«

»

dez 14

Podem as Super Terras serem superiores para hospedar a vida?

Podem as super terras serem superiores a hospedar a vida? O exoplaneta recém descobero orbita a estrela Gliese 667 C a qual pertencem a um sistema triplo de estrelas. Este exoplaneta com 6 vezes a massa da Terra circula em volta de sua estrela hospedeira de baixa massa (anã vermelha) a uma distância de 'apenas' 5% da distância Terra x Sol. A estrela mãe é companheira de duas outras estrelas anãs vermelhas, que podem ser vistas nesta concepção artística à esquerda. Crédito: ESO

Podem as Super Terras serem superiores para hospedar a vida? O exoplaneta Gliese 667 Cb recém descoberto orbita a estrela Gliese 667 C a qual pertence a um sistema triplo de estrelas. Este exoplaneta com 6 vezes a massa da Terra circula em volta de sua estrela hospedeira de baixa massa (anã vermelha classe M) a uma distância de apenas 5% da distância Terra x Sol. A estrela mãe é companheira de duas outras estrelas anãs laranjas classe K, que podem ser vistas nesta concepção artística, acima e à esquerda. Crédito: ESO

Os astrônomos já descobriram centenas de exoplanetas similares ao planeta Júpiter em nossa galáxia. Entretanto, alguns exoplanetas que foram encontrados orbitando estrelas distantes têm tamanhos mais próximos ao da Terra. Isto dá esperanças aos astrobiólogos os quais julgam que estamos mais próximos de encontrar vida em planetas rochosos com água líquida.

Os planetas rochosos encontrados até agora são efetivamente mais massivos que o nosso. Dimitar Sasselov, professor de astronomia na Universidade de Harvard, ressalta que os cientistas cunharam o termo “Super-Terra” para refletir sua massa maior que a da Terra,  e não para indicar quaisquer qualidades superiores.

Astrônomos tem encontrado centenas de exoplanetas de tamanhos diversos orbitando outras estrelas em nossa galáxia. Crédito: German Aerospace Center (DLR).

Astrônomos tem encontrado centenas de exoplanetas de tamanhos diversos orbitando outras estrelas em nossa galáxia. Crédito: German Aerospace Center (DLR).

Mas Sasselov em nova tese recentemente apresentada alega que estas Super Terras, que variam de 2 a 10 massas terrestres, poderiam ser superiores a nossa Terra quando pensamos em sua capacidade potencial para suportar a vida.

Estima-se que mais de 99% de todas as espécies de seres vivos que já viveram em nosso planeta estão extintas. A Terra, ao que parece, é um árduo lugar para chamarmos de ‘lar’. Nosso planeta já passou por Eras Glaciais e eras de aquecimento global. A Terra já foi bombardeada inúmeras vezes por cometas e asteróides. Impactos cósmicos violentos ocasionaram, por exemplo, diversas extinções em massa de espécies como a do evento K/T que teve um enorme impacto na biodiversidade da Terra e vitimou boa parte dos seres vivos da época, incluindo os dinossauros e outros répteis gigantes, há 65,5 milhões de anos. A quantidade de oxigênio presente na atmosfera já oscilou drasticamente ao longo da história do nosso planeta. Nosso planeta está sempre sofrendo mudanças  sensíveis e contínuas, Assim, a vida aqui presente tem que forçosamente se adaptar aos novos ambientes ou desaparecer para sempre.

Vivemos em solo firme?

O movimento tectônico de placas é outro bom exemplo da natureza incansável e mutante da nossa Terra. Continentes se chocam, formando montanhas, apenas para depois serem rasgados. Ilhas (como vemos na Islândia e no Havaí) crescem geradas por vulcões e elementos químicos são liberados das rochas quando elas se fundem sob a crosta terrestre.

Enquanto toda esta atividade geológica nos faz literalmente ficar de pé em um solo que trepida, os cientistas julgam que a atividade tectônica é uma das características fundamentais em nosso planeta que permitem a existência da vida. Sem a tectônica de placas o carbono necessário a vida permaneceria aprisionado nas rochas.

Efeito estufa é necessário

Um dos medos atuais é que a presença massiva de dióxido de carbono (CO²) em nossa atmosfera levaria ao aquecimento global. Por outro lado, devemos considerar que a ausência de uma quantidade mínima dos gases que propiciam o efeito estufa na atmosfera levaria a Terra a tornar-se um local congelado e as plantas e algas que prescindem do CO² para realizar a fotossíntese (e produzir o oxigênio) pereceriam. A extinção destes organismos produtores de oxigênio (O²) levaria também a morte por asfixia dos organismos que respiram o O².

