«

»

out 29

LRO atingiu sua órbita destino e fotografou a bandeira deixada na Lua pela Apollo 17

A bandeira hasteada pelos astronautas foi fotografada pela câmera LROC quando a sonda LRO atingiu a órbita lunar de 50 km de altura.

A bandeira (Flag) hasteada pelos astronautas da Apollo 17 na Lua foi fotografada pela câmera LROC quando a sonda LRO atingiu a órbita lunar de 50 km de altura.

A sonda robótica LRO (Lunar Reconnaissance Orbiter) chegou finalmente ao seu destino, orbitando a Lua a 50 km de altura. Nessa altitude a câmera LROC passou a ter a maior capacidade visual já alcançada por qualquer outra sonda lunar, uma resolução da ordem de 50 cm por pixel. Tomando partido disso a LRO deu uma passada sobre o local de pouso da Apollo 17 e o que encontrou? A bandeira hasteada deixada pelos astronautas!

Nesta foto estão marcados os equipamentos e pontos relevantes do local de pouso da Apollo 17.

Nesta foto estão marcados os equipamentos e pontos relevantes do local de pouso da Apollo 17.

Na imagem geral podemos ver o ALSEP (Apollo Lunar Surface Experiments), o qual incluía os seguintes equipamentos:

  1. Lunar Seismic Profiling Experiment (geophones) para medir os sismos lunares;
  2. Lunar Atmospheric Composition Experiment (LACE) que servia para medir a composição da extremamente tênue exosfera lunar;
  3. Equipamento do experimento: Ejeções lunares e Meteoritos (LEAM);
  4. Estação central;
  5. Experimento de medição do fluxo de calor (Heat Flow Experiment);
  6. O ALSEP era alimentado pelo RTG – gerador termoelétrico de radioisótopos (Radioisotope Thermoelectric Generator).

Abaixo temos a visão destes equipamentos instalados no solo lunar e fotografados pelos astronautas da Apollo 17 em 1972.

Foto tirada pelos astronautas da Apollo 17 em 1972.

Foto tirada pelos astronautas da Apollo 17 em 1972.

Visite o site da LROC.

http://lroc.sese.asu.edu/news/uploads/M113751661L_with_inset50cm.png

A bandeira (flag) da Apollo 17 e sua sombra (shadow). M113751661L [NASA/GSFC/Arizona State University]

http://lroc.sese.asu.edu/news/uploads/M175179080L_with_inset25cm.png

Bandeira  (flag) da Apollo 16 – M175179080L [NASA/GSFC/Arizona State University]

Referências

Os outros locais de pouso e imagens anteriores da LRO:

29 comentários

1 menção

Pular para o formulário de comentário

  1. Sera que os astronautas já não teriam morido devido radiação cósmica
    cancerígena que se apresenta no espaço interplanetário?, Amistrong ?

    1. ROCA

      Sua tese não tem o menor cabimento. Os astronautas podem resistir a radiação cósmica por algum tempo e o tempo de uma viagem de ida e volta à Lua é muito curto para gerar câncer.

      Em uma viagem à Marte, contudo, o perigo da radiação cósmica é considerável, devido ao longo tempo de exposição (~2 anos), leia aqui sobre isso:

      Viagem até Marte? Cuidado com os raios cósmicos!

      http://eternosaprendizes.com/2009/09/18/viagem-ate-marte-cuidado-com-os-raios-cosmicos/

  2. Esta imagen, não comprova em nada o fato e não é possivel ter certesa das imagens, pois pode ter sido uma imagens de uma cratera normal, e resaltado a cor da mesma, você vê o que você quer ver.

    1. ROCA

      Que piada Sandro: “não comprova nada”…. hahahahaha!

  3. Miguel

    Adorei as imagens capturas pela sonda LRO , mais uma prova concreta de nossa ida à lua, na qual acredito terminantemente. Infelizmente há pessoas q questionam e ignoram. Aguardo ansioso um retorno a mesma, ou quem sabe, a ida direta à marte.
    Abraço a todos.

    1. ROCA

      O projeto de voltar a Lua foi suspenso (falta de verbas).

      Já o de Marte ainda está apenas como uma visão… pelos menos já decidiram que será um esforço conjunto multinacional entre as agências espaciais.

      “Em 29 e 30 de junho de 2009 o diretor de Ciência e Exploração Robótica da ESA, David Southwood, reuniu-se com o administrador associado para a Ciência da NASA, Ed Weiler, em Plymouth, no Reino Unido, para estabelecer uma forma de criar um programa de exploração do Planeta Vermelho. O resultado deste encontro bilateral foi um acordo relativo denominado Iniciativa Conjunta de Exploração de Marte (MEJI: Mars Exploration Joint Initiative) que irá fornecer uma plataforma que permita às duas agências definir e desenvolver seus objetivos programáticos, científicos e tecnológicos relativamente a Marte.”

      Leia mais aqui: http://eternosaprendizes.com/2009/07/12/esa-e-nasa-estabelecem-iniciativa-conjunta-para-explorar-marte/

  4. Vitor

    Recentemente precisei provar para minha filha adolescente que a presença do homem na Lua foi um fato indiscutível e valioso para a ciência. Não era suficiente eu apenas afirmar isso, mesmo tendo até testemunhado o fato pela televisão naquela época, pois ela estava muito confusa, influenciada pela exposição a uma enxurrada de boatos conspiratórios ao realizar uma simples pequisa escolar sobre a Lua na internet.
    Enquanto planejava minha reação, observei que interpretações equivocadas e fatos distorcidos conseguem chegar nas pessoas com muito mais força e facilidade, e em muito maior quantidade, do que a informação correta. Notei também que é perda de tempo discutir com boateiros, pois chamar a atenção é tudo o que querem.
    Concluí que a melhor saída é aprimorar a educação de nossos filhos e vaciná-los com conhecimentos, de modo que eles mesmos possam saber distinguir o que é sério do que é tolice.
    Nessas horas, é muito útil poder contar com o trabalho de pessoas que dedicam seu tempo a compilar e compartilhar conhecimentos como um bem universal, disponibilizando-os na internet.
    Parabéns ao Sr. Ricardo de Castro pelo blog Eternos Aprendizes e seu excelente conteúdo de divulgação científica.

