«

»

mar 09

Há mais terremotos na Terra? Não! Há mais pessoas morando em áreas de alto risco!

Não, não há mais terremotos que antes, simplesmente há muito mais pessoas que moram em áreas de alto risco

O gráfico mostra as estatísticas com a freqüência de fortes terremotos e o número de mortes associado. Crédito: USGS

O gráfico mostra as estatísticas com a freqüência de fortes terremotos e o número de mortes associado. Crédito: USGS

Em 2010 o chão sacudiu no Haiti, em seguida, no Chile e depois na Turquia. Parece que os terremotos vieram cedo e forte no ano de 2010, levando as pessoas a se perguntar se algo sinistro está acontecendo debaixo de seus pés. Contudo, não é bem isto que acontece na realidade…

Embora tenhamos a impressão que mais terremotos estão ocorrendo agora, não é este realmente o caso. O problema é o que acontece acima do solo e não o que acontece embaixo, dizem os especialistas.

Cada vez mais, as pessoas se mudam para as mega-cidades que infelizmente foram construídas sobre as linhas de falha. Lá chegando, novos problemas surgem uma vez que há novos edifícios que têm sido construídos sem atender aos padrões mínimos necessários para resistir aos terremotos, dizem os cientistas.

O progresso tecnológico gera uma falsa impressão da onipresença dos terremotos

Além disso, a moderna cobertura global com 24 horas de notícias, bem como um melhor acompanhamento sísmico, devido ao progresso tecnológico, faz parecer que os terremotos estão onipresentes.

“Eu posso definitivamente afirmar que o mundo não está chegando ao fim”, disse Bob Holdsworth, especialista em placas tectônicas da Universidade de Durham, norte da Inglaterra, referindo-se ao número atual de terremotos.

Um terremoto de magnitude 7,0 no mês passado matou mais de 230.000 pessoas no Haiti. Há quase duas semanas, um sismo de magnitude 8,8 (o quinto mais forte do século desde 1900), matou mais de 900 no Chile. Agora, na segunda-feira, um abalo de magnitude 6,0, antes do amanhecer, varreu a área rural leste da Turquia, matando mais de 50 pessoas.

Usualmente, em média, há 134 sismos por ano, com uma magnitude entre 6,0 e 6,9 de acordo com o Serviço Geológico dos Estados Unidos (USGS).  Este ano, tivemos um início um pouco mais acelerado com 40 sismos dessa classe até agora (09 de março de 2010), o que representa mais do que a média habitual para este período de tempo.

Mas isso ocorreu porque o recente e poderoso terremoto de 8,8 graus no Chile gerou um grande número de réplicas, enchendo as estatísticas, disse Paul Earle,  sismólogo da USGS.

Além disso, não é apenas o número de terremotos que realmente importa, mas o impacto devastador que nos chama a atenção, com grandes fatalidades em grande parte devido às desobediência em seguir as normas de segurança na construção e a excessiva aglomeração de pessoas em áreas de alto risco, disse Earle.

Paul Earle exclamou:

O mantra que entoamos é que os terremotos não matam as pessoas, o que as mata são os edifícios.

Notamos mais mortes por terremotos na última década do que em períodos recentes anteriores, disse o geólogo Roger Bilham da Universidade do Colorado, que acaba de regressar do Haiti. Em uma coluna de opinião no mês passado na revista Nature, Bilham reivindicou a aplicação de melhores padrões de construção em megacidades em todo o mundo. Em seu estudo, realizado em 2009, as mortes por terremotos, a população, a intensidade dos terremotos e outros fatores terremoto produziram resultados alarmantes. E isto foi relatado antes Haiti, Chile e Turquia.

Bilham relatou à Associated Press na segunda-feira, 08 de março de 2010:

Nós observamos que houve quase 4 vezes mais mortes nos últimos 10 anos do que nos 10 anos anteriores. Este resultado é definitivamente assustador.

Recorde Chinês: 440.000 mortos na década de 70

Outros especialistas afirmam também que eles têm notado um aumento geral de mortes por terremotos. A Organização Mundial de Saúde relata cerca de 453 .000 mortes por terremotos na década de 2000-2009, significativamente mais do que nas duas décadas anteriores. Em contrapartida, na década de 70, um forte terremoto havia dizimado 440.000 pessoas na China (o número correto de vítimas permanece desconhecido).

Mas esses números variam contundentemente a cada ano. Os peritos em estatística alegam que a natureza de sucesso ou fracasso da quantidade de mortes por terremoto faz com que seja difícil estabelecer as reais tendências das mortes.

Uma rápida análise por dois peritos em estatística não encontrou nenhuma tendência significativa de variação na quantidade de terremotos na Terra para cima ou para baixo desde a década de 1970 devido à variabilidade. No entanto, a percepção dos especialistas em terremotos é que as mortes aumentaram pelo menos desde o início 1980 (a década de 70 foi um ‘ponto fora da curva’ devido à catástrofe chinesa, já citada).