De acordo com Sasselov é a quantidade de massa terrestre que mantém a tectônica de placas em ação. Quanto mais massivo o planeta, mas quente é o seu interior. As placas tectônicas deslizam sobre uma camada de rocha derretida chamada de manto terrestre, sob a crosta de nosso planeta. As correntes de convecção dentro do manto empurram as placas tectônicas para frente. Em planetas menores, como Marte, o interior não é quente o suficiente para suportar o movimento tectônico.

A tectônica de placas é acelerada nas Super Terras

As Super Terras, com interiores maiores e mais aquecidos, teriam uma crosta planetária mais fina e submetida a um maior estresse. Isso provavelmente resultaria em movimentos tectônicos mais velozes, assim como a presença de mais sismos, vulcanismos e outros fenômenos geológicos. De fato, Sasselov alega que a atividade das placas tectônicas em Super Terras pode ser tão rápida que novas montanhas e oceanos não teriam muito tempo para se desenvolver antes da ocorrência de novas reciclagens da superfície do massivo exoplaneta.

Vênus, um planeta ligeiramente menos massivo que a Terra (81,5%) tem tido uma quantidade razoável de atividade vulcânica, mas, aparentemente, Vênus não apresenta a atividade tectônica de placas. Talvez a causa disto seja a ausência da água em oceanos para lubrificar o processo tectônico em planetas com massa similar a da Terra. Vênus perdeu a maior parte de sua água há bilhões de anos por evaporação, decomposição das moléculas de água e erosão causada pelo vento solar devido a sua magnetosfera demasiado fraca. Por outro lado o tectonismo em Super Terras pode até ser eficiente que a presença massiva da água pode ser dispensada.

Planeta oceânico orbitando Gliese 581 - Crédito©: Karen Wehrstein

Planeta oceânico orbitando Gliese 581 – Crédito©: Karen Wehrstein

Super Oceano?

Em outro possível cenário é provável que a Super Terra seja inteiramente coberta por água. Sasselov falou que no caso de um exoplaneta inteiramente oceânico a maior parte da água estaria em um exótico estado conhecido como “ice VII“ um gelo altamente comprimido com ponto de fusão entre 355 Kelvin (2,2 GPa) e 715 Kelvin (10 GPa).

Seja a superfície coberta de rochas ou de gelo, Sasselov disse que as Super Terras serão apenas de 1 a 2 vezes maiores que a Terra porque elas serão mais comprimidas no início de sua formação quando ganharam massa.  A maior densidade irá resultar em maior gravidade. Sasselov disse que a mais massiva Super Terra teria cerca de 3 vezes a gravidade terrestre. Testes da resistência humana a incrementos na força G, onde o sangue é drenado para as pernas, têm encontrado que um individuo típico consegue suportar até 5 Gs antes de perder a consciência. Embora nós humanos pudéssemos nos sentir muito pesados andando na superfície de uma Super Terra, a gravidade extra ainda não seria acima da capacidade que os exploradores poderiam suportar. Naturalmente, é claro, a vida que eventualmente tenha se desenvolvido em uma Super Terra terá se adaptado a maior gravidade assim como nós humanos nos sentimos plenamente confortáveis em suportar a gravidade terrestre de 1 G.

Pontos quentes habitáveis?

A maior gravidade de uma Super Terra habilita a mesma a suportar uma atmosfera consistente, assim as Super Terras nunca apresentarão atmosferas tão rarefeitas como a de Marte. Mas o papel fundamental da atmosfera planetária em criar condições primárias para a vida pode ser complicado. Vênus tem uma temperatura de superfície que atinge os insuportáveis 480° C devido a seu efeito estufa descontrolado que não permite que seu calor flua para o espaço.

Uma das grandes influências no clima planetário é provocada pela própria estrela hospedeira. A Terra tem uma órbita praticamente circular a 150 milhões de quilômetros do Sol (1 UA  – unidade astronômica) de distância de uma estrela anã amarela. Esta situação ajuda a manter as condições na Terra quentes o suficiente para os oceanos não se congelarem, mas fria o bastante para não perdermos toda nossa água por evaporação.

As  Super Terras descobertas até então orbitam uma variedade de estrelas. O primeiro planeta extrasolar tipo Terra foi encontrado orbitando um pulsar (o pulsar PSR B1257+12), uma estrela de nêutrons que emite radiações de alta energia. As outras Super Terras em geral orbitam estrelas bem menores e mais frias que nosso Sol.

Além disso, a maioria das Super Terras conhecidas permanecem muito perto de suas estrelas, mais perto do que Mercúrio fica em relação ao Sol. Embora estas estrelas não sejam tão brilhantes quanto o Sol, os exoplanetas ficam demasiadamente próximos que se parecem com brasas queimadas piscando próximas ao fogo.