    1. ROCA

      Concordo, Vítor, não adianta discutir com pessoas ignorantes e que pregam mentiras.
      .
      O melhor mesmo é um banho de ciências. Nada supera a busca do conhecimento.
      .
      abs
      ROCA

  5. Fernanda

    Roca,

    Obrigado pela atenção.

    Por favor, não leve para o lado pessoal.

    Queira me desculpar, mas acreditar em ciência livre, pura e neutra, separada de política, indica claramente falta de conhecimento científico. Veja o que diz um especialista em “neutralidade” científica:

    http://mdlw.wordpress.com/2009/01/16/falsa-objetividade-da-ciencia/:

    “Agência FAPESP – A ciência e a tecnologia estão longe de ser politicamente neutras e as novas descobertas não correspondem necessariamente a progressos para a sociedade, segundo o professor Fernando Tula Molina, da Universidade de Quilmes, na Argentina. Para ele, embora façam parte do senso comum, as noções de neutralidade científica e determinismo tecnológico representam obstáculo para uma ciência democrática, capaz de melhorar a sociedade.”

    “Agência FAPESP – Uma das idéias centrais desenvolvidas pelo senhor durante o seminário realizado no mês passado em São Paulo é a de que a ciência não pode ser dissociada da política. Como essa questão foi tratada nos debates?
    Fernando Tula Molina – As discussões tiveram origem em um Projeto Temático apoiado pela FAPESP dirigido pelo professor Pablo Mariconda, do Grupo de Filosofia, História e Sociologia da Ciência e da Tecnologia do IEA, responsável pelo seminário. Esse projeto discute a gênese e os significados da tecnociência. Isso envolve questões históricas, filosóficas e sociológicas, mas no fundo tudo está virando uma área importante ligada à política. Tentamos problematizar duas idéias que hoje são muito fortes em nossa cultura: a neutralidade da ciência e o determinismo tecnológico. Essas duas noções estabelecem no imaginário popular uma idéia de que a ciência é neutra, desprovida de política, quando, na verdade, a ciência – e sobretudo a tecnologia – tem muita política.”

    Por favor, entrem em contato com a FAPESP e com o Prof. Molina para informá-los de que estão errados e que estão se portando de maneira preconceituosa misturando fé com ciências e assim por diante.

    Avise também os pensadores abaixo que estão se portando de maneira preconceituosa ao escrever:

    JAPIASSU, Hilton F. EPISTEMOLOGIA O mito da neutralidade científica. Rio, Imago, 1975 (Série Logoteca).

    “Não se pode ingenuamente acreditar que a ciência, como um conjunto de conhecimentos (ciência-disciplina) e de actividades (ciência-processo), seja algo independente do meio social, alheio a influências estranhas e neutro em relação às várias disputas que envolvem a sociedade.” Newton Freire Maia, A Ciência Por Dentro, Ed. Vozes, Petrópolis, 1998, pp. 128-129.

    “It is reasonable to trace the origins of modern science to Francis Bacon (which is not to play down the roles played by Galileo and Descartes). He was the first to insist that science be methodically separated from values so as to make it truly ‘neutral’. […] His goal was explicitly stated. It was to ‘achieve all things achievable’. At least he was honest enough to admit it.
    Modern science has followed Bacon’s lead to the letter but does not admit it.”
    http://findarticles.com/p/articles/mi_m2465/is_3_30/ai_62794135/
    Conforme menciona o autor acima, a crença na neutralidade científica remonta ao Positivismo, corrente filosófica desenvolvida por Auguste Comte no séc. XIX. O Positivismo foi superado nos meios acadêmicos ainda no mesmo século, mas deixou mitos que permanecem no senso comum até hoje, dentre eles a neutralidade científica.

    Enfim, vocês terão muito trabalho para convencer o meio acadêmico e científico a respeito da sua tese sobre a ciência pura e neutra, totalmente separada da política, ressuscitando as crenças do séc. XIX.

    Desejo-lhes muita sorte neste trabalho, amigos.

    Abraços

    1. ROCA

      Neste ponto, nós concordamos.

      Convém esclarecer que ciência livre (livre acesso) e ciência pura são problemas diversos.

      Para toda e qualquer atividade de pesquisa existe a necessidade de verbas e órgãos gestores e obviamente na gestão há definição de prioridades, procura dos maiores benefícios e escolha das pesquisas que serão realizadas, as que serão adiadas ou canceladas. Neste caso, na gestão, há decisões e também há política. Não é isto que questionamos. A coordenação é um trabalho essencial que permite que as verbas sejam bem aplicadas, as prioridades seguidas, a infraestrutura tecnológica bem utilizada e as melhores práticas sejam seguidas. O gerenciamento de recursos é fundamental.

      O que pregamos aqui é a ciência livre, livre de acessos e restrições, que os cientistas tenham acesso aos dados e resultados dos demais. É isso que defendemos, convém realçar.

      Concordamos, é claro, que ‘ciência pura’ inexiste, pois os órgãos, entidades acadêmicas e também a iniciativa privada têm a obrigação de realizar o gerenciamento dos recursos disponíveis.

