«

»

jan 16

Rigel e a Nebulosa da Cabeça da Bruxa sob a lente de Rogélio Bernal Andreo

A estrela gigante azul Rigel e a Nebulosa da Cabeça da Bruxa fotografadas por Rogélio Bernal Andreo

A estrela gigante azul Rigel e a Nebulosa da Cabeça da Bruxa fotografadas por Rogélio Bernal Andreo

Esta sugestiva nebulosa de reflexão à esquerda está ligada diretamente a brilhante estrela Rigel, à direita na foto, na constelação de Órion.

Conhecida formalmente como IC 2118, a Nebulosa da Cabeça da Bruxa brilha refletindo a luz emanada pela estrela gigante azul Rigel.

Assim, é a poeira cósmica desta nebulosa peculiar que reflete a luz.

A reflexão azul da poeira cósmica

A cor azulada da Nebulosa da Bruxa e também da poeira ao redor de Rigel é causada não só pela cor azul de Rigel mas também porque os grãos de poeira reflete a luz nas freqüências do azul mais eficientemente que no espectro do vermelho. Trata-se do mesmo processo físico que causa a cor azul do céu diurno no céu da Terra, embora os compostos responsáveis pelo espalhamento na atmosfera terrestre sejam as moléculas de nitrogênio e oxigênio.

Rigel, a Nebulosa da Cabeça da Bruxa, o gás e a poeira que os envolve residem a 800 anos luz de distância da Terra.

A Nebulosa da Cabeça de Bruxa capturada pelo Star Shadows Remote Observatory (Steve Mazlin, Jack Harvey, Rick Gilbert, Teri Smoot, Daniel Verschatse)

A Nebulosa da Cabeça de Bruxa capturada pelo Star Shadows Remote Observatory (Steve Mazlin, Jack Harvey, Rick Gilbert, Teri Smoot, Daniel Verschatse)

RIGEL (β Orionis) segundo Jim Kaler:

Assim como sua rival vermelha classe M em Orion, Betelgeuse, Rigel (β Orionis) também é uma estrela super-gigante, mas completamente diferente de α Orionis. Rigel contrasta com a vermelha Betelgeuse devido a sua cor azul (na realidade um branco azulado), a cor padrão das estrelas da classe espectral B (subclasse B8).

Seu nome vem também da mesma raiz árabe que a Betelgeuse, originalmente “rijl al-jauza,” que significa o pé de Al-Jauza, ou em árabe, o “Ente Único Central”.

Para nós Rigel está associada ao pé do mítico caçador Órion. Embora Rigel seja denominada Beta Orionis (a ‘segunda’ de Órion), sua brilhante magnitude quase zero (0,12) é eventualmente mais intensa que Alfa Orionis (Betelgeuse) o que pode indicar que Betelgeuse era mais brilhante que Rigel quando ganhou sua designação, ou talvez Bayer tenha apenas considerado as posições relativas das estrelas para designá-las.

Rigel está entre as estrelas mais brilhantes do céu, em 7º lugar de magnitude visual, logo atrás de Capella da constelação Auriga. Rigel se situa a uma distância de 860 anos luz  e brilha com a força de 85.000 Sóis, considerando a intensa radiação ultravioleta de sua superfície com a temperatura aquecida de 11,500 Kelvin (o dobro do Sol que tem a temperatura de 5.750 Kelvin). Rigel é uma estrela super-gigante, com um diâmetro de ~74 vezes o do Sol, 0,34 UA, tem o tamanho da ordem da órbita de Mercúrio.

Os estudos da estrutura estelar e sua evolução indicam que Rigel tem a massa que quase 18 vezes a massa do Sol e apenas 10 milhões de anos de idade e devido a sua massa irá eventualmente explodir como uma supernova tão brilhante como nossa Lua em quarto crescente. Rigel é na verdade um sistema quádruplo de estrelas onde o par Rigel BC é uma dupla de estrelas tênues, separadas entre si por 100 UA, com magnitude 7. A dupla Rigel BC dista 2.500 UA (60 vezes a distância Plutão x Sol) de Rigel A e leva 25.000 anos para dar uma volta em torno do centro de massa do sistema Rigel. A dupla Rigel BC orbita entre si em 400 anos. A quarta estrela do sistema, Rigel D, dista 11.500 UA da estrela principal, com magnitude 15, trata-se de uma anã laranja classe K que leva 250 milhões de anos para circundar o trio Rigel ABC.

