«

»

fev 14

WISE revela seu primeiro cometa: o “P/2010 B2 (WISE)”

A mancha avermelhada no centro desta imagem é a imagem do primeiro cometa descoberto pelo observatório espacial WISE da NASA. Crédito: NASA/JPL-Caltech/UCLA

A mancha avermelhada no centro desta imagem é a imagem do primeiro cometa descoberto pelo observatório espacial WISE da NASA. Crédito: NASA/JPL-Caltech/UCLA

Há alguns dias o observatório WISE descobriu seu primeiro asteróide, o 2010 AB78. Agora, o time do WISE (Wide-field Infrared Survey Explorer) da NASA informou sobre a descoberta de seu primeiro cometa, um dos muitos cometas que esta missão promete encontrar, além de milhões de outros objetos celestes, durante sua pesquisa de todo-o-céu no espectro do infravermelho.

“Cometa WISE”

O cometa recebeu o nome oficial de “P/2010 B2 (WISE)” e ficou simplesmente conhecido apenas com o apelido de “WISE”. Trata-se de uma bola de gelo com mais de 2 km em diâmetro. Provavelmente ele se formou nos primórdios do Sistema Solar, há pouco mais 4,5 bilhões de anos. O “cometa WISE” surgiu nos longínquos confins gelados do Sistema Solar. No entanto, após uma longa história de interação com as forças gravitacionais de Júpiter, ele se estabeleceu em uma órbita bem mais próxima do Sol. Atualmente, o cometa está se afastando do Sol, a cerca de 175 milhões de quilômetros (1,1 UA) de distância do nosso planeta – uma UA, unidade astronômica, é a distância entre a Terra e o Sol.

Amy Mainzer [1] do Jet Propulsion Laboratory em Pasadena, Califórnia, comentou: “Os cometas são antigos reservatórios de água. São alguns dos poucos lugares além da Terra no Sistema Solar interior onde se sabe que existe água”. Amy Mainzer [1] é a pesquisadora líder do NEOWISE (o acrônimo combina WISE com NEO e NEO significa “Near-Earth Object”, ‘objeto próximo da Terra’), um programa que visa descobrir e catalogar os novos asteróides e cometas avistados pelo telescópio WISE.

Agora, “com o WISE, nós temos uma poderosa ferramenta para achar novos cometas e aprender mais sobre esta população como um todo. A água é necessária para a vida como a conhecemos e os cometas poderão nos dizer quanta água existe em nosso Sistema Solar”, disse Amy Mainzer.

Esperamos que o telescópio WISE, lançado em uma órbita polar em torno da Terra desde 14 de Dezembro de 2009, descubra dúzias de cometas desconhecidos, além de centenas de milhares de novos asteróides. Os cometas são mais difíceis de descobrir do que os asteróides porque sua presença é rara no Sistema Solar interior. Enquanto os asteróides em geral viajam no Cinturão de Asteróides, entre as órbitas de Marte e Júpiter, a maioria dos cometas orbita muito mais longe, nos recantos mais gelados do nosso Sistema Solar.

Eventualmente, tanto os asteróides como os cometas podem decair em órbitas inferiores que os aproximam do percurso da Terra em torno do Sol. A maioria destes objetos próximos da Terra (os NEOs) são asteróides, mas alguns são cometas. Esperamos que o observatório espacial WISE identifique novos cometas vizinhos para nos dar uma melhor idéia de quão perigosos este objetos podem ser para a Terra.

“É bastante improvável que um cometa atinja a Terra [nos próximos anos]”, realça James Bauer, cientista do JPL que trabalho no projeto WISE, “Mas, na rara hipótese que isto aconteça, tal pode ser extremamente perigoso. As novas descobertas do WISE vão nos fornecer estatísticas mais precisas sobre a probabilidade deste evento ocorrer bem como a força associada a um impacto”.

Esforço conjunto de colaboração: profissionais e amadores

O telescópio espacial WISE avistou este novo cometa durante o seu estudo rotineiro de todo-o-céu em 22 de janeiro de 2010. O seu software ‘estado-da-arte’ pinçou o cometa de uma torrente de imagens capturadas do céu ao observar objetos que se movem relativamente às estrelas de fundo. Após o anúncio do ‘cometa-suspeito’, foi realizado um esforço combinado de astrônomos profissionais e amadores que confirmou a descoberta.

Todos os dados são catalogados no MPC (Centro de Planetas Menores), em Cambridge, Massachusetts, o “escritório” global para todas as observações e órbitas de planetas menores e cometas.

Um professor também liderou um time para observar e medir o cometa WISE usando um telescopio amador, em Illinois, EUA. Sua pesquisa faz parte do programa educacional International Astronomical Search Collaboration, que ajuda a professores e estudantes na observação de cometas e asteróides (http://iasc.hsutx.edu/).

O cometa WISE demora 4,7 anos a orbitar o Sol, estando o seu afélio a cerca de 4 UA de distância, e o seu periélio a 1,6 UA (perto da órbita de Marte). O calor do Sol faz com que gases e detritos sejam expelidos pelo cometa, resultando na formação de uma cabeleira e uma cauda.

‘Cometas mortos’ são alvos dos olhos infravermelhos do WISE

Embora este objeto em particular esteja a ejetar material de forma ativa, o programa WISE também será capaz de descobrir cometas obscuros, inativos, ou seja, ‘cometas mortos’. Quando um cometa orbita diversas vezes o Sol, seus componentes gelados sofrem violenta erosão, deixando apenas um núcleo remanescente escuro e rochoso. Não se conhece muito sobre estes objetos porque são difíceis de observar via telescópios óticos. Entretanto, o olho infravermelho do WISE deverá ser capaz de observar o tênue brilho de alguns destes cometas obscuros, respondendo a questões sobre exatamente onde e como eles se formam.

“Os cometas mortos podem ser mais escuros que o carvão,” afirmou Amy Mainzer. “Mas, no infravermelho, eles irão saltar à nossa vista. Uma questão que esperamos resolver com o WISE é saber qual a quantidade de cometas mortos compõe a população de NEOs.”

A missão passará os próximos oito meses a mapeando o céu uma vez e meia. A primeira parte dos seus dados estará disponível para o público no primeiro semestre de 2011 e o catálogo final um ano depois. Imagens e descobertas interessantes serão selecionadas e anunciadas ao longo da missão.

Amy Mainzer em uma de suas oportunas apresentações na série “O Universo” do canal History.

Amy Mainzer em uma de suas oportunas apresentações na série “O Universo” do canal History.

Amy Mainzer

[1] Amy Mainzer é uma excelente comunicadora e tem aparecido com frequência na série Universo no History Channel. Seu trabalho no JPL pode ser acompanhado no seu blog.

No vídeo abaixo Amy Mainzer fala sobre o programa WISE que ela coordena:

Fontes e referências

Universe Today: WISE Spies Its First Comet

NASA WISE mission: WISE Spies a Comet with its Powerful Infrared Eye

ARO: Astronomical Research Observatory and Killer Asteroid Project

Space.com: Comet Discovered by New NASA Observatory

JPL: WISE Spies a Comet with its Powerful Infrared Eye

WISE Multimedia Gallery: First Comet

._._.

1 menção

  1. Missão WISE revela suas primeiras imagens de sua pesquisa de todo-o-céu « Eternos Aprendizes

    […] de 2010 o WISE descobriu seu primeiro asteróide (2010 AB78) perto da Terra e em 22 de janeiro revelou seu primeiro cometa (P/2010 B2 WISE). A missão vai varrer todo o céu uma vez e meia até outubro de 2010, quando a missão estará […]

Deixe uma resposta