  6. fernanda

    Roca,

    obrigado pela resposta.

    este é um recado pessoal e não precisa ser publicado.

    alias, se quiserem, podem apagar todas as minhas contribuições anteriores. já não me importo mais, por que, para mim, está claro que não conseguimos nos entender e nunca conseguiremos.

    assim, o site de vocês ficará limpo, e com o pensamento único do mainstream.

    nunca pretendi discutir política aqui, apenas queria discutir a influência de outros fatores na produção da ciência ou pseudo-ciência, que muitas vezes nos é apresentada como ciência,. isto é o objeto da disciplina científica que se chama epistemologia. geralmente, a epistemologia se concentra na análise do método de pesquisa para avaliar a confiabilidade dos resultados, mas pode e deve também focar em outros fatores que interferem na produção dos dados, pois o objetivo da epistemologia é verificar o grau de confiabilidade dos dados e das conclusões.

    como este blog exige e-mail para comentar, eu apenas preenchi o campo para que a mensagem chegasse até vocês. não tenho interesse em divulgar meu e-mail, pois muita gente vende a sua lista de contatos, sem autorização.

    o que devia interessar não é meu e-mail mas o conteudo dos meus argumentos para uma discussão séria sobre a qualidade e confiabilidade dos dados científicos. minha pessoa pouco importa.

    se vocês não conhecem epistemologia e não conseguem perceber que não existe ciência pura ou ciência neutra, que sempre existem outros interesses exógenos influenciando na produção da ciência ou mesmo alterando seus resutlados, então esta nossa argumentação torna-se uma tortura para ambas as partes, onde cada um fala uma lingua diferente, e não produzirá fruto algum.

    portanto, sugiro que encerrem tudo, apaquem tudo que escrevi e continuem firme na sua crença no mainstream, apagando todas as contradições lógicas que possam surgir.

    assim como olhamos para o passado e nos perguntamos, como eles acreditaram naquelas coisas que chamavam de ciência, o futuro olhará para nós e perguntará, como eles não notaram tantas contradições lógicas. Então, os historiadores do futuro pensarão: no sec. XX as pessoas acreditavam em ciência com a mesma fé e ingenuidade que na Idade Média se acreditava no papa. pois ciência pura e neutra é tão real quanto o papai noel.

    sei como é dificil questionar as próprias crenças, mas isto sim é a mais pura ciência.

    eu não vou mais incomodá-los, encerro aqui meu contato e agora os entrego para os mestres maiores e mais rigorosos: a vida e para a realidade.

    abraços e sejam felizes na sua fé.

    1. ROCA

      Fernanda,

      Você continua se portando de maneira preconceituosa misturando fé com ciências e assim por diante.

      Em ciências uma teoria hoje pode não valer mais nada amanhã, basta apenas uma evidência que a negue.

      Isso não acontece com a fé, com as crenças, etc… que estão fora do escopo de um blog de divulgação científica.

      Nosso interesse é pela ciência livre, aquela que não sofre censura, que ousa em questionar as teorias antigas, as vezes acertando e as vezes errando.

      Assim nós não acreditamos nas teorias científicas em si, mas respeitamos e divulgamos aqui as teses que têm comprovações palpáveis e evidências legítimas (até prova em contrário, e quando há provas em contrário nós também as publicamos aqui! ).

      Essa questão de crenças, se acreditamos ou não, são argumentos ditos por pessoas que não entendem o pensamento científico.

      Nature: http://www.nature.com/news/2010/100407/full/464822a.html

      Leia o manifesto “ciência livre” para entender:
      http://arsphysica.wordpress.com/manifesto/
      http://3quarksdaily.blogs.com/3quarksdaily/2006/10/the_future_of_s_1.html

      Este aqui fala explicitamente sobre blogs científicos: http://3quarksdaily.blogs.com/3quarksdaily/2007/01/the_future_of_s.html

  7. Fernanda

    Roca,

    Desculpe a demora em responder.

    De todos estes cientistas que você mencionou e que supostamente odeiam os americanos, algum deles questionou as fotos das armas de destruição em massa do Iraque?

    Você diz que devemos separar política de ciência. Então eu pergunto: em que mundo ciência e política estão separadas?

    Vejamos alguns exemplos no mundo real.

    Previsão de terremoto é ciência ou política? Veja o que aconteceu:

    Scientist gagged over quake warning An Italian scientist was reported to authorities for spreading panic after he warned a major quake would strike L’Aquila, it has emerged.

    Weeks before disaster struck the city and killed more than 90 people, seismologist Giacchino Giuliani had warned of an impending disaster – but his forecast was dismissed by the government which said it had no scientific foundation.

    Se pesquisar no google “scientist gagged” ou palavras semelhantes, verá um grande número de ocorrências. Isso já dá uma idéia sobre como os cientistas são tratados no mundo real…

    Mundança climática é ciência ou política?

    Veja o que diz o jornalista e ex-assessor do Governo Britânico, Lord Christopher Monckton:

    “Because NASA is making a fortune out of the current US Administration, which has retasked it as a climate change monitoring agency and vastly increased its budget. In short, NASA – like taxpayer-funded agencies throughout the world – has been bought, and easily bought.”

    Veja a notícia sobre 30.000 cientistas processando Al Gore por causa da farsa climática:
    http://www.youtube.com/watch?v=FfHW7KR33IQ

    Monckton e outros desafiam Al Gore ao debate público e científico, mas este disse que a discussão já se encerrou. Qualquer cientista sabe que a discussão científica nunca se encerra, toda teoria sempre pode ser revisada e corrigida.

    E a NASA apóia a teoria de Al Gore, mudando seu objetivo principal por causa de dinheiro, segundo acusa Monckton? Afinal, o objetivo é a ciência pura ou não é?

