«

»

jan 15

Estrelas vampiras conseguem tornar-se mais jovens? Como?

Duas estrelas colidem para formar uma estrela rejuvenescida azul. Crédito da ilustração: Barry Roal Carlsen/Universidade de Wisconsin-Madison.

Duas estrelas colidem para formar uma estrela rejuvenescida azul. Crédito da ilustração: Barry Roal Carlsen/Universidade de Wisconsin-Madison.

As últimas observações das “rejuvenescidas azuis”, estrelas atípicas que aparentam ser bem mais jovens que a demais do aglomerado estelar aos quais pertencem, têm proporcionado dois modelos diferentes sobre sua origem. Segundo dois artigos publicados na revista Nature estas estrelas massivas podem se formar a partir da colisão de duas estrelas pré-existentes ou mediante uma transferência de massa de uma estrela para outra em um sistema binário de contato.

[ Nos vídeos acima vemos o aglomerado globular M30, formado há 13 bilhões de anos, foi descoberto em 1764 por Charles Messier. Localizado a cerca de 28.000 anos luz de distância da Terra, este aglomerado estelar contém várias centenas de milhares de estrelas em uma região de apenas 90 anos luz de diâmetro ]

As estrelas rejuvenescidas azuis, corpos mais quentes e massivos do que seria esperado para sua idade aparente, são encontradas em aglomerados estelares onde os astrônomos estimam que todas as suas estrelas se formaram ao mesmo tempo. Sabemos que as estrelas massivas esgotam seu combustível nuclear mais rápido que as demais de baixa massa e saem da seqüência principal rapidamente. Assim, os cientistas consideram surpreendente que as estrelas rejuvenescidas consigam durar bem mais tempo e não tenham se transformado em gigantes vermelhas ou em remanescentes inertes, mais conhecidos como as anãs brancas.

A ilustração demonstra duas maneiras pelas quais as estrelas rejuvenescidas (blue stragglers) se formam em aglomerados globulares. Na parte superior vemos o modelo colisional onde duas estrelas de menor massa em um ambiente agrupado experimentam uma colisão, fundindo-se em uma estrela azul mais quente. Na ilustração inferior vemos a vampirização realizada pela estrela menor que rejuvenesce roubando o hidrogênio de sua companheira gigante. Crédito: ESA/NASA/Hubble

A ilustração demonstra duas maneiras pelas quais as estrelas rejuvenescidas (blue stragglers) se formam em aglomerados globulares. Na parte superior vemos o modelo colisional onde duas estrelas de menor massa em um ambiente agrupado experimentam uma colisão, fundindo-se em uma estrela azul mais quente. Na ilustração inferior vemos a vampirização realizada pela estrela menor que rejuvenesce roubando o hidrogênio de sua companheira gigante. Crédito: ESA/NASA/Hubble

Uma possível explicação é que as rejuvenescidas azuis se originam a partir de estrelas normais que tem sofrido um recente aumento de massa, seja através de uma colisão e fusão com outra estrela ou mediante uma transferência de massa entre companheiras binárias. Agora, segundo dois estudos publicados na Nature, parece que ambos os mecanismos de transformação estão funcionando.

O investigador Francesco Ferraro, da Universidade de Bolonha (Itália), e seus companheiros informam da existência de duas populações distintas de rejuvenescidas azuis no aglomerado globular M30, uma mais avermelhada que a outra. Os cientistas mostram evidências de que as estrelas mais avermelhadas se formaram mediante transferência de massa entre as binárias, enquanto que as estrelas mais azuladas se formaram mediante colisões estelares.

Por outro lado, Robert Mathieu e Aaron Geller, da Universidade de Wisconsin (EE UU), estudaram as rejuvenescidas azuis em outro aglomerado de nossa galáxia, o aglomerado aberto NGC 188. Estes investigadores comprovaram que 76% das rejuvenescidas azuis do aglomerado se encontravam em sistemas binários, em uma freqüência três vezes maior que a encontrada entre as estrelas normais.

A raiz desta observação e algumas características incomuns das órbitas binárias, os autores concluíram que a maioria das rejuvenescidas azuis do NGC 188 se formaram a partir de sistemas estelares múltiplos e que tanto a transferência de massa como as colisões estelares estavam presentes.

Fontes

Eurekalert: Stellar mosh pit, complete with crashing stars, resolves a mystery

ESA Hubble: Vampires and collisions rejuvenate stars

Universidade de Bolonha: EVEN STARS UNDERGO COSMETIC FACE LIFTING – COLLISIONS & VAMPIRISM: THIS IS HOW STARS REMAIN YOUNG

Artigo Científico: Two distinct sequences of blue straggler stars in the globular cluster M30

Imagens

http://www.news.wisc.edu/newsphotos/blueStragglerStar09.html

http://www.spacetelescope.org/images/html/heic0918b.html

http://www.bo.astro.it/m30/m30/m30_gallery.html

3 comentários

2 menções

  1. Daniel

    Pois é! Nada que um telescópio não resolva! hehehe

  2. Daniel

    Mt legal o artigo.
    Imagina se o ser humano pudesse presenciar um acontecimento desse. Que coisa sensacional!

    1. ROCA

      Sensacional e muito perigoso para quem está por perto.

      É melhor observar a uma distância segura.

  1. Hubble captura um close-up de M5, o aglomerado globular que Charles Messier pensava ser apenas uma nebulosa

    […] à esquerda da imagem, as velhas estrelas gigantes azuis e vermelhas, além das rejuvenescidas estrelas retardatárias (blue stragglers) [1], se destacam em tons de amarelo e azul nesta precisa imagem […]

  2. Hubble captura um close-up de M5, o aglomerado globular que Charles Messier pensava ser apenas uma nebulosa » O Universo - Eternos Aprendizes

    […] à esquerda da imagem, as velhas estrelas gigantes azuis e vermelhas, além das rejuvenescidas estrelas retardatárias (blue stragglers), se destacam em tons de amarelo e azul nesta precisa imagem […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

error: Esse blog é protegido!