«

»

dez 21

FERMI registra a explosão de raios gama mais brilhante do Universo observável

Explosões sem precedentes a partir do blazar 3C 454.3 na constelação de Pegasus fazem deste objeto a fonte persistente de raios-gama mais brilhante nos céus, como se observou em dezembro de 2009. Estas imagens de todo o céu comparam o brilho entre as fontes de rios gama em 3 de dezembro e 18 de novembro, 2009, mostrando claramente a mudança no comportamento deste blazar. Crédito: NASA/DOE/Fermi LAT Collaboration

Explosões sem precedentes a partir do blazar 3C 454.3 na constelação de Pegasus fazem deste objeto a fonte persistente de raios-gama mais brilhante nos céus, como se observou em dezembro de 2009. Estas imagens de todo o céu comparam o brilho entre as fontes de raios gama em 02 de dezembro e 03 de novembro de 2009, mostrando claramente a mudança no comportamento deste blazar. Crédito: NASA/DOE/Fermi LAT Collaboration

Uma galáxia distante com um buraco negro supermassivo em seu centro tem estado  mais ativa recentemente, emitindo rajadas extremamente brilhantes de raios gama.

As explosões de raios gama começaram em 15 de setembro de 2009, fazendo com que esta galáxia seja atualmente a fonte mais brilhante de raios gama no céu e aumentando seu próprio brilho mais de 10 vezes sua luminosidade habitual nos últimos 6 meses, antes do fenômeno. O Telescópio Espacial de Raios Gama Fermi da NASA tem observado o fenômeno para saber mais sobre como funcionam estas galáxias tão violentas. Os astrônomos julgam que esta galáxia, identificada como 3C 454.3, é o que chamamos de blazar.

Os blazares, assim como as galáxias ativas, emitem jatos de partículas dirigidos em sentidos opostos que viajam quase a velocidade da luz quando a matéria espirala para dentro dos buracos negros supermassivos de seu centro. Seus campos magnéticos poderosos fazem com que parte da matéria ionizada seja devolvida ao espaço em velocidades relativísticas. O que faz que um blazar seja tão brilhante em raios gama é sua orientação no espaço. Um dos jatos está focalizado justamente em nossa direção, por isto é fácil de observar aqui na Terra.

“Estamos justamente no ponto de mira de um de seus jatos de partículas energizado pelo um buraco negro supermassivo desta galáxia”, disse Gino Tosti do Instituto Nacional de Física Nuclear em Perugia, Itália. “Alguma mudança neste jato – não sabemos qual – foi possivelmente a responsável por estas explosões”.

Esta galáxia está situada aproximadamente a 7,2 bilhões de anos luz de distância da Terra na constelação de Pegasus. Apesar da distância, é atualmente mais brilhante que o pulsar de Vela, uma densa estrela rotante que é normalmente a fonte persistente mais brilhante no céu de raios gama. Mas, o pulsar Vela está relativamente próximo (aproximadamente 1.000 anos luz de distância) em termos astronômicos.

“O quasar 3C 454.3 está milhões de vezes mais longe, embora a explosão atual tenha o dobro de brilho que a de Vela”, disse Lise Escande do Centro de Estudos Nucleares em Gradignan, próximo a Bordeaux na França. “Isto representa uma incrível liberação de energia que a fonte não pode manter nesta intensidade durante muito tempo”.

De acordo com Massimo Villata do Observatório de Torino em Itália, 3C 454.3 também emite explosões nos comprimentos de onda tanto do rádio como da luz visível, embora de forma menos drástica.

“Nas frequências da luz vermelha, o blazar aumentou seu brilho em mais de 2,5 vezes até a magnitude +13,7, e está também muito brilhante nas altas freqüências de rádio”, disse Villata. O brilho de um objeto no céu noturno se classifica por sua magnitude, com os números mais baixos fazendo referência aos objetos mais brilhantes.

A equipe do observatório de raios gama Fermi está alertando a outros astrônomos para que possam monitorar o evento no maior número possível de comprimentos de onda do espectro eletromagnético. “Esta é nossa melhor aposta para compreender o que está acontecendo dentro do jato [cósmico emitido pelo blazar]”, disse Tosti.

Fonte:

Space.com: Brightest Gamma-Ray Flare in Universe Spotted

3 comentários

2 menções

  1. M.A.

    Thank you very much for this superb article.

  2. Mirian Martin

    Se essa galáxia é tida como violenta, presumo que a nossa seja bem comportada. Se a nossa própria galáxia tivesse um comportamento assim, o que aconteceria com o nosso estimado planeta? 😉

    1. ROCA

      Nossa galáxia não passou por este estágio ultra violento (quasar). Nosso buraco negro supermassivo central é relativamente pequeno.
      .
      Se nossa galáxia se comportasse assim como este quasar estaríamos, literalmente, fritos.

  1. Fermi e Swift estudam buraco negro supermassivo através da ampliação de lente gravitacional » O Universo - Eternos Aprendizes

    […] observatórios espaciais de raios gama Integral, Fermi e Swift usaram o poder de ampliação de uma lente cósmica para explorar as regiões internas de […]

  2. A Terra é Rara? Ou não? « Eternos Aprendizes

    […] dos céus (exemplos: extermínio de civilizações por queda de cometas e asteróides massivos, explosões de raios gama, supernovas próximas do planeta hospedeiro, […]

Deixe uma resposta