«

»

dez 24

GTC: O telescópio com o maior espelho do mundo descobre a menor estrela mais distante da Terra

GTC descobre uma relíquia na Via Láctea: uma das 5 menores estrelas já detectadas

O GTC, Grande Telescópio Canárias, o telescópio que possui maior do espelho do mundo, amplia o horizonte da população estelar mais antiga de nossa galáxia com o descobrimento de uma pequena e remota estrela  sub anã classe L de massa diminuta.

À esquerda, comparação de ULAS1350 com as sub anãs de tipo L anteriormente conhecidas. À direta, concepção artística da trajetória e posição de ULAS1350 em nossa galáxia. Como se aprecia na figura, as sub anãs se encontram no halo da Via Láctea. Créditos: Nicolas Lodieu/GTC (OSIRIS).

À esquerda, comparação de ULAS1350 com as sub anãs de tipo L anteriormente conhecidas. À direta, concepção artística da trajetória e posição de ULAS1350 em nossa galáxia. Como se aprecia na figura, as sub anãs se encontram no halo da Via Láctea. Créditos: Nicolas Lodieu/GTC (OSIRIS).

Com um décimo da massa do Sol, justamente na fronteira entre as estrelas ativas classe M (anãs vermelhas) e as estrelas que fracassaram, as anãs marrons, um novo objeto celeste de bilhões de anos de idade acaba de ser descoberto. Batizada como ULAS1350, esta sub anã classe L poderia converter-se em uma das peças chave para entender as primeiras etapas da história de nossa galáxia.

Visão artística de uma sub anã da classe espectral L. Crédito: NASA

Visão artística de uma sub anã da classe espectral L. Crédito: NASA

A equipe de astrônomos europeus responsável pelo descobrimento, integrada por membros do Instituto de Astrofísica de Canárias (IAC) e do Centro de Astrobiologia (CAB), só necessitou 35 minutos de observação para analisar o objeto com o Grande Telescópio Canárias (GTC), instalado no Observatório do Roque dos Muchachos da ilha da Palma. A descoberta foi publicada na revista especializada Astrophysical Journal e foi a primeira publicação científica baseada nos dados do maior telescópio óptico-infravermelho do mundo.

O objeto estelar ULAS1350 foi classificado como uma sub-anã tipo L e representa a quinta de sua classe conhecida até a data e a primeira confirmada com o GTC. Devido a seu pequeno tamanho e baixa massa, estes corpos são mais parecidos com um planeta gigante do que com os de uma estrela como o Sol. Estas sub anãs tornam-se se apresentam também como boas candidatas para a procura de planetas extrasolares. Nicolas Lodieu, diretor da investigação desde o IAC, destaca que “nós temos centrado [nossa pesquisa] nesta classe de objetos extremadamente antigos porque, embora só conheçamos outros quatro como este, eles podem ser a chave para entender a formação da Via Láctea”.

OSIRIS no GTC

A relíquia estelar em questão se encontra a uma distância do Sol de entre 300 e 550 anos luz, uns cem anos-luz mais longe que suas quatro sub-anãs análogas. Graças ao instrumento OSIRIS, o espectrógrafo atualmente instalado no GTC, tem sido possível observar no espectro visível as informações mais importantes deste objeto tão débil. “Seu conteúdo em metais é escasso, poderia ser até dez vezes mais pobre que o do Sol”, assinalou Lodieu, o qual informou: “pudemos estimar também sua baixa luminosidade e temperatura, entre 1.000 e 2.000 graus Celsius”.

OSIRIS, o instrumento que analisou a sub anã classe L ULAS1350, no Grande Telescópio CANARIAS (GTC). Crédito: Pablo Bonet (IAC).

Aqui vemos o OSIRIS, instrumento que analisou a sub anã classe L ULAS1350, no Grande Telescópio CANARIAS (GTC). Crédito: Pablo Bonet (IAC).

Esta fria estrela (a temperatura na superfície do Sol é até cinco vezes maior que a temperatura em ULAS1350) foi previamente identificada utilizando o catálogo Large Area Survey de UKIDSS (UKIRT Infrared Deep Sky Survey), um projeto de observação de grandes áreas do céu nas faixas de freqüências próximas do infravermelho realizado com um telescópio de 3,8 metros situado na ilha do Havaí, no Oceano Pacífico. Com a ajuda de um catálogo similar no espectro visível, o Sloan Digital Sky Survey, se confirmou a relativa deficiência de elementos metálicos na atmosfera de ULAS1350 respeito ao Sol. “Teremos mais candidatos para o futuro porque UKIDSS vai a ampliar sua cobertura do céu e junto a as observações do GTC irão se abrir novas portas que nos permitirão encontrar e estudar mais anãs de este tipo”, apontou o astrofísico.

De acordo com os pesquisadores a existência de objetos como ULAS1350 na vizinhança solar é “exótica, extremadamente rara”, por que para a identificação foram  necessárias revisões de centenas de milhares de objetos em diferentes arquivos astronômicos. Para poder realizar este estudo os cientistas recorreram ao Observatório Virtual, uma iniciativa internacional que na Espanha está gerenciada pelo Centro de Astrobiologia e cujo principal objetivo é o de proporcionar uma análise eficiente do grande volume de informação existente nos centros de dados.

A equipe da pesquisa foi composta por Nicolas Lodieu, por parte do IAC, e por Maria Rosa Zapatero Osório, Eduardo Martín, Enrique Solano e Miriam Aberasturi, por parte do Centro de Astrobiologia (CSIC-INTA).

Fontes

IAC (Instituto de Astrofísica das Canárias): Little Stars from the early Galaxy

._._.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

error: Esse blog é protegido!