O lado diurno aquecido de CoRoT 7b apresenta temperaturas acima de 1.000o Celsius

O lado diurno aquecido de CoRoT 7b apresenta temperaturas acima de 1.000o Celsius

Um exoplaneta dantesco: CoRoT 7-b

Uma Super-Terra-tórrida é CoRoT 7-b (o prefixo CoRoT se relaciona ao telescópio que a localizou). CoRoT 7-b gira em torno da sua hospedeira, a estrela anã laranja TYC 4799-1733-1, a cada 20 horas. Este exoplaneta é 5 vezes mais massivo que a Terra tem tamanho 2 vezes maior. Este sistema estelar também possui outra Super Terra, CoRoT 7-c, 8 vezes mais massivo que a Terra e que orbita sua estrela a cada 3 dias e 17 horas (terrestres).

Para os astrobiólogos que esperam encontrar vida extraterrestre, há duas Super Terras com algum potencial para a vida orbitando uma estrela mais fria que o Sol, a anã vermelha Gliese 581. Os estudos de suas órbitas apontam que os  exoplanetas Gliese 581-c e Gliese 581-d são candidatos a possuírem condições habitáveis, embora alguns cientistas julguem que Gliese 581-c poderá estar sofrendo do efeito estufa descontrolado como Vênus, dada sua proximidade em relação a sua estrela Gliese 581.

Este diagrama mostra as distâncias dos planetas em nosso Sistema Solar (linha superior) e as distâncias no sistema Gliese 581 (linha inferior), a partir de suas respectivas estrelas (à esquerda). A zona de habitação está indicada pela área azul. Crédito: ESO

Este diagrama mostra as distâncias dos planetas em nosso Sistema Solar (linha superior) e as distâncias no sistema Gliese 581 (linha inferior), a partir de suas respectivas estrelas (à esquerda). A zona de habitação está indicada pela área azul. Crédito: ESO

Outro aspecto que pode afetar significativamente o potencial para a vida é a presença de uma lua companheira. A Lua ajuda a Terra a balancear sua rotação gerando uma estabilidade na inclinação de seu eixo ao longo do tempo. Sasselov calcula que a massa extra de uma Super Terra poderá contribuir para que esta tenha também uma rotação estável e desta forma uma Lua de grande porte como a nossa não seria imprescindível para manter o exoplaneta alinhado.

Civilizações extraterrestres superiores em Super Terras?

Missões de busca por exoplanetas como a do telescópio orbital Kepler, lançado em 2009, poderia ajudar aos astrônomos a encontrar muitos planetas-tipo-Terra nos próximos anos. Sasselov estima que deve haver 100 milhões de Super Terras habitáveis só em nossa galáxia, a Via Láctea. Ele prevê que nós encontraremos de 50 a 100 novas Super Terras nos próximos 5 anos.

Além disso, a existência de tantas Super Terras poderia trazer alguma explicação ao Paradoxo de Fermi sobre a ausência de contato com inteligências extraterrestres. Em nosso planeta de baixa massa (em relação às Super Terras) nós não teríamos as condições ideais para a vida segundo os padrões extraterrestres, assim os exploradores alienígenas não estariam interessados em procurar-nos, procurando assim outras Super Terras da galáxia. Como nosso Sistema Solar não apresenta Super Terras, talvez os ETs tenham considerado um sistema de baixo interesse para explorar…

“A Terra é um planeta marginal quando buscamos por condições que gostaríamos de ver para a vida complexa se manter por si própria”, denota Sasselov. “Na família de exoplanetas tipo Terra a maneira mais fácil da química complexa e bioquímica emergir e se sustentar reside em planetas mais massivos que a Terra”.

Se os alienígenas inteligentes das Super Terras decidirem investigar a Terra para ver se um mundo tão pequeno conseguiria suportar a vida, eles teriam uma maior dificuldade para mandar foguetes pelo espaço por causa da gravidade mais intensa do seu planeta natal. “Esta poderia ser mais uma resposta ao Paradoxo de Fermi”, disse Sasselov, “mas não é um problema insolúvel”. Por causa de sua gravidade mais forte, os alienígenas inteligentes das Super Terras teriam que desenvolver tecnologias superiores a dos nossos foguetes químicos para explorar o Universo.