Densidade da população faz com que terremotos mais fracos produzam mais vítimas

O terremoto no Haiti provavelmente estabeleceu um sombrio recorde moderno de mortes para sua magnitude (não tão elevada quanto ao valor da intensidade do sismo no Chile) “somente em função de uma multidão de pessoas aglomeradas em uma região que não estava preparada adequadamente para sofrer um terremoto” (!), ressaltou o geólogo da Universidade de Miami, Tim Dixon.

Especialistas em desastres dizem estar observando agora mais mortes, especialmente em terremotos que não seriam tão letais há algumas décadas. Eles apontam para dados relativos a dois tremores na Turquia e na Índia: um terremoto em Izmit em 1999 que matou 18.000 pessoas e o de 2001 em Bhuj, um desastre que matou 20.000.

Debarati Guha-Sapir, diretor de epidemiologia de desastres centro de pesquisa da OMS, afirmou:

Olhe para alguns dos últimos grandes tremores recentes. Se tivesse acontecido um terremoto como estes de Bhuj ou Izmit há 30 anos atrás, os eventos teriam sido relativamente insignificantes, dado que as populações dessas cidades [há 30 anos] eram pouco mais de um terço da que presenciou os terremotos. O aumento da densidade populacional faz com que pequenos eventos tornem-se mais importantes.

Cenário sombrio

Os especialistas em desastres e terremotos dizem que o cenário só irá piorar. Das 130 cidades no mundo com mais de 1 milhão de habitantes, mais da metade estão em locais com falhas geológicas, em regiões de alto risco, tornando-as mais propensas a terremotos, lembrou Bilham. Ele completou:

Eu calculei que atualmente mais de 400 milhões de pessoas correm riscos somente por causa disto.

As nações em desenvolvimento, onde há uma explosão demográfica, não tem prestado atenção nos preparativos contra terremotos, comentou Bilham. “Se você tem graves problemas para se alimentar, você não vai efetivamente se preocupar com terremotos.”

Ele disse que quando foi ao Haiti após o terremoto de janeiro de 2010, tinha esperança de que a construção seria a prova de terremotos, pois isto já havia sido enfatizado. Em vez disso, as pessoas tiveram suas casas reconstruídas de forma insegura.

Outra razão que os terremotos parecem piores é que eles atualmente chamam mais atenção da humanidade. O fenômeno do Haiti foi rapidamente seguido pelo tremor de escala 8,8 no Chile que captou a atenção de todos.

Mas isto não vai durar muito tempo, disse o pesquisador Dennis Mileti, ex-comissário para a segurança sísmica do Estado da Califórnia.

Mileti afirmou:

As pessoas prestam muita atenção ao mundo violento em que sempre temos vivido. Se aguardarmos por mais seis meses e não ocorrerem novos terremotos [com vítimas], a maioria das pessoas irá esquecer estes eventos do início de 2010.

Para saber sobre os últimos terremotos no mundo, acompanhe no Painel Global.

Fontes e referências

Physorg.com: Not more quakes, just more people in quake zones

Ciência Hoje: Actividade sísmica que abala o Mundo é ‘coincidência’

._._.

4 comentários

1 menção

Pular para o formulário de comentário

  1. 7 Biliões de humanos, é muito humano. Se adicionarmos as restantes espécies. Porém, também o Cosmos é adaptável, evolui. Nada se perde, tudo se renova. Cabe a cada um de nós, aceitar as Leis da Natureza, seja pelos terramotos, tsunamis, vulcões. Ela é a Mãe, Mãe-Natureza 🙂

  2. Claudia

    Oi!!

    Estes sismos nada têm haver com a inversão magnética da terra correcto?

  3. Mirian Martin

    A Terra está se sacudindo, como um cão, para tirar as pulguinhas extras de cima. Fora isso, vez ou outra resolve tomar banhos demorados e usar secadores violentos para completar a limpeza.
    A Dona Terra anda preocupada com a sua beleza, não? 😉

    Quando morei em Blumenau-SC o que mais me impressionava era a tendência humana de procurar lugares perigosos para morar, principalmente sabendo o risco da repetição da catástrofe – ali, enchentes. A resposta que se dava: morar onde? é o que temos.

    Até o dia que os morros se “derreteram” e levou junto o que tinha pela frente. Daí eles tiveram que sair de lá e procurar outro lugar mais seguro.

    Beijos! 🙂

  4. Natalia

    ótimo post, adorei.
    Bom pra esclarecer e acalmar as pessoas que se assustam com esse tipo de tragédia (como eu… rsrs), e para desmentir as historinhas que os apocalipticos adoram criar!

  1. Blog de Astronomia do astroPT » Há mais terremotos na Terra? Não! Há mais pessoas morando em áreas de alto risco!

    […] Embora tenhamos a impressão que mais terremotos estão ocorrendo agora, não é este realmente o caso. O problema é o que acontece acima do solo e não o que acontece embaixo, dizem os especialistas. […]

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

error: Esse blog é protegido!