    Você escreveu: “A motivação atual é outra. Agora, a razão é extra-política, isto é, puramente científica.” Pelo que você escreveu, tem-se a impressão de que não existe mais hegemonia americana no mundo, que tudo é paz, harmonia e fraternidade, que no mundo real é possível separar totalmente ciência, política, poder e business, que um governo destina verbas imensas a pesquisas com interesse puramente científico, que todos os países cooperam fraternalmente em prol da ciência e da humanidade, etc, etc. É assim que você vê o mundo real? Para mim, isto parece um mundo puramente utópico. É por isso que não estamos conseguindo nos entender aqui. Talvez você tenha pouca experiência de vida, e por isso acredite nestas idéias que são utópicas para quem já conhece um pouco mais do mundo real. De fato, numa discussão onde uma parte procura abordar o mundo real analisado fatos concretos e contraditórios enquanto outra parte sonha com um mundo utópico, está fadada ao fracasso. Assim sendo, é mais sensato encerrar a discussão, não há como continuar. Finalizando, informo que nunca tive a intenção de ser conspiracionista, mas sim de pesquisar a verdadeira realidade, sem cair nos excessos fantasiosos dos conspiracionistas nem na ilusão da crença incondicional em dados fornecidos por instituições com fraudes em seu histórico. Para mim, não faz sentido ponderar, se os dados produzidos por esta instituição têm fins políticos, e por isso não são confiáveis, ou se têm fins puramente científicos,e por isso são 100% confiáveis. Desculpe, mas isto é um tipo de utopia. Discutir ciência é explorar a realidade. Todo cientista consciente sabe que não existe ciência pura nem ciência neutra. Espero que publique este comentário. Abraços e adeus

    1. ROCA

      Fernanda,
      Se você ler os “Termos de Uso” do nosso blog verá que você está se desviando do assunto.
      Aqui é um blog de CIÊNCIAS e não de política.
      Você está levando a discussão para o lado político e não é isso que tratamos aqui.

      Senão, vejamos:

      Mudanças climáticas

      Atualmente o “Aquecimento Global” é um tema 99% político e econômico e 1% científico, infelizmente, tornou-se um tema controverso e distorcido… Se querem processar Al Gore, que o façam. Não nos cabe aqui discutir política, se o Al Gore extrapolou ou não. Em breve saberemos onde está a verdade.

      Se quer saber o lado científico leia o interessante artigo sobre as mudanças climáticas cíclicas na Terra:
      http://eternosaprendizes.com/2010/04/06/geologa-liga-as-mudancas-regulares-do-ciclo-orbital-da-terra-as-mudancas-climaticas-globais/

      Em outro artigo falamos de um período na história climática da Terra em que simplesmente não havia geleiras nos pólos:
      http://eternosaprendizes.com/2010/04/25/aquecimento-global-massivas-erupcoes-vulcanicas-foram-responsaveis-pelo-maximo-termico-paleoceno-eoceno-de-55-milhoes-de-anos-atras/

      Já aqui, de forma diametralmente oposta, falamos da Terra quando ela era uma imensa BOLA-DE-NEVE:
      http://eternosaprendizes.com/2010/03/05/cientistas-encontram-novas-evidencias-sobre-a-terra-bola-de-neve/

      Terremotos

      Previsão de terremotos é tanto ciência quanto política. Em primeiro lugar, não há uma maneira altamente confiável de se prever terremotos (onde, quanto e quando), o que os cientistas sabem é a probabilidade e a frequência, mas não a data exata e o local. Assim, como as pessoas insistem em morar perto de locais perigosos e condenados, existem as discussões intermináveis se vai ou não ocorrer o desastre. E quando ocorre, lamentamos as vítimas. Leia: http://eternosaprendizes.com/2010/03/09/ha-mais-terremotos-na-terra-nao-ha-mais-pessoas-morando-em-areas-de-alto-risco/ para entender porque terremotos são temas tão polêmicos. Ninguém quer deixar suas casas… e investir em segurança é caro.

      De qualquer forma, os exemplos que você cita têm a ver com a Terra, sua política, seus governos e governantes, e não com a exploração espacial, missão Apollo XVII, que é o tema do artigo. Nos termos de uso eu sempre peço as pessoas que atenham-se ao tema do artigo. São as regras do blog, de boa convivência. Assim repito: NÃO DISCUTIMOS POLÍTICA POR AQUI.

      Leia e siga as regras do blog.
      http://eternosaprendizes.com/termos-de-uso/

      Além disso, Fernanda, observamos você está desrespeitando outra regra onde nós pedimos para você colocar CORRETAMENTE seu e-mail ao fazer um comentário. Desta forma se você quer comentar aqui então se identifique corretamente para que possamos eventualmente entrar em contato com você. Não informar o e-mail nos dá a impressão que você está se escondendo por trás do seu comentário ou não quer receber resposta. O e-mail que você cadastrou é falso e assim os seus comentários (este e os demais) correm o risco de serem apagados pela administração do site eternosaprendizes.com.

      Favor identificar-se caso queira postar seus comentários aqui.

