«

»

mar 23

Conjecturas sobre o Sistema Solar: Onde está o verdadeiro Planeta X? Onde está Nêmesis?

Seria Nêmesis uma anã marrom distante que periodicamente agita a nuvem de Oort, desviando cometas na direção do Sistema Solar Interior a cada 26 milhões de anos?

Seria Nêmesis uma anã marrom distante que periodicamente agita a nuvem de Oort, desviando cometas na direção do Sistema Solar Interior a cada 26 milhões de anos?

Uma das coisas que precisamos aprender sobre o sistema estelar α Centauri é se Próxima Centauri está ou não gravitacionalmente ligada ao par binário α Centauri A / B. Muito depende da veracidade desta questão, pois se Próxima apenas está ‘de passagem’ pelo sistema α Centauri, então qualquer efeito perturbador que Próxima pode ter sobre um halo exterior de cometas em torno das estrelas de α Centauri seria o caso de um único tiro.

Por outro lado, se Próxima Centauri é uma parte estável de um sistema tríplice, então Próxima poderia remeter cometas carregados de compostos voláteis nos sistemas planetários que orbitam Alfa Centauri A / B. Poderia proporcionar em outras palavras, a diferença entre a presença de mundos rochosos secos ou a existência de exoplanetas com água em abundância, com tudo o que implica nas possibilidades do desenvolvimento da vida.

Nêmesis perturba a Nuvem de Oort a cada 26 milhões de anos?

Nêmesis perturba a Nuvem de Oort a cada 26 milhões de anos?

Nêmesis, a estrela da morte?

Nós temos tido este mesmo tipo de raciocínio aplicado ao nosso próprio Sistema Solar, sob a forma da ‘estrela da morte’ apelidada de “Nêmesis”. Como explica a teoria, Nêmesis poderia ser uma estrela de pequena massa, uma anã vermelha ou talvez uma anã marrom, com uma órbita bem lenta e distante do Sol, culpada de uma possível periodicidade em termos de eventos de extinção na Terra. A ‘hipótese Nêmesis’ sugere que ao perturbar as órbitas de cometas na Nuvem de Oort, tal massivo objeto poderia supostamente enviar cometas na direção do Sistema Solar Interior em um longo ciclo mortal que se repetiria a cada 26 milhões de anos.

O Telegraph é um jornal dentro de uma diversidade de interessados na mídia sobre esta história (Astrobiology Magazine é outro) que permanecem especulando sobre se existe ou não alguma evidência para a existência de Nêmesis, com a descoberta de Sedna, em 2003, cuja órbita continua a causar ondulações na comunidade das ciências planetárias.

Mike Brown (Caltech), o descobridor de Sedna, comentou sobre o assunto no Telegraph:

“Sedna é um objeto muito estranho – ele não deveria estar lá! Sedna nunca chega a ficar perto de algum dos planetas gigantes ou do Sol. Sedna está a meio caminho, lá fora, em uma órbita incrivelmente excêntrica. A única maneira de um objeto conseguir chegar a atingir uma órbita excêntrica como esta é ter sofrido gigantesco empurrão de outro objeto massivo – assim que corpo poderia estar presente lá fora para ter empurrado Sedna?” Afinal, que tipo de objeto teria causado a excentricidade orbital de Sedna?

Dimensões do Sistema Solar, passando pela órbita ultra excêntrica de 12.000 anos de Sedna até a Nuvem de Oort

Dimensões do Sistema Solar, passando pela órbita ultra excêntrica de 12.000 anos de Sedna até a Nuvem de Oort

Sedna seria mesmo um corpo em uma órbita excêntrica? Na verdade, Sedna nos surpreende e dá um novo significado a este termo astronômico, com um periélio de 76 UA e um afélio absurdo de 975 UA, que salta aos olhos no diagrama acima. Assim, Sedna leva 12.000 anos para completar um período orbital. O próprio Mike Brown disse que nas suas próprias pesquisas, ele não teria condições de descobrir algo tão distante e lento como Nêmesis deveria ser. Assim, isto deixa as perspectivas de um companheiro invisível para o Sol ainda vivas. Mas, de que tipo de companheiro nós estamos falando?

