.org/images/large/eso1025a.jpg

Imagem da NGC 253 na constelação do Escultor, situada a 13 milhões de anos-luz da Terra. Esta imagem é uma composição capturada pelo VISTA em diversas frequências do espectro infravermelho. Créditos: ESO / J. Emerson/VISTA & Cambridge Astronomical Survey Unit

O telescópio infravermelho VISTA do ESO, situado no Observatório em Cerro Paranal, Chile, capturou uma surpreendente imagem da galáxia do Escultor (NGC 253), como parte da sua primeira grande campanha. Ao varrer os céus no espectro do infravermelho, a visão do VISTA é menos prejudicada pela poeira, revelando uma pletora de estrelas vermelhas frias, assim como a barra estelar da região central desta galáxia explosiva. Assim, o VISTA contribui para demonstrar a história e o desenvolvimento da NGC 253.

A NGC 253 reside na direção da constelação do Escultor e é uma das galáxias mais brilhantes no céu. Sua luminosidade permite a observação via bons binóculos e foi descoberta por Caroline Herschel, Inglaterra, em 1783. NGC 253 é uma galáxia espiral que dista 13 milhões de anos-luz da Terra. NGC 253 é o componente mais notável do pequeno agrupamento de galáxias conhecido como o Grupo do Escultor, um dos aglomerados galácticos mais próximos do nosso Grupo Local de Galáxias. Parte do seu destaque na radiação visível deve-se ao fato de ser uma starburst galaxy (galáxia com formação estelar explosiva), o que implica que se encontra a formar estrelas muito rapidamente. Além disto, a NGC 253 é preenchida por muita poeira, a qual obscurece a sua visualização via telescópios óticos (Eso0902 – Frantic activity revealed in dusty stellar factories). Sob nosso ponto de vista, a galáxia encontra-se de tal modo disposta no céu que os braços em espiral são facilmente visíveis nas zonas periféricas e observamos claramente o seu núcleo brilhante no centro.

O painel acima compara a imagem do VISTA (acima) no infravermelho com a foto no espectro visível obtida com o telescópio ótico de 2,2 em La Silla. Crédito: ESO/J. Emerson/VISTA & Cambridge Astronomical Survey Unit

O painel acima compara a imagem do VISTA (acima) no infravermelho com a foto no espectro visível, repletas de poeira, obtida com o telescópio ótico de 2,2 em La Silla. Crédito: ESO/J. Emerson/VISTA & Cambridge Astronomical Survey Unit

O observatório VISTA (Visible and Infrared Survey Telescope for Astronomy), é a última novidade do Observatório do Paranal do ESO, no deserto chileno ultra seco do Atacama. VISTA é o maior telescópio terrestre de rastreio. Inaugurado no final de 2009 (leia: VISTA: telescópio pioneiro de rastreamento mostra os primeiros resultados), o telescópio fez dois estudos detalhados de pequenas regiões do céu, antes de iniciar um programa de rastreamentos mais amplo. Em um destes “mini rastreamentos” foi feito um estudo detalhado da NGC 253 e da sua vizinhança.

Uma vez que o observatório VISTA atua no espectro do infravermelho, isto torna possível olhar através da poeira cósmica da NGC 253, algo que atrapalha a observação da Galáxia do Escultor quando focada na radiação visível dos telescópios tradicionais. Além disso, com o VISTA podem agora ser mapeadas uma diversidade de estrelas frias, dificilmente detectáveis via telescópios óticos. Assim, o VISTA atua desvendando parte do que estava escondido pelas espessas nebulosas de pó dispostas na região central do bojo galáctico e permite uma visualização bem nítida da sua barra central de estrelas que se estende pelo núcleo galáctico, barra esta que não se observava nas imagens obtidas no espectro luminoso visível.

As excelentes condições climáticas de observação que o VISTA partilha com o Very Large Telescope do ESO (VLT), situado em Cerro Paranal, em pico adjacente ao em que foi instalado o VISTA, permitem ao observatório obter imagens excepcionalmente nítidas para um equipamento que se encontra instalado no solo terrestre.

Através do VISTA os astrônomos pretendem descobrir alguns dos mistérios da Galáxia do Escultor. Agora estão analisando inúmeras estrelas gigantes vermelhas frias situadas no halo que envolve a galáxia. A composição de algumas das pequenas galáxias anãs satélites da NGC 253 também estão em estudo, ao mesmo tempo em que se procuram novos objetos não descobertos, tais como aglomerados globulares e galáxias anãs ultra-compactas, os quais seriam invisíveis se não fossem as imagens infravermelhas do telescópio VISTA. Os astrônomos pretendem utilizar os dados inéditos coletados pelo VISTA para mapear o modo como a galáxia NGC 253 surgiu e como se desenvolveu.

A câmera gigante (3 toneladas) do VISTA pendurada durante a manutenção que o espelho principal do telescópio sofreu em setembro de 2009. Crédito:ESO/G. Hüdepohl

A câmera gigante (3 toneladas) do VISTA pendurada durante a manutenção que o espelho principal do telescópio sofreu em setembro de 2009. Crédito:ESO/G. Hüdepohl

Fontes

ESO:

VISTA: telescópio pioneiro de rastreamento mostra os primeiros resultados

._._.

1 menção

  1. A poeirenta galáxia NGC 253 por Dietmar Hager e Eric Benson » O Universo - Eternos Aprendizes

    […] Dollar Galaxy), devido a sua aparência na visão de pequenos telescópios ou também coo a “Galáxia do Escultor”, justamente por residir na direção da borda da constelação do […]

Deixe uma resposta

error: Esse blog é protegido!