  8. Fernanda

    Caros amigos eternos aprendizes (ainda não sei que nome usar),

    Por favor, desculpem se houve algum mal entendido. Jamais houve intenção rancorosa, raivosa ou ofensiva de minha parte. Desculpem se causei esta impressão.
    Houve sim a intenção de objetividade e de questionamento imparcial das evidências para buscar a verdade, o que é próprio do ceticismo científico, a base cartesiana da Ciência. Sem o ceticismo científico, a Ciência deixa de ser Ciência para se tornar Religião.
    Li os comentários anteriores e observei que:
    1. Vocês mesmos responderam que a ida do homem à Lua 40 anos atrás foi motivada por razões políticas e que não voltaram lá nos últimos 40 anos por falta de motivos políticos. Dizer que foi por falta de dinheiro não faz sentido, pois os Estados Unidos são hoje muito mais ricos do que 40 anos atrás. Logo, não há como separar política de Ciência, infelizmente. No caso do Iraque, as fotos que comprovavam as armas de destruição em massa foram tiradas por satélites, provavelmente satélites da própria NASA. Se quisermos ignorar estes fatos, estaremos sendo ingênuos ou apenas pessoas de fé e não de Ciência.
    2. Uma pessoa comentou que as fotos seriam talvez a melhor prova de que o homem foi à Lua. Desculpe, mas acreditar em fotos como prova inquestionável denota um pouco de ingenuidade, é mais uma questão de fé do que de Ciência, ainda mais nos dias de hoje, quando se pode manipular qualquer foto em um computador. Até a prática forense geralmente questiona fotos, gravações, etc. quanto à sua autenticidade.
    3. Outro visitante perguntou sobre qual a lógica que explica a descoberta de água primeiro em Marte e depois na Lua e parece que ainda não recebeu um argumento lógico. Ele escreveu comentários longos, de modo que as respostas se desviaram do foco. Por isso, meu primeiro comentário foi curto e direto, para não perder o foco. Não pretendi ofender, foi apenas um estilo objetivo.

    Não quero ser conspiracionista e nem questionar a ida à Lua. Não se trata de me agradar ou não a ida à Lua. Não questionei isto no meu texto e nem o faço agora. Não sei porque vocês tocaram nesta questão, desviando o foco da resposta e dando a impressão de que não me agrada o fato dos americanos terem ido à Lua. Não foi esta a minha questão. Apenas gostaria de exercer o espírito crítico, próprio da Ciência. Vários cientistas hoje consagrados foram considerados conspiracionistas pelos seus contemporâneos e foram perseguidos, dentre eles Galileu e Darwin. O último ainda hoje é considerado conspiracionista por segmentos da sociedade americana que rejeita a evolução como obra de satã. A própria Academia Sueca esteve cética por tanto tempo sobre a Teoria da Relatividade que perdeu a oportunidade de oferecer o Prêmio Nobel a Einstein por esta descoberta. Einstein recebeu o prêmio mais tarde, por outra descoberta menor. Ser cientista significa questionar sempre as evidências, mesmo quando colhidas no seu próprio laboratório. O pesquisador científico atento deve considerar todos os fatos relacionados com o seu objeto de estudo. Se não questiona os dados e sua credibilidade, então está exercendo a fé, o que é próprio da religião e não da Ciência. A Ciência se preocupa com a procura da verdade, enquanto que a política muitas vezes se preocupa com a ocultação da verdade. E nós ficamos no meio disto, tentando descobrir o que está acontecendo de fato. R. P. Feynman, prêmio Nobel de Física, foi convocado para esclarecer um destes casos e publicou um relatório impressionante que questionou a franqueza e a honestidade da NASA, dizendo que “a realidade deve ter prioridade, pois a natureza não se deixa enganar”, sugerindo que é possível enganar as pessoas, mas nunca a natureza. Eis algumas trechos: “Let us make recommendations to ensure that NASA officials deal in a world of reality in understanding technological weaknesses and imperfections well enough to be actively trying to eliminate them. They must live in reality in comparing the costs and utility of the Shuttle to other methods of entering space. And they must be realistic in making contracts, in estimating costs, and the difficulty of the projects. Only realistic flight schedules should be proposed, schedules that have a reasonable chance of being met. If in this way the government would not support them, then so be it. NASA owes it to the citizens from whom it asks support to be frank, honest, and informative, so that these citizens can make the wisest decisions for the use of their limited resources.For a successful technology, reality must take precedence over public relations, for nature cannot be fooled.” A íntegra do documento pode ser lida em [http://www.fotuva.org/feynman/challenger-appendix.html] Feynman foi rancoroso, ofensivo, conspiracionista ou apenas um cientista profissional?

    Einstein passou toda a sua vida tentando separar a política da ciência, sem muito sucesso. O governo americano também não separa política de ciência. Pelo contrário, usa a Ciência por vezes de forma inescrupulosa. E a NASA, parte do governo americano, desenvolve suas pesquisas científicas baseadas principal ou exclusivamente em orientações políticas.

    Contudo, não pretendo questionar as motivações políticas, nem discutir política, mas verificar apenas um único ponto, a credibilidade das evidências que nos apresentam, o que é dever de todo cientista. Afinal, se o governo americano não teve escrúpulos em apresentar recentemente fotos à ONU como prova de que tais armas existiam para convencer os governos de outros países que uma guerra era necessária, que segurança moral ou científica temos nós para acreditar nas fotos que ora nos apresentam? Existe um argumento científico a favor destas fotos ou devemos lançar mão da nossa fé?

    1. ROCA

      Fernanda, tudo bem, o mal entendido foi esclarecido e vamos em frente!.