Objetos Independentes Distantes (DDOs)

Em um artigo publicado em 2006, Rodney Gomes (Observatório Nacional, no Brasil) e colegas notaram que Sedna e o objeto 2000 CR105 destacam-se entre os milhares de objetos Trans-Netunianos (TNOs), até agora descobertos, porque suas trajetórias não podem ser explicadas pela configuração planetária que conhecemos. Tanto Sedna quanto 2000 CR105 são classificados como DDOs (Distant Detached Objects), ou seja, “Objetos Independentes Distantes”. Os autores chamam-lhes “os primeiros verdadeiros objetos pertencentes a nuvem interna de Oort. Conseqüentemente, estes DDOs podem ser indícios da possível existência de um distante e massivo companheiro, um Planeta X ou talvez uma anã marrom, que os autores caracterizam estes objetos no artigo, como se segue :

Um companheiro de massa pequena (entre a massa da Terra até a massa de Netuno) poderia ter se formado dentro da região planetária e foi expulso para sua distância heliocêntrica atual por espalhamento gravitacional de Júpiter e Saturno. Tal objeto pode ter sido ejetado do Sistema Solar interno, depois de produzir a DDP [Detached Distant Population – população independente de distância], ou pode ter permanecido como o maior membro da população padrão do disco disperso. Ou seu periélio poderia ter sido estendido por perturbações causadas por passagens estrelares, que deveriam necessariamente ter passado a uma distância mais próxima do que seria razoável supor após a dispersão do berçário estelar / aglomerado onde o Sistema Solar se formou, mas não tão perto quanto necessário para dirigir perturbações estelares, produzindo  os objetos observados de um disco espalhado com alto periélio. Um objeto com a massa de Júpiter ou maior (anã marrom?) em uma órbita muito inclinada além de 5.000 UA deveria ter se formado mais provavelmente como um pequeno, companheiro distante binário como, por exemplo, pela fragmentação durante o colapso ou captura.

O WISE com seus olhos infravermelhos vai elucidar o mistério?

Agora, com o advento do telescópio WISE (Wide Field Infrared Explorer), trabalhando na busca de corpos até então obscuros, não levará muito tempo para que tenhamos novas evidências, de uma maneira ou de outra, sobre os objetos longínquos do Sistema Solar. Obviamente, a chances da existência de uma anã vermelha ainda não detectada, a 25.000 UA, lá fora, são muito baixas. Uma anã vermelha já teria sido avistada hoje em pesquisas estelares, mas uma anã marrom fria ainda pode ter se evadido da detecção.

John Matese (Universidade de Louisiana em Lafayette), um dos autores do artigo acima, tem estudado as possibilidades da existência de uma Nêmesis (anã marrom) por mais de duas décadas e agora tem optado por um objeto de cerca de três a cinco vezes a massa de Júpiter. Este massivo corpo seria o culpado pela possível ejeção de cometas da nuvem de Oort. A missão WISE necessitará de um prazo até meados de 2013, quando terá completado duas varridas completas no céu e os follow-ups telescópicos de qualquer objeto-tipo-Nemesis deverão estar concluídas.

Comparação dos tamanhos do Sol (Sun), uma estrela de baixa massa anã vermelha (Low Mass Star), uma anã marrom (Brown Dwarf), Júpiter e a Terra. Estrelas com menor massa que o Sol são menores, mais frias e muito mais tênues na luz visível. As anãs marrons têm menos de 8% da massa do Sol o que é insuficiente para sustentar a nucleossíntese, transformando hidrogênio em hélio, o processo que mantém as estrelas brilhantes. Estes globos são quase impossíveis de serem detectados na luz visível, mas se destacam nas frequências do infravermelho. As anãs marrons têm o tamanho um pouco maior que o de Júpiter mas conseguem sustentar de 13 até 80 vezes mais massa e podem possuir sistemas planetários próprios. Crédito: NASA

