«

»

Missão Cassini ganha verbas adicionais e tem seu prazo estendido até 2017

A câmera grande angular da sonda Cassini capturou 75 exposições em série para fazer este mosaico de Saturno, dos anéis, e algumas das suas luas, 36 horas depois do equinócio de Saturno, quando o disco solar estava exatamente por cima do equador do planeta e a 20 graus acima do plano dos anéis. Crédito: NASA/JPL/Space Science Institute

A câmera grande angular da sonda Cassini capturou 75 exposições em série para fazer este mosaico de Saturno, dos anéis, e algumas das suas luas, 36 horas depois do equinócio de Saturno, quando o disco solar estava exatamente por cima do equador do planeta e a 20 graus acima do plano dos anéis. Crédito: NASA/JPL/Space Science Institute

A NASA prolongou a missão internacional Cassini-Huygens, a Saturno e às suas luas, até 2017. O orçamento de 2011 da agência espacial prevê um aditivo de 60 milhões de dólares por ano para o estudo continuado do planeta “Senhor dos Anéis”.

“Esta é uma missão que continuamente fornece resultados científicos surpreendentes e imagens de cortar a respiração”, afirmou Jim Green, diretor da divisão de ciência planetária na sede da NASA em Washington. “As históricas descobertas e espetaculares imagens deste viajante espacial têm revolucionado nosso conhecimento de Saturno e das suas luas.”

http://photojournal.jpl.nasa.gov/catalog/PIA10494

Cassini capturou em 17 de julho de 2007 esta imagem da congelada lua Réia em trânsito logo abaixo do plano do disco dos anéis de Saturno. Réia é a segunda lua em tamanho de Saturno com 1.528 km de diâmetro. Crédito: NASA/missão Cassini

Uma missão de extraordinário sucesso

A sonda robótica Cassini foi lançada ao espaço em outubro de 1997, em conjunto com a sonda Huygens da ESA. Chegaram a Saturno em 2004. A Huygens estava equipada com seis instrumentos para estudar Titã, a maior lua de Saturno, onde pousou. Os 12 instrumentos da Cassini há já quase seis anos que enviam dados diários do sistema de Saturno. O projeto tinha seu final planejado para 2008, mas, devido ao seu sucesso, a missão havia recebido um prolongamento de 27 meses, até setembro de 2010.

http://ciclops.org/view/5582/Across_Resplendent_Rings

Em 8 de abril de 2009, Cassini fotografou a sombra da lua Mimas sobre os anéis nesta imagem em cor natural. Neste cenário, a posição do Sol em relação a Saturno permitia a visão das sombras das luas que orbitam próximas do plano do discos anelares. Estas cenas somente são possíveis nos meses antes e depois do equinócio de Saturno, evento que ocorre a cada 15 anos terestres (agosto de 2009) . Mimas (396 km de diâmetro) não aparece nesta imagem. Crédito: NASA/JPL/missão Cassini

“A extensão fornece uma oportunidade única para seguir as mudanças sazonais de um planeta do sistema solar exterior, desde seu inverno até o verão,” afirmou Bob Pappalardo, cientista do projeto Cassini no JPL da NASA em Pasadena, Califórnia. Porém, “algumas das descobertas mais intrigantes da Cassini ainda estão para vir”.

http://photojournal.jpl.nasa.gov/catalog/PIA12518

Epimetheus desenha uma sombra sobre os anéis de Saturno. Cassini capturou essa imagem em 8 de junho de 2009, antes do equinócio de Saturno, agosto de 2009. A pequena lua Epimetheus tem 113 km de diâmetro e aparece como um pequeno ponto no centro da parte inferior da imagem. Crédito: NASA/JPL/missão Cassini

O programa foi prorrogado pela segunda vez

Esta segunda extensão do programa, denominada Missão Solstício da Cassini, permitirá aos cientistas estudar as mudanças sazonais e a longo-prazo do planeta e das suas luas. A Cassini chegou a Saturno pouco depois do solstício de Inverno no hemisfério norte de Saturno, e esta extensão continua até poucos meses depois do solstício de Verão no mesmo hemisfério, em maio de 2017. O solstício de verão no hemisfério norte de Saturno marca o início dessa estação e o começo do inverno no hemisfério sul.

Um período sazonal completo de Saturno nunca tinha sido estudado neste nível de detalhe. O calendário da missão requer 155 órbitas adicionais em torno do planeta, 54 vôos rasantes por Titã e 11 fly-bys pela lua criogênica Enceladus.

http://photojournal.jpl.nasa.gov/catalog/PIA12320

O perfil da enigmática lua Titã aparece neste mosaico construído a partir de 2 conjuntos de 3 fotos cada (3 filtros: azul, verde e vermelho). A Cassini mostra aqui a atmosfera de Titã em destaque. As fotos foram capturadas em 12 de outubro de 2009 a uma distância de 145.000 km de Titã. Crédito: NASA/JPL/missão Cassini

O prolongamento da missão também permitirá aos cientistas continuar as observações dos anéis de Saturno e da bolha magnética em torno do planeta conhecida como magnetosfera. A sonda fará mergulhos repetidos entre Saturno e os seus anéis para obter um conhecimento íntimo do gigante gasoso. Durante estes mergulhos, a Cassini irá estudar a estrutura interna de Saturno, as suas flutuações magnéticas e a massa anular.