      Quanto a sua dúvida científica considere o seguinte singelo raciocínio:
      Os cientistas europeus, chineses, russos, japoneses, indianos, etc. etc. etc. não têm questionando as fotos (e muitos deles detestam os americanos), sejam as tiradas em 2009 pela LROC (câmera da LRO), sejam as capturadas pelos astronautas nas 6 missões lunares Apollo. Se milhões de cientistas, especialistas e técnicos não questionam absolutamente nada, porque os leigos questionam? Você tem alguma informação que nós não temos? Alguma evidência? Alguma prova incontestável e inédita?
      .
      Mais uma vez lembro que devemos separar política da ciência. As viagens a Lua nos anos 60 e 70 tinham tanto carácter científico como político (a corrida espacial). No momento em que os próprios americanos passaram a se desinteressar das viagens a Lua a prioridade do programa Apollo desabou e as verbas foram cortadas. As missões Apollo 18, 19 e 20 foram sumariamente canceladas. A razão é simples, já haviam ido lá 6 vezes com sucesso inegável, realizaram diversos experimentos, trouxeram quase 400 quilos de amostras de rochas lunares, estava na hora de parar este oneroso empreendimento.
      .
      A motivação atual é outra. Agora, a razão é extra-política, isto é, puramente científica. Além disso, nós não estamos em ‘corrida-espacial’. Muito pelo contrário, as nações se ajudam (e muito) nos projetos espaciais. Exemplos: Hubble é um telescópio espacial conjunto da NASA e da ESA (Agência Espacial Européia). Os dados científicos são acessados pelos cientistas de diversos países. A ESA fechou um acordo recente com a NASA para colaboração em futuras viagens a Marte.
      http://eternosaprendizes.com/2009/07/12/esa-e-nasa-estabelecem-iniciativa-conjunta-para-explorar-marte/
      .
      Estamos no século de ouro da Astronomia. Os avanços nos últimos 10 anos superam todos os avanços do século XX.
      .

  9. Fernanda

    Oi,

    Enviei pergunta anteriormente que ainda não apareceu aqui.

    Perguntei se as fotos do material na Lua apresentadas neste site são tão confiáveis quanto aquelas fotos que os americanos apresentaram na ONU “comprovando” as armas de destruição em massa do Iraque e que “justificaram” a invasão do Iraque. Parece que até hoje ainda estão procurando aquelas armas…

    Se as fotos deste site são mais confiáveis que aquelas das armas de destruição em massa, por favor, explique-nos a razão.

    Abraços.

    1. ROCA

      Fernanda,
      .
      Notamos uma certa ‘raiva’, um tom rancoroso, em sua pergunta, mas tudo bem… vamos abrir uma exceção ao nosso ‘termos de uso‘ (sugiro que você o leia com atenção, ok?) e comentar sobre o que você escreveu.
      .
      Convém esclarecer que a LRO (Lunar Reconaissance Orbiter) é uma missão científica da NASA que visa mapear detalhadamente a LUA assim como a Mars Reconnaissance Orbiter/HiRISE o faz em Marte há 5 anos. Um dos objetivos (diversos) é descobrir um local apropriado, com água, para uma futura base lunar a ser estabelecida em 2020.
      .
      Convém também separar política de ciência, assim o que aconteceu no Iraque é um problema político e não nos concerne, pois este é um blog de ciências e não de política ou de relações internacionais.
      .
      Assim, nosso papel é a divulgação das evidências científicas, agrade você ou não, os americamos estiveram na Lua com sucesso em 6 missões Apollo e 12 astronautas pisaram na Lua. Estes são fatos históricos, aconteceu. Não há o que discutir sobre isso.
      .
      As fotos dos sites dos locais de pouso das 6 missões Apollo são capturadas com o objetivo de conhecer a “ciência dos impactos na Lua”. Assim comparando a situação de 1969 a 1972, quando das missões Apollo, com a situação atual dá para entender como a Lua tem recebido impactos de meteoritos nos últimos 40 anos. Isso está bem explicado aqui:
      A LRO fotografou o local de pouso da Apollo 14 e mostra o módulo lunar
      .
      Passe lá, leia, comente ou pergunte. Ficamos aguardando…

  10. Carlos

    Obrigado pela atenção, mas a questão apresentada no primeiro contato ainda nao foi respondida. Para evitar dispersão, cito agora somente a questão. Ei-la novamente: “como alguém procura algo primeiro em um local distante onde nunca esteve, e só depois, procura em um local próximo onde esteve diversas vezes?”…”Naquele momento em que foi despertado o interesse por água fora da Terra, e somente a partir daquele momento, o que seria mais lógico: procurá-la primeiro em um terreno muito muito muito distante e ainda desconhecido, ou procurá-la primeiramente em um terreno próximo, já explorado por diversas expedições tripuladas, o quintal de casa? Em palavras mais simples, para evitar mais mal entendido: se você procura água fora da sua casa, você procura primeiro em um terreno situado a 10 mil km da sua casa, e depois você procura no terreno vizinho da sua casa? Ou você procura primeiro no terreno vizinho e só depois procura no terreno mais distante?”

  11. Carlos

    É claro que entendi o seu argumento, mas ele não responde à minha questão. Por outro lado, você não entendeu a minha questão, que tentei colocar no primeiro contato: como alguém procura algo primeiro em um local distante onde nunca esteve, e só depois, procura em um local próximo onde esteve diversas vezes?

    O fato de supostamente não haver interesse por água quando realizaram as missões espaciais explica apenas porque não procuraram água durante as missões. Este argumento não explica porque não procuraram água primeiro na Lua.

    É raciocínio lógico elementar: em algum momento, a NASA passou a se interessar por água fora do planeta Terra. (Embora o interesse por vida fora da Terra venha desde a Antigüidade, e vida está ligada à água, vamos engolir que a NASA só teve interesse pela pesquisa de água fora da Terra depois que terminou aquela série de missões espaciais tripuladas.)

    No momento em que foi despertado o interesse por água fora da Terra, a partir deste momento, o que seria mais lógico: procurá-la primeiro em um terreno muito muito muito distante e ainda desconhecido, ou procurá-la primeiramente em um terreno próximo, já explorado por diversas expedições tripuladas, o quintal de casa? Em palavras mais simples, para evitar mais mal entendido: se você procura água fora da sua casa, você procura primeiro em um terreno situado a 10 mil km da sua casa, e depois você procura no terreno vizinho da sua casa? Ou você procura primeiro no terreno vizinho e só depois procura no terreno mais distante?