Comparação dos tamanhos do Sol (Sun), uma estrela de baixa massa anã vermelha (Low Mass Star), uma anã marrom (Brown Dwarf), Júpiter e a Terra. Estrelas com menor massa que o Sol são menores, mais frias e muito mais tênues na luz visível. As anãs marrons têm menos de 8% da massa do Sol o que é insuficiente para sustentar a nucleossíntese, transformando hidrogênio em hélio, o processo que mantém as estrelas brilhantes. Estes globos são quase impossíveis de serem detectados na luz visível, mas se destacam nas frequências do infravermelho. As anãs marrons têm o tamanho um pouco maior que o de Júpiter mas conseguem sustentar de 13 até 80 vezes mais massa e podem possuir sistemas planetários próprios. Crédito: NASA

Para maiores informações, consulte Gomes et al. “A Distant Planetary Mass Solar Companion May Have Produced Distant Detached Objects”, Icarus 184, No. 2 (outubro de 2006), onde os autores dizem que o objeto em questão pode ser (escolha uma das opções abaixo):

  • Um planeta com a massa da Terra em torno de 1.000 UA;
  • Um planeta tipo Netuno em 2.000 UA;
  • Um objeto da massa de Júpiter em 5.000 UA;
  • Ou, ainda, outras opções sugestivas, veja aqui.

Então, talvez nós não estejamos falando, contudo, de uma “estrela da morte”, mas talvez de um enorme Planeta X, do tipo que Percival Lowell esteve outrora tão empenhado em encontrar. Percival Lowell, graças ao incansável Clyde Tombaugh, teve de se contentar com pequeno Plutão, mas temos ainda muito o que procurar para excluir a possibilidade da existência de objetos maiores no espaço escuro além do Cinturão de Kuiper. A missão WISE deverá resolver a questão de forma conclusiva em até três anos. Isto é o que nós esperamos ansiosamente, falta pouco!

Na série “O Universo” do History Channel, a primeira parte do episódio “Mistérios Inexplicados” fala sobre a hipótese Nêmesis defendida por Richard A. Muller:

A órbita teórica de Nêmesis, segundo a hipótese de Richard A. Muller. Crédito: Space.com/Robert Roy Britt

A órbita teórica de Nêmesis, segundo a hipótese de Richard A. Muller. Crédito: Space.com/Robert Roy Britt

Fontes

Centauri Dreams: Finding the Real Planet X por Paul Gilster

Astrobiology Magazine: Getting WISE About Nemesis

Telegraph: Search on for Death Star that throws out deadly comets

Icarus: A distant planetary-mass solar companion may have produced distant detached objects por Rodney S. Gomes, John J. Matese e Jack J. Lissauer

._._.

10 comentários

4 menções

Pular para o formulário de comentário

  1. ignorante :
    Mesmo que um planeta com exatamente as mesmas características de Nibiru seja visível até mesmo a olho nu no céu, vocês continuarão a negá-lo e a dizer que se trata de “mera coicidência”. O corpo poderá corresponder em tudo à descrição de Z.S. e, ainda assim, vocês dirão que não é mesma coisa e que não tem nada a ver pois, para vocês, o mais importante é não dar o braço a torcer e nunca admitir.
    Vocês, neste quesito, em nada diferem dos religiosos.

    Vc parece fazer jus ao seu apelido…
    ROCA :
    Você aposta em algo improvável, até quando vai admitir isso? Para que esta teimosia em discodar de milhares de cientistas que passam suas vidas dedicando-se a pesquisa. Ah… você é mais inteligente que todos eles, não é?…

  2. Realmente Mt legal este artigo…mas roca, pelo o q eu entendi a comprovação de uma anã marrom fora dos limites do sistema interior poderia ser 1 justificativa para os choques de cometas e meteoros afim na história da Terra porém, a periodicidade desses eventos de massiva extinção na Terra ocorreriam devido ao lento movimento da estrela certo?
    Assim devido a quais fatores as perturbações na Nuvem de Oort -além de seu campo gravitacional- poderiam ser agregadas ao estranho corpo?