A missão será avaliada periodicamente para garantir que a sonda tem a capacidade de altingir os novos objetivos científicos planejados para a segunda extensão do programa Cassini.

http://ciclops.org/view/6028/Global_View_of_Iapetus_Dichotomy?js=1

Cassini mostra as duas faces da incomum lua Japeto (Iapetus). Crédito: NASA/JPL/missão Cassini

“A espaçonave tem estado em perfeita operação, tolerando os efeitos esperados da sua idade e após ter ultrapassado os 4,1 bilhões de quilômetros no seu odômetro,” afirmou Bob Mitchell, gestor do programa Cassini no JPL. “Esta extensão é importante porque há ainda muito a aprender acerca de Saturno. O planeta está recheado de segredos e não os revela para nós facilmente.”

O álbum de viagem da Cassini inclui mais de 210.000 imagens, informações recolhidas durante mais de 125 revoluções em torno de Saturno, 67 “flybys” por Titã e 8 por Enceladus. A Cassini revelou detalhes inesperados na assinatura dos anéis do planeta e  observações de Titã forneceram aos cientistas uma impressão de como a Terra poderia ter sido antes do desenvolvimento da vida.

http://ciclops.org/view/2519?js=1

Concepção artística mostra criovulcões de Enceladus e a Saturno visto desta misteriosa lua congelada. Crédito©: David-Kingsley Kendel

Os cientistas esperam ver respondidas as suas diversas dúvidas que surgiram no decorrer da missão, por exemplo, as razões da rotação inconsistente notada em Saturno e como é que um possível oceano sob a superfície de Enceladus alimenta os jatos de seus criovulcões.

Fontes

NASA Extends Cassini’s Tour of Saturn, Continuing International Cooperation for World Class Science

Moon, Shadow and Rings

Enigmatic Titan

._._.

2 comentários

3 menções

  1. Luiz Bonfim

    Só para conhecimentos de todos, o Planeta Saturno têm cerca de 62 luas conhecidas, mas pode haver outra luas ainda não descobertas com dimensões pequenas.
    Porque a extensão da missão só vai continuar estudar Titã e Enceladus, sendo que o sistema de saturno têm 62 luas conhecidas?

    1. ROCA

      Caro Luiz Bonfim,
      .
      Sua pergunta é interessante e vou tentar responder.
      .
      Além de Saturno e seus anéis, Titã e Enceladus, dadas suas características ímpares, são alvos majoritários da missão Cassini. As razões? Titã é a segunda maior lua do Sistema Solar e a que tem atmosfera mais densa. Trata-se de uma lua de hidrocarbonetos, um mundo similar a Terra primordial. Já Enceladus é uma mundo exótico com um oceano subsubperficial com água líquida que é expelida pelos seus criovulcões. São dois mundos extraordinários, muito mais interessantes que as demais luas de Saturno, que também são oportunamente fotografadas, mas não são objetivos os principais da missão.
      .
      Para entender mais a importância de Titã e Enceladus sugiro ler:
      .
      Cientistas de Caltech explicam a desconcertante assimetria dos lagos de Titã
      .
      O surpreendente conteúdo dos mares e lagos de Titã
      .
      Navegando nos mares alienígenas de Titã
      .
      Como Titã conseguiu sua atmosfera rica em Metano?
      .
      Enceladus: o mistério do oceano de água líquida na lua de Saturno foi resolvido?
      .
      Enceladus: 28 fotos da lua de Saturno em uma só imagem
      .
      Cassini dá um rasante em Enceladus e manda novas fotos da misteriosa lua gelada de Saturno
      .

  1. Perigosos escombros poderão trazer perigo a New Horizons quando chegar a Plutão? « O Universo – Eternos Aprendizes

    […] se tornar menos hospitaleiro que outros planetas tem sido em missões anteriores (um exemplo: em Saturno a sonda Cassini está lá desde 2004 sem quaisquer danos). Ilustração da espaçonave New Horizons próxima de Plutão. Créditos: NASA/Johns Hopkins […]

  2. Comportamento orbital de Titã pode sugerir a presença de vasto oceano sob a superfície da maior lua de Saturno? « O Universo – Eternos Aprendizes

    […] sete anos a sonda Cassini tem nos enviado informações importantes de Saturno e suas luas, dados estes que mudaram […]

  3. Qual a origem dos Anéis de Saturno? « Eternos Aprendizes

    […] A missão prolongada da Cassini até 2017 permitirá à sonda continuar a perseguir os  mistérios … Os objetivos científicos do projeto Cassini incluem um refinamento na estimativa das idades dos anéis ao examinar a velocidade de contaminação por impactos de meteoróides, uma melhor determinação da massa anular, a observação da formação de características tipo-hélice, e a descoberta de como os estreitos intervalos nos anéis ficam relativamente limpos de detritos. […]

Deixe uma resposta