    É este o ponto que não faz sentido.

    Simples, quando alguém quer algo, procura primeiro perto, e depois mais longe.

    Ou você costuma procurar algo primeiro muito longe, e depois procura mais perto de você?

    Obs.: o texto que do link da Globo, que você sugeriu, ironiza justamente esta questão. O autor do artigo critica o conteúdo da notícia com requintada ironia, provocando o riso no leitor sagaz, que nota a falta de lógica da notícia. Você tinha percebido? Basta ler os seguintes trechos:

    “Após anos de ‘abandono’, agência americana volta seus olhos para satélite.” (Abandono entre aspas, abandonaram ou não? Por quê?)

    “Objetivo final é achar recursos que facilitem missões lunares tripuladas.” (Como se as missões tripuladas anteriores não precisassem desta facilidade.)

    “a Nasa quer estudar o território que praticamente ignorou desde a última visita, quase 40 anos atrás.” (outra vez se refere ao abandono de 40 anos, muito tempo né?)

    “Temos mapas muito melhores de Marte do que das regiões polares de nossa Lua.” (sem comentários… hehehe)

    ” Os dados também serão uma bênção para os cientistas.” (Parece que os cientistas sabem tão pouco sobre a Lua…)

    1. ROCA

      Tenho a acrescentar:
      1. nos anos 60 e 70 a procura de água na Lua não era prioridade zero. Mas agora é! Veja a seguir os resultados do trabalho das sondas LCROSS e LRO:
      LCROSS: Agora é oficial! Há grande quantidade de água confirmada na Lua
      .
      2. “Temos mapas muito melhores de Marte do que das regiões polares de nossa Lua.” Sem dúvida, graças ao fantástico trabalho das sondas marcianas, Mars Express e Mars Reconnaissance Orbiter. Consulte:
      http://eternosaprendizes.com/tag/hirise/
      .
      3. ”Os dados também serão uma bênção para os cientistas.” Sem dúvida, o trabalho da LRO (Lunar Reconaissance Orbiter) está apenas começando… Confira aqui sobre a missão LRO:
      http://eternosaprendizes.com/tag/lro/
      .

  12. Carlos

    Ok. Pelo que entendi, a procura de água naquelas viagens espaciais não foi nem “prioridade” e nem “primordial” e absolutamente nada importante. Então na época, anos 60 e 70, a NASA só estava interessada em chegar primeiro e conhecer a composição mineral do solo lunar, e por isso trouxe 400 kg de rochas e amostras do solo, ou melhor, tinha interesse em qualquer mineral, menos na água, porisso só pesquisou a água 40 anos depois.

    O raciocínio é tão simples que parece estranho, ilógico e anticientífico, pois a água é de grande importância para qualquer cientista, seja ele astrônomo, geólogo ou biólogo. A água faz parte de cometas, meteoros, etc, transforma as rochas e o solo e é a base da vida. Parece ilógico e anticientífico desprezar a água enquanto se valoriza somente outros minerais.

    Além disso, qualquer expedição exploradora na história da humanidade sempre procura água por onde estiver passando, mesmo que não pense em construir uma base, pois a água é um elemento vital para a nossa sobrevivência.

    Desculpe a franqueza, eu pedi um bom argumento para defender a NASA, mas se eu der a sua resposta aos meus amigos, eles vão rir de mim e dirão que sou tão igênuo a ponto de aceitar esta explicação desprovida de raciocínio lógico e científico. Vou ficar desmoralizado.

    Além disso, a questão do post anterior, a cronologia contraditória da descoberta de água ainda carece de uma explicação lógica.: A partir de algum momento, a NASA começou a se interessar por descobrir água em Marte e na Lua. A água, antes sem importância alguma, tornou-se de repente muito importante. A cronologia da descoberta da água, apresentada como descoberta sensacional, primeiro em Marte, e um ano depois na Lua, sugere que a NASA primeiro se interessou por descobrir água em Marte, e depois pensou em procurar na Lua. O que explica esta cronologia ilógica? A NASA primeiro pensou em estabelecer uma colônia em Marte, e de repente se deu conta que Marte ficava muito muito longe e, daí se lembrou que Lua ficava muito muito mais próxima da Terra e só então teve a idéia de construir uma base logística na Lua? Este raciocínio só faria sentido se a Nasa estiver improvisando nos seus projetos.

    Em que pese a falta de interesse na água nos anos 60 e 70, a contradição é a seguinte: a partir do momento em que surgiu o interesse pela água, o argumento baseado na lógica mais elementar diz que, dada a grande proximidade da Lua e a facilidade de acesso demonstrada por diversas viagens tripuladas sem nenhum acidente fatal, a pesquisa e descoberta de água devia ter ocorrido primeiro na Lua e só depois em Marte.

    Afinal, seria lógico pesquisar a existência de água primeiro em um lugar muito mais distante e só depois na Lua, baseado apenas no argumento de que quando o homem foi à Lua, ele não pretendia ficar por lá e por isso só pesquisou outros minerais e não a água?