  3. ignorante

    Mesmo que um planeta com exatamente as mesmas características de Nibiru seja visível até mesmo a olho nu no céu, vocês continuarão a negá-lo e a dizer que se trata de “mera coicidência”. O corpo poderá corresponder em tudo à descrição de Z.S. e, ainda assim, vocês dirão que não é mesma coisa e que não tem nada a ver pois, para vocês, o mais importante é não dar o braço a torcer e nunca admitir.
    Vocês, neste quesito, em nada diferem dos religiosos.

    1. ROCA

      Você aposta em algo improvável, até quando vai admitir isso? Para que esta teimosia em discodar de milhares de cientistas que passam suas vidas dedicando-se a pesquisa. Ah… você é mais inteligente que todos eles, não é?…

  4. raph

    Muito legal. Todo mundo que tem medo do “planeta chupão” deveria ler mais artigos como esse 🙂

  5. Gustavo

    Interessante imaginar que pode existir um objeto de grande massa ainda não descoberto no Sistema Solar.

    Mas vou mais distante, não podem existir astros com a massa similar aos oito planetas do Sistema Solar (ou até superior a de Júpter e inferior a uma anã-marrom) que não estejam presos gravitacionalmente a uma estrela?

  6. yuri

    esse astro não vai fazer o fim do mundo em 2012 né?

    1. ROCA

      Este astro ainda não foi descoberto Yuri. Trata-se de uma conjectura a ser provada. Além disto o Planeta X, se existir está pelo menos cerca de 1.000 (MIL) VEZES mais distante do Sol que a Terra, entendeu?

  7. Devanil

    Seria bom uma nota explicando que este Planeta X não tem ligação com o de Zecharia.

    Eu não apostaria que exista uma Nêmesis que tenha interferido fortemente na história da Terra.

    Acredito que aqui fica uma dúvida legal, a influência de um planeta afeta a quantos AU de distância outros planetas?

    1. ROCA

      Devanil,

      Exato. Não consideramos mencionar este charlatão (Z.S.), pois a busca pelo Planeta X é uma atividade legítima na astronomia planetária desde 1930 com a descoberta de Plutão.

      Já abordamos o tema do Planeta X em dois artigos anteriores e nenhum momento citamos Z.S. São eles:

      http://eternosaprendizes.com/2010/01/18/a-procura-do-planeta-x-podera-um-mundo-do-tamanho-da-terra-estar-orbitando-no-sistema-solar-exterior/

      No artigo a seguir está a resposta da sua dúvida “Acredito que aqui fica uma dúvida legal, a influência de um planeta afeta a quantos AU de distância outros planetas?” Consulte a tabela do Lorenzo Iorio ao final do artigo, ok?

      http://eternosaprendizes.com/2009/03/11/a-procura-pelo-planeta-x-vai-ganhar-um-reforco-extra-do-observatorio-pan-starrs/

      A busca do Planeta X é um tema apaixonante, ainda em aberto.

      Por outro lado Z.S. é citado no artigo sobre 2012 e o Planeta X, onde desmitificamos as mentiras aventadas para o planeta inexistente Nibiru, que NÃO TEM NADA A VER com o Planeta X, aqui:

      http://eternosaprendizes.com/2009/01/18/2012-o-planeta-x-nao-e-nibiru/

  1. 2012: Não haverá Planeta X » AstroPT - Informação e Educação Científica

    […] Conjecturas sobre o Sistema Solar: Onde está o verdadeiro Planeta X? Onde está Nêmesis? […]

  2. 2012: Não haverá Planeta X « Eternos Aprendizes

    […] Conjecturas sobre o Sistema Solar: Onde está o verdadeiro Planeta X? Onde está Nêmesis? […]

  3. Blog de Astronomia do astroPT » Gliese 710 = Némesis ?

    […] cíclica, mas ninguém detectou esse objecto, daí que não passa de uma hipótese não provada. A Némesis poderá ser várias coisas, incluindo uma anã castanha, que provavelmente estará a 0,3 anos-luz de nós. O telescópio WISE […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

error: Esse blog é protegido!