Rigel dista 40 anos-luz da Nebulosa de Cabeça da Bruxa o que mostra a energia desta fantástica super-gigante azul, excitando a poeira cósmica desta nebulosa de reflexão.

No vídeo abaixo podemos visualizar uma comparação dos tamanhos da Terra, Sol, Rigel e VY Canis Majoris:

Fontes e Imagens

Jim Kaler (Stars): Rigel

APOD:

._._.

5 comentários

4 menções

Pular para o formulário de comentário

  1. joao aguilar

    Parabéns !
    Maravilha de site !

  2. Natalia

    Ola..
    ja leu alguma sobre isso?

    Abraços

    1. ROCA

      Natália,
      Isto é uma MENTIRA ou HOAX.
      A notícia é falsa. Esse cientista citado no artigo NÃO existe.

      Esta é mais uma peça pregada pelo tablóide mentiroso Weekly Worlds News, famoso por propagar notícias alarmistas mentirosas para ganhar dinheiro dos trouxas que o lêem. Segue a falsa notícia original, que se propagou pela Internet: http://weeklyworldnews.com/headlines/15077/earths-rotation-slowing/

      A rotação da Terra reduz o tempo que dura o dia cerca de 2,3 milisegundos/dia por século. Assim levaria muitos bilhões de anos para a Terra parar, ficando sincronizada com a Lua (~4 semanas), mostrando sempre a mesma face para nosso satélite, devido ao efeito das marés lunares.

      Para facilitar o raciocínio, supondo que esta velocidade de frenagem seja constante, o dia terrestre irá durar mais 6 horas e 23 minutos dentro de 1 bilhão de anos… ou seja, pouco mais de 30 horas.

      Como os oceanos terrestres irão se vaporizar em 2 a 3 billhões de anos, a Terra não terá tempo para ‘parar’ pois a sua causa (a geração das marés oceânicas) será extinta antes disso.

      Além disso a Lua se afasta entre 3 e 4 cm por ano da Terra. Com o passar do tempo, lentamente, as marés também vão diminuindo de intensidade e seu efeito em alongar o dia terrestre também irá diminuir gradativamente.

      Leia mais detalhes aqui:
      http://bowie.gsfc.nasa.gov/ggfc/tides/intro.html

      Para quem gosta de notícias de ‘fim-do-mundo’ lembro que antes da Terra ‘parar’ ela será incinerada pelo Sol (ou talvez engolida pelo Sol):

      Qual o destino final da Terra e do Sol?
      http://eternosaprendizes.com/2008/09/28/qual-sera-destino-final-da-terra-e-do-sol/

      [ROCA]

  3. Mirian Martin

    Senti minúsculamente torrada. 🙂

    1. ROCA

      É Mirian,
      Rigel não é brincadeira, é uma estrela com temperatura de superfície superior a 11.000 Kelvin, assim, ela emite principalmente radiação Ultra Violeta fatal.
      Os intrépidos astronautas devem manter uma boa distância. Não espere encontrar vida por lá.
      Além disso ela irá gerar uma espetacular supernova tipo II em menos de 1 milhão de anos, é o que estimamos.

  1. IC 2118: Jeff Signorelli retrata a nebulosa da Cabeça da Bruxa

    […] Conhecida formalmente por IC 2118, essa nuvem interestelar de poeira e gás tem um diâmetro estimado em 70 anos luz. Seus grãos de poeira refletem a energética luminosidade da estrela supergigante azul Rigel. […]

  2. IC 2118: Jeff Signorelli retrata a nebulosa da Cabeça da Bruxa » O Universo - Eternos Aprendizes

    […] Conhecida formalmente por IC 2118, essa nuvem interestelar de poeira e gás tem um diâmetro estimado em 70 anos luz. Seus grãos de poeira refletem a energética luminosidade da estrela supergigante azul Rigel. […]

  3. Markus Noller retrata as nuvens coloridas perto de Antares e Rho Ophiuchi

    […] mistura de objetos e processos. A poeira fina iluminada de frente pela luz das estrelas resulta nas nebulosas de reflexão […]

  4. Markus Noller retrata as nuvens coloridas perto de Antares e Rho Ophiuchi » O Universo - Eternos Aprendizes

    […] mistura de objetos e processos. A poeira fina iluminada de frente pela luz das estrelas resulta nas nebulosas de reflexão […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

error: Esse blog é protegido!