    1. ROCA

      Acho que você ainda não entendeu (sei que a dúvida não é simples), então vou explicar melhor: se o objetivo das missões Apollo (6 missões bem sucedidas) fosse realmente procurar por água eles teriam levado equipamentos adequados para tal, tais como pás, escavadeiras, broca, perfuratrizes e algumas bombas para abrir buracos profundos no solo e, principalmente, teriam pousado em um dos pólos! Isso mesmo, os locais de exploração das Apollos não estavam próximos dos pólos lunares, que são os lugares mais prováveis na Lua de se encontrar água no estado sólido. Confira os locais de pouso na terceira imagem do link abaixo:
      http://eternosaprendizes.com/2009/07/17/a-lro-fotografou-o-local-de-pouso-da-apollo-14-e-mostra-o-modulo-lunar/
      .
      Leia artigo do G1 para entender melhor sobre as intenções da NASA:
      .
      “Antes de enviar astronautas de volta à Lua, a Nasa quer estudar o território que praticamente ignorou desde a última visita, quase 40 anos atrás. O Lunar Reconnaissance Orbiter realizará a primeira de uma série de missões robotizadas para mapear e medir a Lua com muito mais detalhes do que anteriormente. Um interesse especial é se haveria água congelada e escondida nas sombras de crateras próximas aos pólos lunares.”
      http://g1.globo.com/Noticias/Ciencia/0,,MUL1207652-5603,00-NASA+MANDA+MISSAO+PARA+ESTUDAR+PRESENCA+DE+AGUA+NA+LUA.html
      .
      Se seus amigos vão entender ou não, realmente não poderei ajudar, a não ser se eles entrarem em contato conosco ou fizerem perguntas, seja aqui, seja no Yahoo-Respostas em Astronomia e Espaço.

  13. Carlos

    Alguém me ajuda, por favor!

    No dia 31.07.08 foi divulgada a sensacional notícia de descoberta de água em Marte:

    http://noticias.terra.com.br/ciencia/interna/0,,OI3042388-EI301,00.html

    No dia 25.09.09, foi veiculada uma notícia “sensacional”: foi descoberta água na Lua.

    Isto causa grande surpresa, afinal houve tantas viagens tripuladas à Lua 40 anos atrás e mais 40 anos de pesquisa e exploração até hoje. Além disso tudo, a Lua fica bem bem mais perto do que Mare. Isto soa tão contraditório à lógica que ofende a nossa inteligência.

    Se não procuraram água, o elemento mais importante para a vida e para a exploração da Lua, naquela época quando estiveram pessoalmente lá, passenado de jipe na Lua, então o que foram fazer lá?????

    Eu sempre defendi que o homem foi à Lua, mas cada dia sinto mais dificuldade em manter esta posição. Alguém poderia me dar um bom argumento para defender esta posição, pois me sinto cada vez mais ridículo e idiota tentando explicar por exemplo, porque não procuraram água quando estiveram lá pessoalmente, só descobriram água 40 anos depois e ainda por cima, descobriram água primeiro em Marte e depois na Lua. Esta notícia apresentada como descoberta inédita insulta a inteligência de pessoas que acreditam na NASA, como eu, e se soma aos argumentos daqueles que acreditam que a viagem à Lua foi apenas uma produção cinematográfica.

    Notícia sobre a descoberta de água na Lua:

    http://noticias.terra.com.br/mundo/noticias/0,,OI3996408-EI8141,00-Nasa+encontra+gelo+em+Marte+e+na+lua.html

    1. ROCA

      O argumento é muito simples, nos anos 60 e 70 a NASA não cogitava implantar uma BASE na Lua. O plano era chegar lá na frente do Soviéticos de forma consolidada e inquestionável e obviamente realizar diversos experimentos científicos. Assim, a procura de água não foi uma prioridade primordial. Eles trouxeram quase 400 kg de rochas lunares e amostras de solo. Essa sim era a prioridade: trazer boas amostras.

  14. raph

    Heh a primeira coisa que pensei é que temos aí mais um prova de que o homem foi a Lua. Talvez melhor do que qualquer outra apresentada no Mythbusters sobre o assunto (mito de que a viagem a Lua foi encenada).

    1. ROCA

      Estas imagens mostram o cenário da Apollo 17 com a maior precisão possível a ser atingida pela LROC: 50 centímetos por pixel.
      Repare nas trilhas e pegadas deixadas pelos astronautas. Repare também nas marcas deixadas pelo rover lunar, que foi deixado à direita, embaixo, da base do módulo lunar.
      A LRO irá gerar e enviar, em breve, novas imagens dos outros locais de pouso e provavelmente veremos também as demais bandeiras, exceto a da Apollo 11 que caiu no solo lunar quando o módulo lunar levantou vôo.

  15. Mirian Martin

    Por que, até hoje, existe dúvidas a respeito da ida do homem à lua?

    1. ROCA

      Além do baixo nível de conhecimento científico da humanidade, razões financeiras, mudanças de prioridade e o fim da guerra-fria impediram que o homem retornasse fisicamente a Lua desde 1972. As novas gerações questionam isso pois ‘não estavam lá para ver’. Sabemos que a ida a Lua foi um passo muito além da capacidade humana e com custo muito elevado. Não há muito sentido hoje em dia ficar mandando seres humanos para o espaço (exceto na estação espacial, que fica bem perto de nós e está protegida pelo campo magnético terrestre) com a radiação cósmica cancerígena que se apresenta no espaço interplanetário. Como falei em http://eternosaprendizes.com/2009/10/29/exercito-multifuncional-de-robos-exploradores-ira-invadir-tita/ o futuro da exploração espacial está no uso de robôs inteligentes. Os robôs não bebem água, não se alimentam, trabalham incansavelmente e não precisam voltar para casa. Já os humanos (ahhh), eles são frágeis, exigem requisitos complicadíssimos de infraestrutura e tem que voltar para seus parentes…

  1. Blog de Astronomia do astroPT » LRO passa sobre o Mar da Tranquilidade e apresenta novas fotos da missão Apollo 11

    […] LRO atingiu sua órbita destino e fotografou a bandeira deixada na Lua pela Apollo 17 […]

Deixe uma resposta