«

»

set 11

A Terra vista do espaço: plâncton em abundância pinta de azul o mar de Barents

Na imagem vemos uma imensa mancha azul gerada pelo plâncton no mar de Barents, norte da Europa. Crédito: ESA/Envisat

Na imagem vemos uma imensa mancha azul gerada pelo plâncton no mar de Barents, norte da Europa. Crédito: ESA/Envisat

Esta imagem gerada pelo satélite Envisat da ESA, o maior observatório espacial de observação da Terra já construído, lançado em 2002, capturou uma gigantesca mancha de plâncton, maior que o país da Grécia, esticando-se através do mar de Barents na ponta do norte Europeu. Essa imagem foi obtida pela câmera MERIS do Envisat em 12 de agosto de 2008, trabalhando em alta resolução (300 metros/pixel).

O mar de Barents apresenta uma profundidade média de 230 metros, podendo chegar até 450 metros, que tem cerca de 136.000 km² de extensão. Em comparação a Grécia tem uma área de 131.940 km². A terra visível na parte inferior da foto pertence à Noruega (à esquerda) e à Murmansk Oblast, divisão federal da Rússia.

Mapa mostra o mar de Barents, norte da Europa, oceano Ártico e a Groelândia

Mapa mostra o mar de Barents, norte da Europa, oceano Ártico e a Groelândia

O plâncton é o tipo de vida mais abundante nos oceanos. Consiste de plantas microscópicas marinhas que ficam a deriva próximo da superfície dos mares. Assim, minúsculo plâncton tem sido chamado de ‘a grama dos mares’ uma vez que ele constitui a fonte básica de alimentação de diversas outras espécies marinhas.

Uma vez que o plâncton contém pigmentos fotossintéticos de clorofila, estes organismos também cumprem o papel das plantas terrestres verdes no processo fotossintético. plâncton é capaz de converter compostos inorgânicos como a água, nitrogênio e carbono em moléculas orgânicas complexas.

Com a habilidade de digerir estes compostos químicos, o plâncton é responsável por remover tanto gás carbônico (CO²) da atmosfera quanto fazem as plantas terrestres. Como resultado disso considera-se que os oceanos têm profunda influência no clima terrestre. Uma vez que o plâncton tem um papel fundamental em influenciar na quantidade de gás carbônico na atmosfera e é sensível a mudanças ambientais torna-se importante monitorá-lo e atualizar os modelos computacionais usados para cálculos e estimativas das mudanças climáticas.

Embora o plâncton seja microscópico individualmente, a clorofila que estes seres usam para processar a fotossíntese pinta coletivamente as águas oceânicas ao redor, fornecendo meios de detectar estes minúsculos organismos do espaço através do uso de sensores de cor dedicados, tais como o equipamento Medium Resolution Imaging Spectrometer (MERIS) do satélite Envisat.

O objetivo principal do espectrômetro MERIS é fornecer medidas quantitativas da coloração dos oceanos, mas o sensor tem flexibilidade suficiente para aplicações de análise tanto do estudo atmosférico como também das superfícies terrestres.

O satélite Aqua da NASA flagrou uma fantástica cena similar em agosto de 2009

Imagem similar obitida pelo Moderate Resolution Imaging Spectroradiometer (MODIS) no satélite Aqua da NASA em 19 de agosto de 2009.

Imagem similar obitida pelo Moderate Resolution Imaging Spectroradiometer (MODIS) no satélite Aqua da NASA em 19 de agosto de 2009.

Esta imagem retrata o florescimento de verão no Mar de Barents à noroeste da Rússia, capturada pelo Moderate Resolution Imaging Spectroradiometer (MODIS) do satélite Aqua em 19 de agosto de 2009. As cores em azul-leite que dominam a região sugerem a presença massiva de cocolitóforos (coccolithophores), fitoplâncton que têm suas conchas formadas por carbonatos de cálcio. A clorofila e outros pigmentos que ajudam na captura da luz solar de outras espécies de fitoplâncton adicionam outras tonalidades ao belo cenário de florescimento marinho: azul escuro, verde e marrom avermelhado.

O fitoplancton no mar da Noruega

The waters of the Norwegian Sea were awash with color on August 4, 2009, when the Moderate Resolution Imaging Spectroradiometer (MODIS) on NASA’s Aqua satellite captured this photo-like image. The brilliant shades of blue and green that fill the waters near the shore are likely phytoplankton, microscopic plant-like organisms that live in the surface waters of the ocean.  Northern summers bring long, sunlit days, giving the organisms plenty of time to grow and reproduce. Over the winter, when days are short and the water is covered with ice, nutrients build up in the surface waters. When summer returns, phytoplankton have an abundance of light and nutrients. Large blooms frequently develop throughout the Arctic.  Phytoplankton are the base of the marine food chain. Areas in which phytoplankton thrive—in the cold waters of the Arctic or Antarctic and in areas where currents bring nutrients to the surface—tend to support a rich and varied ecosystem. Phytoplankton are also an important part of the carbon cycle. The tiny organisms absorb carbon dioxide from the atmosphere as they grow. When they die, plankton sink to the bottom of the ocean, where the carbon is stored.

Águas do mar da Noruega repletas de fitoplâncton foram fotografadas pela câmera MODIS do satélite Aqua da NASA em 04 de agosto de 2009.

Em 04 de agosto de 2009 a câmera MODIS (Moderate Resolution Imaging Spectroradiometer) do satélite de observação terrestre Aqua da NASA capturou a foto acima das águas do mar da Noruega. As colorações em azul e verde que preenchem as águas próximas a costa são, na verdade, o florescimento do fitoplâncton.

Fontes e referências:

Universe Today: Earth From Space: Plankton Bloom por Nancy Atkinson

ESA: Earth from Space: Arctic Bloom

NASA Earth Observatory:

A Terra vista do espaço: o delta do Ganges e o santuário ecológico Sundarbans

A Terra vista do espaço: o desaparecimento do mar do Aral

A Terra Vista do Espaço à Noite


Space.com
http://www.space.com/

Sky & Telescope
http://www.skyandtelescope.com/news

Spaceweather.com
http://spaceweather.com/

APOD
http://apod.nasa.gov/apod/astropix.html

2 menções

  1. A Terra vista do espaço: o desaparecimento do mar do Aral « O Universo – Eternos Aprendizes

    […] A Terra vista do espaço: plâncton em abundância pinta de azul o mar de Barents […]

  2. A Terra vista do espaço: o delta do Ganges e o santuário ecológico Sundarbans « Eternos Aprendizes

    […] A Terra vista do espaço: plâncton em abundância pinta de azul o mar de Barents […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

error: Esse blog é protegido!