Dimitar Sasselov, professor de astronomia e diretor -  Harvard Origins of Life Initiative

Dimitar Sasselov, professor de astronomia e diretor – Harvard Origins of Life Initiative

Sugestão para o Paradoxo de Fermi

Além disso, Sasselov fez sua própria sugestão para o Paradoxo de Fermi, relacionada com a idade e evolução dos planetas no Universo. Quando o Universo era jovem, apenas hidrogênio e hélio estavam disponíveis. Sucessivas gerações de estrelas foram necessárias para produzir os elementos pesados tais como o ferro e o silício, que compõem os planetas rochosos. Mesmo que o Universo tenha 13,73 ± 0,12 bilhões de anos de idade, nosso Sistema Solar apenas se formou há 4,55 bilhões de anos (obs.: os astrônomos encontraram um exoplaneta joviano com 12,7 bilhões de anos de idade, mas este exoplaneta ancião pode até ser uma anã marrom que perdeu parte de sua massa).

Se outros planetas rochosos com vida são tão jovens como nós somos, então talvez a falta de espaçonaves visitantes indique que não há civilizações alienígenas anciãs e avançadas lá fora.

“A maior parte da vida poderia emergir a partir de Super Terras com habitabilidade em potencial, mas as Super Terras começaram a se formar apenas recentemente e apenas poucas civilizações podem ter emergido desde então”, completou Sasselov.

Fonte:

Space.com: Super Earths May Be Superior at Fostering Life por Leslie Mullen

4 comentários

5 menções

Pular para o formulário de comentário

  1. CARLOS ABRAHAM DUARTE

    Seleção dos mais aptos, pura e simplesmente; uma tectônica de placas mais ativa inevitavelmente forçaria a vida a evoluir mais rápida e dinâmica p/a se adaptar e sobreviver. Aliás, foi precisamente o que o Prof. Sasselov quis dizer.

  2. Rosana C L Mendonça

    Penso que CADA um tem as ” n inteligências” a serem SOMADAS e ACRESCENTADAS: Vai ter coisas que os alienígenas não saberam e ficaram Surpresos, assim como Nós também ficaremos surpresos com as COISAS que eles conseguiram EVOLUIR de acordo com as NECESSIDADES ” DELES”.

  3. Mirian Martin

    Sei lá… Mas os alienigenas podem ter nascido mais inteligentes que nós, certo? 🙂 🙂

    1. ROCA

      Até poderiam ser mais inteligentes, mas para a vida evoluir ela necessita de um certo amadurecimento que pode levar bilhões de anos. Além disso, como o artigo diz, estes planetas são bastante violentos em termos geológicos o que provavelmente dificultaria bastante a sobrevivência da vida complexa animal. Certamente, a vida microbiana não teria maiores dificuldades, mas os animais 🙁

  1. Gliese 581 g: cientistas descobriram uma nova e inédita super Terra que orbita em Zona Habitável do seu sistema « O Universo – Eternos Aprendizes

    […] da Califórnia em Santa Cruz e da Instituição Carnegie de Washington anunciou a descoberta de uma Super-Terra com três vezes a massa da Terra. O exoplaneta, chamado de Gliese 581 g, orbita uma estrela anã […]

  2. Debate: como seriam as adaptações da vida aos exomundos? « Eternos Aprendizes

    […] Pensando na morfologia do exoplaneta Gliese 581 d em si, sua órbita em torno desta anã vermelha deve colocá-lo na mesma posição relativa que Marte é do nosso Sol, em termos de luminosidade que recebe de sua estrela mãe. Por outro lado, sua muito maior massa em relação a Terra deve resultar em uma frenética atividade tectônica de placas, uma enorme quantidade de vulcões, uma blindagem magnética poderosa e uma atmosfera espessa, com extensos oceanos abaixo. Em Gliese 581 d você poderá encontrar as corretos cenários astrobiológicos para o desenvolvimento da vida. [Estes cenários presentes em super-Terras foram analisados no artigo “Podem as Super Terras serem superiores para hospedar a vida?”] […]

  3. Gliese 1214 b: Astrônomos Encontram Super Terra com Atmosfera Densa, Inóspita e Coração Gelado « Eternos Aprendizes

    […] astrônomos descobriram um segundo exoplaneta do tipo Super Terra [1], para o qual determinaram a massa e o raio. Estes cálculos forneceram indicadores vitais sobre […]

  4. 61 Virginis b: descoberta a primeira Super Terra orbitando estrela similar ao Sol! « Eternos Aprendizes

    […] Termos de Uso « Podem as Super Terras serem superiores para hospedar a vida? […]

  5. Blog de Astronomia do astroPT » Podem as Super Terras serem superiores para hospedar a vida?

    […] astrônomos já descobriram centenas de exoplanetas similares ao planeta Júpiter em nossa galáxia. Entretanto, um pequeno grupo de exoplanetas que foram encontrados orbitando estrelas distantes têm […]

Deixe uma resposta